Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


14 de Nov de 2018 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Exposição em São Paulo reúne 270 peças do escultor sergipano Véio - Jornal Brasil em Folhas
Exposição em São Paulo reúne 270 peças do escultor sergipano Véio


A exposição A Imaginação da Madeira abre nesta quarta-feira (14), no Itaú Cultural, região central da capital paulista, com 270 peças do artista sergipano Véio – Cícero Alves dos Santos. Esculpidos sempre em madeira de árvores mortas, os trabalhos têm a marca da existência sertaneja, apesar de grande parte da produção ser abstrata ou trazer seres e objetos fantásticos.

Segundo o curador, Carlos Augusto Calil, o escultor, que atualmente tem 70 anos, enfrentou um longo percurso para se estabelecer. “Criado em uma comunidade muito conservadora e muito pobre, onde ele teve que se fazer, que se impor. Sempre esteve contra a maré, marginalizado”, afirma, sobre como ele teve de vencer a pressão para fazer um trabalho mais tradicional, do ponto de vista de onde vivia. “Essa expectativa de ser um artesão, de reproduzir nas esculturas dele cenas da vida sertaneja. Ser um cronista, como muitos artesãos são”, explica.

Passando por uma fase inicial mais ligada a essa tradição, Véio foi criando uma forma de expressão própria. “Ele ultrapassa isso e começa a criar objetos e, sobretudo, seres que não existem na natureza. Ele deixa de ser um documentarista, digamos assim, e passa a ser um criador no sentido puro. Um homem que inventa figuras, situações. Uma capacidade criativa inesgotável”, detalha o curador.

O processo do escultor está muito ligado, de acordo com Calil, ao material usado, como a própria madeira indicando os caminhos da obra final. “Ele tem essa clareza, que dá vida ao que está morto – ele vê nessa madeira morta, figuras. Ele pega um tronco e pinta, desbasta um pouco, mas mantém a estrutura do tronco. Mas não é mais um tronco, é uma figura que não está no nosso mundo. Está em outra esfera”, diz.

A obra de Véio também se destaca, na opinião do curador, pela diversidade criativa. “Ele não se repete. Quando você acha que ele encontrou uma forma, ele muda”, ressalta. A exposição está dividida em três núcleos que demonstram essa diversidade. Na primeira parte estão as obras em grandes dimensões. No segundo núcleo, os personagens milimétricos, semelhantes ao que o escultor produzia com cera de abelha quando era criança. Enquanto a última parte traz uma série de demônios de várias formas.

A exposição gratuita pode ser vista no Itaú Cultural, na Avenida Paulista, até o dia 13 de maio. Mais informações na página http://www.itaucultural.org.br/

Edição: Graça Adjuto

 

Últimas Notícias

Nordeste perdeu 1 milhão de trabalhadores no campo de 2012 para 2017
IBGE prevê em 2019 safra de grãos 0,2% menor que a de 2018
Safra de grãos pode chegar a 238,3 milhões de toneladas, diz Conab
Banco do Brasil tem lucro de 14,3% no terceiro trimestre
Percentual de inadimplentes recua em outubro, diz CNC
Boletos vencidos de todos os tipos serão pagos em qualquer banco
Leonardo de Morais toma posse na presidência da Anatel
Natal deve movimentar R$ 53,5 bilhões na economia do país, prevê SPC

MAIS NOTICIAS

 

No Congresso, Temer defende reuniões frequentes entre Poderes
 
 
Bolsonaro reafirma, no Congresso, compromisso com a Constituição
 
 
Bolsonaro critica Enem e diz que prova deve cobrar conhecimentos úteis
 
 
Governo de transição dividiu trabalhos por temas em dez frentes
 
 
Para ministro, é “mais simples” unir MEC com Ciência e Tecnologia
 
 
Bolsonaro e Temer iniciam hoje formalmente governo de transição

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2019 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212