Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


18 de Mar de 2019 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Se há algo que é democrático, no pior sentido, é o preconceito contra nós, mulheres, afirmou ministra Cármen Lúcia - Jornal Brasil em Folhas
Se há algo que é democrático, no pior sentido, é o preconceito contra nós, mulheres, afirmou ministra Cármen Lúcia


A presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministra Cármen Lúcia, manifestou, na sessão plenária desta quinta-feira (15), pesar pela morte da vereadora Marielle Franco (PSOL-RJ) e de seu motorista Anderson Pedro Gomes, assassinados a tiros na noite de ontem (14) no centro da cidade do Rio de Janeiro. Segundo a ministra, o assassinato da vereadora, “de forma crua, perversa e cruel, faz com que a gente tenha que ter muita força para continuar a acreditar num marco de humanidade do período que estamos vivendo”.

A ministra salientou ainda que, se há algo que é democrático, no pior sentido, é o preconceito contra as mulheres. “Todas as indignidades, injustiças e preconceitos fazem com que a gente tenha é coragem para lutar mais, para que a Constituição possa ser lida por homens e mulheres com a igual certeza da eficácia dos direitos ali postos”, afirmou indignada.

Em uma manifestação pelo Twitter do STF, a ministra exaltou a luta da vereadora pela Justiça e igualdadejustiça e igualdade e o nosso compromisso de continuar com ela. Assim, ela continua conosco. Para sempre Marielle!”, afirmou a presidente do Supremo.

Outros ministros presentes à sessão também fizeram questão de demonstrar indignação em razão do assassinato da vereadora. O ministro Edson Fachin manifestou o desejo de que o silêncio eloquente, coerente com a função jurisdicional, “seja audível contra todas as formas de violência”. Para o ministro Alexandre de Moraes, a vereadora foi alvo de toda série de discriminações e tornou-se vítima da mais cruel e covarde delas, “que é a eliminação física”.

O ministro Luís Roberto Barroso chamou a atenção para a atual situação da cidade do Rio de Janeiro, a qual denominou de combinação medonha de desigualdade, corrupção e mediocridade. “A única homenagem que a gente pode prestar a quem luta por justiça e igualdade é continuar a luta por justiça e igualdade”, disse.

A ministra Rosa Weber citou a saudação utilizada na Marcha Mundial das Mulheres. “Por nossas mortas, nenhum minuto de silêncio, mas uma vida inteira de dor. Marielle, presente”, disse. O ministro Luiz Fux lamentou que a tragédia no Rio tenha acontecido em um momento em que “o universo feminino ascende como a melhor luz no fim do nosso túnel”.

Ao associar-se às manifestações dos colegas, o ministro Ricardo Lewandowski afirmou que o atual clima de violência, ódio e intolerância no país não atinge apenas as mulheres negras, como foi o caso da vereadora Marielle, mas também as demais minorias. “Penso que é função ou até missão do STF estarmos atentos e contribuirmos para a solução deste grave problema e a pacificação de nosso país”, destacou.

O ministro Gilmar Mendes lembrou que somente 8% dos homicídios ocorridos no Brasil são de fato solucionados. “Esses episódios se repetem, e temos que pensar nesse tipo de questão”, falou, referindo-se ao assassinato de Marielle.

O vice-procurador-geral da República, Luciano Mariz Maia, também se manifestou sobre o assassinato da vereadora. “Uma semana após a celebração do Dia Internacional da Mulher acordamos atingidos pelas balas que mataram Marielle e atingem em cheio a democracia”, disse. Maia ressaltou que a vereadora elevou sua voz para silenciar as injustiças e foi silenciada covardemente. “Mas, se a ela tentaram calar e derrubar, devem saber que não se pode deter o rumo da história e a história significa a força da mulher para ter o reconhecimento da sua igualdade”.

SP/JR

 

Últimas Notícias

Polícia apreende lancha de suspeito da morte de Marielle Franco
Atingido por machadinha, aluno correu até hospital próximo à escola
Onze feridos continuam internados após atentado em escola de Suzano
Museu Nacional recebe bolsas de pesquisa do governo do Rio
IML de Suzano começa a receber corpos de vítimas de massacre
Governo pode adiar proposta de desvinculação do Orçamento, diz Guedes
Famílias de mortos em Suzano são atendidas em centro de acolhimento
DEM abre debate interno sobre participação no governo federal

MAIS NOTICIAS

 

Sul do Chile enfrenta 45 focos de incêndios florestais
 
 
Governo de Minas oferece suporte psicossocial às vítimas de Brumadinho
 
 
Força Nacional de Segurança começa a deixar o Ceará
 
 
Licitação de ônibus em São Paulo tem contratos de R$ 71 bi em 20 anos
 
 
Força Nacional vai atuar em Belém na primeira quinzena de março
 
 
Fiocruz alerta para agravamento de doenças na população após tragédia

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2017 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212