Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


19 de Nov de 2018 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Rússia furiosa por acusações britânicas contra Putin por caso de ex-espião - Jornal Brasil em Folhas
Rússia furiosa por acusações britânicas contra Putin por caso de ex-espião


A Rússia mostrou sua indignação nesta sexta-feira ante as acusações de Londres de que o presidente Vladimir Putin teria ordenado o envenenamento de um ex-espião russo em solo britânico, e, após anunciar que se prepara para expulsar diplomatas britânicos do seu território, informou que vai abrir sua própria investigação sobre o escândalo.

Os líderes ocidentais contudo não interromperam suas acusações contra Moscou pelo que consideram um uso sem precedentes de uma arma química em tempos de paz.

A União Europeia alertou que na sua próxima cúpula de quinta-feira analisará o incidente e que passará uma mensagem clara a respeito.

O envenenamento do ex-agente russo Serguei Skripal e sua filha, Yulia, em 4 de março em Salisbury, cidade do sul da Inglaterra, está provocando um confronto Oriente-Ocidente sem precedentes desde a Guerra Fria.

O caso acontece a dois dias eleições presidenciais russas, em que Vladimir Putin se prepara para conquistar um quarto mandato, o que poderá mantê-lo como chefe de Estado até 2024.

Na quarta-feira, a primeira-ministra britânica Theresa May anunciou a expulsão de 23 diplomatas russos, uma medida inédita desde a Guerra Fria, e o congelamento dos contatos bilaterais, uma decisão de Moscou considera absolutamente irresponsável.

O Kremlin garantiu, nesta sexta, que responderá de uma hora para a outra à expulsão de seus diplomatas.

O ministro das Relações Exteriores britânico, Boris Johnson, aumentou a pressão ao assegurar que que Londres culpava o Kremlin de Putin, e não a Rússia, pelo grave uso de um agente neurotóxico nas ruas do Reino Unido, nas ruas das Europa, pela primeira vez desde a Segunda Guerra Mundial.

O porta-voz do Kremlin, Dmitry Peskov, respondeu de imediato: Qualquer menção ou referência a nosso presidente nada mais é do que escandalosa e imperdoável em termos de etiqueta diplomática.

Segundo Peskov, a intensidade da resposta russa será decidida por Putin.

Cedo ou tarde a Grã-Bretanha terá que fornecer provas conclusivas (...) Por enquanto, não vimos nenhuma, declarou Peskov.

Moscou anunciou que investigará por tentativa de assassinato o envenenamento da filha de Skripal, que acompanhava seu pai no momento do incidente.

A investigação foi anunciada pelo Comitê de Investigações Russo, que não mencionou a morte do ex-espião.

Paralelamente, o organismo afirmou que vai investigar outra morte suspeita, a de Nikolaï Gluchkov, ex-diretor-geral da companhia aérea russa Aeroflot, cujo corpo foi misteriosamente encontrado na segunda-feira em sua residência em Londres.

Pouco depois, a polícia britânica anunciou a mesma medida, uma investigação por assassinato.

Ele morreu por uma compressão no pescoço, segundo a polícia britânica. Ele era próximo de um magnata russo opositor, Boris Berezovski, que apareceu enforcado em sua casa britânica em 2013.

- Novichok -

Londres, Berlim, Paris e Washington publicaram um comunicado conjunto no qual afirmam que a única explicação plausível para o envenenamento em 4 de março é a responsabilidade de Moscou.

A Rússia alega inocência e nega categoricamente a existência do programa de armas químicas Novichok, o agente neurotóxico que as autoridades britânicas identificaram neste caso de envenenamento.

A existência deste agente foi revelada por um químico russo atualmente refugiado nos Estados Unidos, Vil Mirzaïanov.

A Rússia, contudo, desmente que tenha um programa para desenvolver estes gases e garante ter destruído todas as suas armas químicas sob controle internacional.

- Silêncio de Putin -

O secretário-geral da Otan, Jens Stoltenberg, pediu nesta sexta-feira para a Rússia cooperar e garantiu que a Aliança Atlântica não quer uma nova Guerra Fria.

Contudo, a tensão de intensificou com o anúncio dos Estados Unidos de impor sanções à Rússia por sua suposta interferência nas eleições presidenciais americanas de 2016 e por vários ciberataques.

A Rússia respondeu garantindo que também tomaria represálias contra Washington quando for o momento.

Por enquanto, Vladimir Putin tem mantido o silêncio sobre o caso, e se mantém em campanha.

 

Últimas Notícias

Submarino argentino é encontrado um ano e um dia após desaparecimento
Parlamento cubano rejeita resolução da Eurocâmara sobre direitos human
Incêndio da Califórnia registra 74 mortos e mais de mil desaparecidos
Livro mistura suspense e fantasia em reflexão sobre violência no país
EBC e Fundação Getulio Vargas firmam acordo para revitalizar acervo
Trabalho de escoramento em viaduto paulistano prossegue neste sábado
Belo Horizonte tem previsão de mais chuva; temporais já mataram quatro
Prefeito de Mariana diz que não desistirá de ação no Reino Unido

MAIS NOTICIAS

 

Morre em Pelotas o criador da camisa canarinho, Aldyr Schlee
 
 
Brasil concentrou 40% dos feminicídios da América Latina em 2017
 
 
Jungmann e Toffoli anunciam sistema para unificar processos de presos
 
 
Pensamento liberal deve guiar a equipe econômica de Bolsonaro
 
 
Gold3-4 minutosfajn permanecerá à frente do BC até Senado aprovar Campos Neto
 
 
Senado argentino aprova orçamento de 2019 como prometeu ao FMI

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2019 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212