Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


12 de Nov de 2018 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Palma forrageira é alternativa para alimentar o rebanho bovino no período de seca - Jornal Brasil em Folhas
Palma forrageira é alternativa para alimentar o rebanho bovino no período de seca


Pecuaristas de São João do Paraíso, no Território Norte, estão utilizando a palma forrageira na alimentação complementar do gado. A planta tem sido uma alternativa durante a seca, diminuindo os prejuízos.

Os longos períodos de estiagem no Norte do estado são um problema constante para os pecuaristas. A falta de chuva reduz o volume de água e das pastagens disponíveis ao rebanho bovino. Resultado: perda de peso dos animais e diminuição na produção leiteira.

Para driblar esse problema, os pecuaristas estão utilizando a palma forrageira para alimentar os animais. A planta é resistente aos períodos de seca e considerada excelente para o rebanho.

Um dos principais incentivos para a utilização da palma forrageira veio da Emater-MG. A empresa também presta assistência técnica aos produtores. Hoje são 100 pecuaristas do município utilizando a planta na alimentação do rebanho.

“O trabalho visa incentivar a implantação do cultivo da palma forrageira no município, oferecendo ao produtor uma opção a mais de alimento para os seus rebanhos, e colaborar para que a pecuária seja desenvolvida dentro de um sistema sustentável”, diz o agrônomo da Emater-MG, Osvaldo Eleutério de Sousa.

A palma forrageira é cortada em fatias e depois fornecida separadamente ao rebanho. “Os agricultores familiares estão utilizando a palma também como uma alternativa de alimentação para as pequenas criações de suínos e galinhas caipiras”, ressalta Osvaldo Eleutério de Sousa.

Incentivo

No ano passado, 44 produtores foram beneficiados com recursos do Plano Brasil Sem Miséria, da Secretaria Especial de Agricultura Familiar e do Desenvolvimento Agrário, para o plantio de palma forrageira. Cada um recebeu R$ 2,4 mil. Para obter o dinheiro, os pecuaristas apresentaram um projeto técnico elaborado pela Emater-MG.

De acordo com o extensionista da empresa, os recursos do programa foram essenciais para a implantação das lavouras, para o aluguel de trator, compra de calcário para calagem do solo e superfosfato simples para adubação e aquisição das mudas. “E ainda sobra algum dinheiro para a manutenção familiar e a mão de obra necessária no plantio e tratos culturais”, lembra Sousa.

Pecuária municipal

O rebanho bovino de São João do Paraíso tem cerca de 10 mil cabeças. Desse total, 80% são da pecuária de corte. De acordo com a Emater-MG, 50 produtores trabalham com a pecuária leiteira. A produção chega a 60 mil litros por mês e é utilizada, principalmente, para a fabricação de requeijão.

 

Últimas Notícias

Nordeste perdeu 1 milhão de trabalhadores no campo de 2012 para 2017
IBGE prevê em 2019 safra de grãos 0,2% menor que a de 2018
Safra de grãos pode chegar a 238,3 milhões de toneladas, diz Conab
Banco do Brasil tem lucro de 14,3% no terceiro trimestre
Percentual de inadimplentes recua em outubro, diz CNC
Boletos vencidos de todos os tipos serão pagos em qualquer banco
Leonardo de Morais toma posse na presidência da Anatel
Natal deve movimentar R$ 53,5 bilhões na economia do país, prevê SPC

MAIS NOTICIAS

 

No Congresso, Temer defende reuniões frequentes entre Poderes
 
 
Bolsonaro reafirma, no Congresso, compromisso com a Constituição
 
 
Bolsonaro critica Enem e diz que prova deve cobrar conhecimentos úteis
 
 
Governo de transição dividiu trabalhos por temas em dez frentes
 
 
Para ministro, é “mais simples” unir MEC com Ciência e Tecnologia
 
 
Bolsonaro e Temer iniciam hoje formalmente governo de transição

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2019 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212