Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


16 de Fev de 2019 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Secid faz gestão junto a ministério para retomar obras habitacionais - Jornal Brasil em Folhas
Secid faz gestão junto a ministério para retomar obras habitacionais


A Secretaria de Estado das Cidades (Secid) está trabalhando junto ao Governo Federal para retomar e concluir a construção de 883 casas populares do Programa Nacional de Habitação Urbana Sub 50 (PNHU), que integra o Minha Casa, Minha Vida, em Mato Grosso, e entregá-las às famílias beneficiadas. Para isso, a equipe da Superintendência de Habitação, ligada à Secretaria Adjunta de Políticas Urbanas da Secid, deu início a uma gestão direta com o Ministério das Cidades para finalizar as obras, cobrando mais empenho da gestão federal na parceria com a gestão estadual.

O volume de residências com pendências hoje representa 23,1%, do total de 3.813 unidades habitacionais ofertadas ao Estado pelo governo federal em 2012 dentro do PNHU. Os investimentos nessas obras chegam a R$ 22,07 milhões e beneficiam 22 municípios. Do total de recursos, o valor pago pelo governo federal a bancos já atinge R$ 20,23 milhões, ou seja 90% do montante geral. “Estamos cobrando empenho da nossa equipe de Habitação para solucionar os problemas existentes. Até porque o beneficiário do programa que aguarda pela sua casa própria há seis anos, não pode ficar prejudicado e a atual gestão já cumpriu com suas responsabilidades nessa modalidade habitacional”, ressaltou o secretário Wilson Santos.

Segundo a coordenadora de Assistência Técnica de Urbanização de Assentamentos Precários, da Secid, Luciléia Santos, o Programa Nacional de Habitação Urbana passa por inúmeros problemas desde que foi criado há seis anos, o que culminou em centenas de imóveis com edificações iniciadas, porém, nunca concluídas. Entre os entraves ao logo dos anos estão o atraso de pagamento por parte do Governo Federal a instituições financeiras que operacionalizam o programa. Bem como, a demora também em repasse dos bancos a empreiteiras responsáveis pelas obras, além de problemas na estrutura de fiscalização e medição de obras.

Resolução dos entraves

Durante reunião realizada em Brasília com a diretora de Urbanização de Assentamentos Precários do Ministério das Cidades, Alessandra D’Avilla Vieira, a representante da Secid expôs que o Estado cumpriu com a contrapartida de aportes financeiros para o programa e está de mãos atadas diante das dificuldades existentes entre bancos e construtoras.

A diretora de Urbanização do Ministério garantiu que os entraves podem estar próximos do fim porque as instituições financeiras ligadas ao programa têm até julho de 2018, segundo a portaria 494 de julho de 2017, para apresentar ao Governo Federal a Declaração de Viabilidade da Obra, que indica a possibilidade de conclusão das unidades sob pena de sofrer sanções, como a devolução dos recursos aplicados nas edificações. “A senhora Alessandra nos garantiu que não haverá prorrogação desse prazo, o que ela considera um ponto positivo na resolução do problema”, relatou a coordenadora da Secid.

Ainda conforme, Luciléia Santos os gestores municipais de cidades beneficiadas pelo PNHU afirmaram em setembro do ano passado, durante reunião na Secid, que a União vinha atrasando os aportes financeiros aos bancos, que consequentemente deixavam de repassar às empresas, gerando um caos. “ A diretora de Assentamento do Ministério reconheceu que o Governo Federal ficou por um curto período ausente de repasses, porém, que isso já foi normalizado e segue o fluxo agora”, acrescentou.

Diante da informação, agora a Secretaria de Estado das Cidades irá convocar as instituições financeiras para reunião juntamente com empreiteiras para pedir esclarecimentos sobre pagamentos e medições.

A coordenadora da Secid explicou ainda que atualmente o maior problema do governo estadual é junto ao banco Cobansa Cia Hipotecária, com quem tem o maior número de unidades habitacionais paralisadas. “Essa instituição financeira foi notificada pelo Ministério das Cidades a devolver ao erário público todo valor recebido, uma vez que não respeitou a portaria 494/2017, deixando de apresentar documentos solicitados, o que provocou a sua exclusão do programa”, explanou.

Contudo, prossegue Luciléia, a representante do Ministério das Cidades garantiu que a pasta, em parceria com o Ministério do Planejamento, está articulando a possibilidade de utilização do Fundo Nacional de Interesse Social (FNHIS) como fonte de recurso para conclusão dessas obras, com intermediação da Caixa Econômica Federal. “Alguns gestores municipais estão dispostos a finalizar as obras, no entanto, visto que o programa trata-se de um convênio federal, que envolve bancos privados, a Secid busca atualmente com Ministério das Cidades e órgãos de controle a legalidade de tal ação. Mas para nós o que interessa é entregar à população essas unidades habitacionais já iniciadas e estamos trabalhando para isso”, destacou.

PNHU

O Programa Nacional de Habitação Urbana (Sub 50), integrante do Minha Casa, Minha Vida, foi criado em 2012 voltado a atender municípios com população abaixo de 50 mil habitantes. Em Mato Grosso, estão previstas a edificação de 3.813 unidades habitacionais em 99 municípios. O valor unitário das casas é de R$ 28 mil, sendo R$ 25 mil da União e outros R$ 3 mil de contrapartida do Estado.

No PNHU, os repasses de recursos são feitos dos governos a instituições financeiras cadastradas no programa, as quais pagam as medições diretamente às empresas. Conforme a Superintendência de Habitação da Secid, esse procedimento é o que dificulta o bom andamento do cronograma de obras. “Os fiscais da Secid só podem verificar a construção das unidades habitacionais quando as medições são envidadas à secretaria. Porém, o que tem ocorrido é que as construtoras mandam esses documentos direto ao banco, sem o parecer técnico da pasta”, disse a coordenadora de Assistência Técnica de Urbanização de Assentamentos Precários da Secid.

Todas as questões elencadas foram pontuadas ao Ministério das Cidades e a Secid está atuando para destravar cada uma delas. Em 2017, o Governo do Estado conseguiu retomar a construção de 303 unidades do PNHU, totalizando um montante de investimento de R$ 8,48 milhões. Ainda faltam 883 residências.

 

Últimas Notícias

Governadores pedem ao STF julgamento de processos sobre repasses
Ministro quer atrair investimentos privados para Jardim Botânico do RJ
Fies vai oferecer 100 mil vagas a juro zero para alunos de baixa renda
TJ libera R$ 13 milhões para Vale ressarcir gastos do governo mineiro
Vale pede mais tempo para analisar Termo de Ajuste Preliminar
Deputados do Rio presos podem ter posses suspensas
Vale suspende operação em barragem em Brucutu e de mina em Brumadinho
TRE-RJ mantém ex-deputado Paulo Melo inelegível até 2024

MAIS NOTICIAS

 

Sul do Chile enfrenta 45 focos de incêndios florestais
 
 
Governo de Minas oferece suporte psicossocial às vítimas de Brumadinho
 
 
Força Nacional de Segurança começa a deixar o Ceará
 
 
Licitação de ônibus em São Paulo tem contratos de R$ 71 bi em 20 anos
 
 
Força Nacional vai atuar em Belém na primeira quinzena de março
 
 
Fiocruz alerta para agravamento de doenças na população após tragédia

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2017 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212