Assine Brasil em Folhas / Nuvem / Pressreader



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


25 de Sep de 2018 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade
 

...

...

 
Notícias
 Emater presta assistência técnica a 120 escolas públicas por ano - Jornal Brasil em Folhas
Emater presta assistência técnica a 120 escolas públicas por ano


O programa Agricultura Urbana, da Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural do Distrito Federal (Emater-DF), funciona há cerca de dez anos e tem como principal alvo as escolas públicas da capital.
O programa Agricultura Urbana, da Emater-DF, funciona há cerca de dez anos e tem como principal alvo as escolas públicas da capital. Um dos espaços atendidos é o Centro de Ensino Especial 2, de Brasília, que atualmente funciona como exemplo para outras instituições.

O objetivo é incentivar a segurança alimentar com a produção de orgânicos em hortas na cidade. São cerca de 120 escolas atendidas anualmente.

A empresa oferece assistência técnica para o manejo básico de hortas. A capacitação, com a visita de técnicos ao local atendido, envolve preparação do solo, tipos de irrigação, adubação e controle de pragas, por exemplo.

Por meio do programa, também são fornecidos adubos, sementes e ferramentas necessárias ao cultivo. São atendidos ainda centros de saúde, unidades de internação socioeducativa e entidades sem fins lucrativos.

Para solicitar assistência técnica, é preciso protocolar o pedido em um dos escritórios da Emater ou na sede do órgão, na Asa Norte. O ofício também pode ser enviado por carta, para o CEP 70.770-915. O documento deve conter o endereço, o tipo de horta e o público a ser atendido.

Na agrofloresta, diferentes produções nascem juntas, como na natureza, com uma espécie protegendo a outra

O Centro de Ensino Especial 2, na 612 Sul, tem uma das hortas escolares atendidas. Em uma área de aproximadamente 5 hectares, a escola mantém canteiros suspensos, viveiro e uma agrofloresta.

Diferentemente do pomar, na agrofloresta as produções nascem juntas. “É tudo misturado, como a natureza produz, um protegendo o outro”, explica o professor Antônio Francisco da Silva, responsável pela área.

Ele diz que já perdeu as contas de quantos itens cultiva no local, que tem banana, abacaxi, cana, feijão e uma variedade de outros alimentos.

Na quarta-feira (14), o colégio teve sua primeira Festa do Milho, só com comidas feitas à base do cereal, produzido no espaço desde o fim do ano passado.

O professor conta que o que é colhido na horta serve para a merenda dos alunos. O restante é vendido entre os docentes para ajudar a manter o trabalho no espaço.

A área, que mistura brinquedos à natureza, ainda serve para desenvolvimento de trabalhos lúdicos dos alunos. “Com certeza isso ajuda no desenvolvimento deles e acalma”, avalia a professora Ana Cristina da Silva.

A horta do Centro de Ensino 2 ainda é visitada por alunos de outras escolas da rede, que passam o dia em atividades de educação ambiental. Além dos alimentos, Antônio ainda planta flores ornamentais. As sementes são compradas ou colhidas em viagens do professor.

Desde 2016, o lugar também serve de exemplo para outras instituições interessadas em começar trabalho semelhante. Professores e gestores inscritos em um curso do Centro de Aperfeiçoamento dos Profissionais da Educação (Eape) vão até a horta para conhecer a iniciativa e se inspirar.

Gerson Rodrigues, de 47 anos, da área administrativa do Jardim de Infância do 6º Comar, é encantado com o projeto. “É muito bonito esse trabalho de unir o sensorial à educação”, opina. Ele ajuda a implementar uma horta no local onde atua inspirado no formato que conheceu lá.

Parte da produção vai para merenda dos alunos

Na Escola Classe 410 de Samambaia, o que não é utilizado na merenda escolar é doado para que os alunos levem para casa. O espaço também recebe o auxílio técnico da Emater e desde 2010 investe em educação ambiental.

São cultivados itens como alface, cebolinha e coentro. Outros tipos de gêneros, como feijão e mandioca, são plantados em atividades específicas de cada disciplina, para ajudar pedagogicamente no ensino de histórias relacionadas aos alimentos.

Neste ano, a escola começará o plantio de mudas alimentícias não convencionais, como a ora-pro-nóbis. Rica em ferro, a planta também contém fibras e vitamina C.

 

Últimas Notícias

Empresários brasileiros apostam em alimentos e bebidas saudáveis
Temporal no RS deixa mais de 360 mil residências sem luz
Livro aborda mentiras contadas por presidentes do Brasil em 100 anos
Setor da cachaça lança manifesto contra carga tributária
Polícia busca PM sequestrado por criminosos na zona oeste do Rio
Bolsonaro passa bem e tem dreno retirado do abdome
PM encontra carro de policial sequestrado no Rio
Festival de Brasília termina hoje com entrega de premiações

MAIS NOTICIAS

 

Toffoli toma posse hoje na presidência do STF
 
 
Chanceler do Paraguai visita Brasil para negociar construção de pontes
 
 
Indústria recua em oito dos 15 locais pesquisados pelo IBGE em julho
 
 
Brasil amplia investimento em educação infantil, diz OCDE
 
 
México investiga caso de deputadas forçadas a renunciar
 
 
A série de ataques de 11 de Setembro completa 17 anos

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2017 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212