Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


18 de Fev de 2019 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Lava Jato completa quatro anos às vésperas de possível prisão de Lula - Jornal Brasil em Folhas
Lava Jato completa quatro anos às vésperas de possível prisão de Lula


A operação Lava Jato completa quatro anos às vésperas do que pode ser, como muitos chamam, seu dia D: a prisão do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, condenado a 12 anos e um mês de detenção por corrupção e lavagem de dinheiro.

O que parecia, em 17 de março de 2014, uma operação rotineira sobre o mercado ilegal do câmbio em Brasília, se tornou a maior investigação sobre corrupção da história do Brasil e expôs uma monumental rede de propinas entre empresas e políticos montada na Petrobras há mais de uma década.

Foi batizada de Operação Lava Jato por ter começado em uma rede de postos de combustíveis e lava-jato usados para movimentar recursos ilícitos.

As investigações a cargo dos procuradores da Justiça Federal em Curitiba e do juiz de primeira instância Sérgio Moro - que se transformou em uma marca da luta contra a corrupção para muitos brasileiros - se estenderam a outros estados e levaram para a prisão empresários e políticos que até então pareciam intocáveis.

O caso pôs contra a parede Lula, duas vezes presidente (2003 a 2010) e uma das personalidades da esquerda latino-americana mais relevantes em nível internacional.

O ex-presidente pode perder a liberdade se o Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF4), uma corte de segunda instância localizada em Porto Alegre, rejeitar seus últimos recursos contra a confirmação da sentença que o considerou culpado de ter recebido como benefício um tríplex no Guarujá, litoral de São Paulo, em troca de favorecimento à empreiteira OAS.

A situação de Lula é muito sensível para a Lava Jato, que tem como pilares as prisões preventivas, as delações premiadas e a execução de penas após decisão em segunda instância, sem aguardar que se esgotem os recursos junto às instâncias superiores.

Uma eventual modificação dessa jurisprudência é a principal preocupação que temos, disse na sexta-feira o procurador Deltan Dallagnol, chefe da equipe que investiga pessoas sem foro privilegiado e frequente alvo de juristas considerados garantistas.

Dallagnol falou em um encontro de procuradores em Porto Alegre, que defenderam a continuidade da operação na antessala do que para muitos será o Dia D: a prisão de Lula, que pode acontecer em semanas se forem cumpridos os prognósticos de quem espera uma decisão rápida do tribunal que analisa a última apelação.

- STF -

As investigações da Lava Jato forçaram 77 ex-empresários da Odebrecht a confessar seus crimes e abriram um novo capítulo com ramificações em países da América Latina, Estados Unidos, Europa e África.

No Supremo Tribunal Federal (STF), onde são tratados os casos de políticos com foro (ministros e parlamentares), os processos transitam mais lentamente.

O megacaso e suas derivações puseram na mira o presidente Michel Temer no ano passado, mas a Câmara dos Deputados votou por congelar as duas denúncias que foram apresentadas contra ele.

Juntamente com dezenas de deputados e senadores, foram abertos expedientes sobre quatro ex-chefes de Estado: Lula (2003-2010), Dilma Rousseff (2011-2016), Fernando Collor (1990-1992) e José Sarney (1985-1990).

A corrupção é um ataque à democracia, disse em Porto Alegre a procuradora-geral, Raquel Dodge.

Os procuradores e o juiz Moro contam com amplo apoio da sociedade, mas seus críticos o acusam de querer constituir um partido da Justiça para criminalizar a política.

 

Últimas Notícias

Governadores pedem ao STF julgamento de processos sobre repasses
Ministro quer atrair investimentos privados para Jardim Botânico do RJ
Fies vai oferecer 100 mil vagas a juro zero para alunos de baixa renda
TJ libera R$ 13 milhões para Vale ressarcir gastos do governo mineiro
Vale pede mais tempo para analisar Termo de Ajuste Preliminar
Deputados do Rio presos podem ter posses suspensas
Vale suspende operação em barragem em Brucutu e de mina em Brumadinho
TRE-RJ mantém ex-deputado Paulo Melo inelegível até 2024

MAIS NOTICIAS

 

Sul do Chile enfrenta 45 focos de incêndios florestais
 
 
Governo de Minas oferece suporte psicossocial às vítimas de Brumadinho
 
 
Força Nacional de Segurança começa a deixar o Ceará
 
 
Licitação de ônibus em São Paulo tem contratos de R$ 71 bi em 20 anos
 
 
Força Nacional vai atuar em Belém na primeira quinzena de março
 
 
Fiocruz alerta para agravamento de doenças na população após tragédia

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2017 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212