Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


20 de Nov de 2018 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Idaf participa de qualificação sobre doença que afeta plantios de cupuaçu e cacau - Jornal Brasil em Folhas
Idaf participa de qualificação sobre doença que afeta plantios de cupuaçu e cacau


Agrônomos, técnicos e gestores do Instituto de Defesa Agropecuária e Florestal do Acre (Idaf) participam de 19 a 26 de março do Curso de Emergência Fitossanitária e Exercícios Simulados com Ênfase na Monilíase do Cacaueiro, em Porto Velho (RO). A Monilíase é uma doença que afeta os frutos do cacau, cupuaçu, cacauí e cupuí, espécies comuns na floresta.

Ronaldo Queiróz, diretor-presidente do Idaf, explica que é fundamental a equipe do Instituto estar presente nessa qualificação. “Nossos servidores são de excelência e esse curso vem para aprimorar os conhecimentos para que a defesa vegetal do Acre possa agir utilizando-se das técnicas mais eficazes e seguras, caso essa praga seja identificada em nosso território”, pontuou o presidente.

Durante os oito dias de qualificação, os técnicos participarão de dinâmica e palestras sobre sanidade vegetal, manejo integrado de pragas, vigilância fitossanitária nas fronteiras do país e debates com mestres e doutores do Departamento de Sanidade Vegetal do Ministério da Agricultura (MAPA/DSV).

Órgãos de fiscalização animal e vegetal de Rondônia, Amazonas, Bahia, Mato Grosso do Sul, Pará, Paraná e do Instituto de Cultivos Tropicais (ICT) do Peru confirmaram presença no encontro.

O curso e a simulação de um ataque da doença integram as ações do Plano de Contingência da Monilíase do Cacaueiro, recomendado pelo Ministério da Agricultura.

A monília, ou monilíase, é uma doença que devasta as sementes e causa perda de 50% até 100% dos frutos produzidos. “O agente causal é um fungo que até o momento não existe no Brasil, mas já se encontra em países vizinhos, como Peru e Bolívia, localizados na área de fronteira com o Acre”, frisa Ligiane Amorim, engenheira agrônoma do Idaf.

Entre os sintomas da doença estão a lesão escura na casca do fruto com formação de grande quantidade de pó esbranquiçado, que se desprende facilmente.

“Surgem umas ‘barrigas’, o fruto fica deformado. Após essa deformação, surgem manchas amareladas com pontos escuros e com o tempo o fruto vai se enchendo de esporos do fungo. Esse esporo é uma massa branca, como se fosse um pó. Outro sintoma é a mumificação do fruto, que fica todo ressecado, mumificado e coberto com pó branco. Ficam endurecidos, resistentes a quebra”, destaca a engenheira.

 

Últimas Notícias

Estimativa do mercado para inflação cai pela quarta vez seguida
Autoridades de Cuba anunciam retorno de médicos antes do fim do ano
Guatemala monitora atividades de vulcão que pode ter novas erupções
Marcelo Piloto é extraditado do Paraguai para o Brasil
Ex-CEO da Nissan é preso no Japão suspeito de reduzir próprio lucro
Governador eleito do Rio promete nova concessão para o Maracanã
Relatório alerta que há 45 barragens sob ameaça de desabamento
Relatório alerta que há 45 barragens sob ameaça de desabamento

MAIS NOTICIAS

 

Estimativa do mercado para inflação cai pela quarta vez seguida
 
 
Autoridades de Cuba anunciam retorno de médicos antes do fim do ano
 
 
Guatemala monitora atividades de vulcão que pode ter novas erupções
 
 
Ex-CEO da Nissan é preso no Japão suspeito de reduzir próprio lucro
 
 
Governador eleito do Rio promete nova concessão para o Maracanã
 
 
Relatório alerta que há 45 barragens sob ameaça de desabamento

 


 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2019 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212