Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


12 de Nov de 2018 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Em Buenos Aires, Meirelles e ministros de 13 países discutem crise na Venezuela - Jornal Brasil em Folhas
Em Buenos Aires, Meirelles e ministros de 13 países discutem crise na Venezuela


Os ministros da Fazenda do Brasil, Henrique Meirelles, e de outros treze países se reuniram nesta segunda-feira (19) em Buenos Aires. O assunto foi a dívida externa da Venezuela e a criação de um fundo multilateral para atender aos milhares de venezuelanos, que estão cruzando a fronteira para fugir da grave crise econômica, politica e humanitária no país. Segundo Meirelles, a proposta será levada à reunião do Fundo Monetário Internacional (FMI) em abril.

“O dinheiro [do fundo] seria para assistência, acomodação e direcionamento desses refugiados fora da Venezuela”, disse Meirelles, em entrevista após o encontro. Ele lembrou que já existem 300 mil venezuelanos na Colômbia e 40 mil no estado brasileiro de Roraima, entrando pela região da mata da Amazônia.

O encontro para tratar da Venezuela foi paralelo às reuniões de ministros da Fazenda e presidentes dos bancos Centrais do G20 – grupo das vinte maiores economias do mundo –, que representa 85% do Produto Interno Bruto (PIB) mundial e que este ano é presidido pela Argentina. Além do Brasil, participaram do encontro representantes da Alemanha, do Canadá, Chile, da Colômbia, Espanha, dos EUA, da França, do Japão, da Itália, do México, Peru, Paraguai e Reino Unido.

Além da proposta de criação de um fundo, foi discutida também a dívida que a Venezuela tem com alguns países – entre eles o Brasil. “O governo brasileiro optou por cobrar o pagamento da dívida, de US$ 1,3 bilhão, e os venezuelanos já pagaram o que venceu”, explicou. Outros credores, no entanto, que apoiam o regime do presidente venezuelano Nicolás Maduro – como Rússia e China – ofereceram uma moratória por alguns anos. “Nós não temos uma politica de financiar e apoiar [o governo de Maduro]”, disse.

Aço e alumínio

Outro tema, que não fazia parte da agenda original do G20, mas acabou dominando as discussões, foi a ameaça de guerra comercial, desencadeada pela decisão do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, de aumentar as tarifas de importação aço e alumínio. A medida afeta diretamente o Brasil: um terço das exportações de aço brasileiro vai para os Estados Unidos e o setor emprega 200 mil pessoas.

Meirelles disse que a decisão de Trump terá um efeito negativo não apenas para os exportadores, mas também para o consumidor norte-americano, que pagará mais caro pelos produtos. Ele alertou para o risco de uma guerra comercial: a União Europeia já fez uma lista de cem produtos norte-americanos que podem ser afetados, caso haja retaliação.

As novas tarifas devem entrar em vigor na sexta-feira (23) e, até o momento, somente o México e o Canada, foram isentos. Meirelles disse que o Brasil ainda não tomou uma decisão sobre o que vai fazer a respeito. De acordo com o ministro, “[Os Estados Unidos] indicaram desejo para negociar e agora estamos aguardando os termos dessa negociação e os pontos”. Ao mesmo tempo, o governo brasileiro estuda acionar a Organização Mundial do Comercio (OMC), o órgão que regula o comércio internacional.

Eleições

Ao ser perguntado sobre as eleições presidenciais brasileiras, Meirelles disse que vai decidir até o dia 7 de abril se vai se apresentar como candidato. Ele disse que está aguardando o resultado de algumas pesquisas qualitativas sobre o que espera o eleitor brasileiro.

Edição: Denise Griesinger

 

Últimas Notícias

Nordeste perdeu 1 milhão de trabalhadores no campo de 2012 para 2017
IBGE prevê em 2019 safra de grãos 0,2% menor que a de 2018
Safra de grãos pode chegar a 238,3 milhões de toneladas, diz Conab
Banco do Brasil tem lucro de 14,3% no terceiro trimestre
Percentual de inadimplentes recua em outubro, diz CNC
Boletos vencidos de todos os tipos serão pagos em qualquer banco
Leonardo de Morais toma posse na presidência da Anatel
Natal deve movimentar R$ 53,5 bilhões na economia do país, prevê SPC

MAIS NOTICIAS

 

No Congresso, Temer defende reuniões frequentes entre Poderes
 
 
Bolsonaro reafirma, no Congresso, compromisso com a Constituição
 
 
Bolsonaro critica Enem e diz que prova deve cobrar conhecimentos úteis
 
 
Governo de transição dividiu trabalhos por temas em dez frentes
 
 
Para ministro, é “mais simples” unir MEC com Ciência e Tecnologia
 
 
Bolsonaro e Temer iniciam hoje formalmente governo de transição

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2019 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212