Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


25 de Mar de 2019 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Facebook abalado por escândalo de vazamento de dados pessoais - Jornal Brasil em Folhas
Facebook abalado por escândalo de vazamento de dados pessoais


O Facebook está no centro de um escândalo que pode ameaçar até mesmo seu modelo comercial, após ser revelado que uma empresa britânica ligada à campanha de Donald Trump usou dados pessoais de milhões de usuários.

A ação do Facebook recuou 6,8% na sessão desta segunda-feira, em Wall Street.

A notícia de que a empresa britânica Cambridge Analytica (CA), especializada em comunicação estratégica, tinha usado dados de 50 milhões de usuários do Facebook para desenvolver um software que prevê e influencia eleitores gerou protestos dos dois lados do Atlântico.

A senadora democrata Amy Klobuchar e o republicano John Kennedy pediram que o CEO do Facebook, Mark Zuckerberg, compareça ao Congresso, do mesmo modo que os diretores executivos de Google e Twitter.

Os dois legisladores consideram que tais empresas acumularam quantidades de dados pessoais sem precedentes e que a falta de supervisão gera preocupações sobre a integridade das eleições americanas, assim como sobre os direitos à privacidade.

Esta é uma grande violação (de dados) que precisa ser investigada, e é óbvio que essas plataformas não podem se autorregular, disse a senadora Klobuchar, que acredita que Zuckerberg deve ir ao Congresso explicar o ocorrido.

O senador Ron Wyden pediu ao Facebook que forneça mais informação sobre o que chamou de preocupante uso de dados privados para influenciar os eleitores.

A comissária europeia de Justiça, Consumidores e Igualdade de Gênero, Vera Jourova, disse que o uso indevido dos dados do Facebook por parte de uma empresa política seria horrível, e anunciou que tratará do tema nesta semana em Washington.

No Reino Unido, o parlamentar Damian Collins, presidente da comissão que trata de assuntos digitais, também disse que Facebook e CA terão que se explicar.

A conta da CA no Facebook foi suspensa, anunciou a rede social.

Facebook, mas também Twitter e Google, são acusadas há meses de servir como plataformas para manipular a opinião pública, particularmente por entidades vinculadas à Rússia durante a campanha presidencial americana, ou o referendo do Brexit em 2016.

A investigação conjunta do The New York Times e do The Observer indicou que a CA conseguiu criar perfis psicológicos de 50 milhões de usuários do Facebook usando um aplicativo de previsão de personalidade que foi baixado por 270.000 pessoas, mas também coletou dados de amigos da usuários.

A CA negou qualquer uso indevido de dados. O Facebook suspendeu a conta da empresa na sexta-feira, mas negou que fosse uma grande violação de dados, sugerindo que o problema afetaria um número muito menor de usuários.

O Facebook anunciou nesta segunda-feira que contratou a empresa Stroz Friedberg para realizar uma auditoria abrangente da CA.

Já a CA desmentiu as acusações. Os dados do Facebook não foram utilizados pela Cambridge Analytica no âmbito dos serviços oferecidos na campanha presidencial de Donald Trump e nenhuma publicidade dirigida foi realizada para esse cliente, disse a empresa nesta segunda-feira.

A empresa foi financiada com 15 milhões de dólares por Robert Mercer, um empresário americano que fez sua fortuna em fundos abutre e é um dos principais doadores do Partido Republicano.

- Grande impacto -

Para alguns analistas, isto representa uma crise existencial para o Facebook devido ao modo como reúne e utiliza dados sobre seus 2 bilhões de usuários.

Que o Facebook não perceba a diferença entre vender sapatos e vender um programa presidencial é um grande problema, disse Daniel Kreiss, professor de meios e comunicação da Universidade da Carolina do Norte.

Jennifer Grygiel, especialista em redes sociais da Universidade de Syracuse, avaliou que as revelações aumentarão a pressão para regular o Facebook e outras redes sociais, atualmente em xeque por permitir a propagação de desinformação por parte de fontes orientadas pela Rússia.

A autorregulamentação não está funcionando. Me pergunto quanto deve piorar até que nossos reguladores intervenham e façam as companhias responsáveis.

Neste contexto, o chefe da segurança do Facebook, Alex Stamos, admitiu uma mudança de suas funções, mas desmentiu sua saída da empresa, como anunciou o NYT.

 

Últimas Notícias

Jovens têm menos chance de contratação e mais de serem demitidos
Bolsa cai e dólar fecha em R$ 3,80
Araújo: dispensa de status especial na OMC nos coloca como país grande
Países sul-americanos devem sair de uma só vez da Unasul, diz ministro
Chanceler descarta emprego das Forças Armadas na Venezuela
Moçambique, Zimbábue e Malauí tentam identificar vítimas de ciclone
Nova Zelândia quer proibir, em abril, venda de armas do tipo militar
Conselho Europeu aceita prorrogar saída do Reino Unido para maio

MAIS NOTICIAS

 

Copom inicia reunião nesta terça para definir taxa básica de juros
 
 
Mercado reduz projeção de crescimento da economia de 2,28% para 2,01%
 
 
Atividade econômica tem queda de 0,41% em janeiro, diz BC
 
 
Governo lança edital de estudos para concessão de 22 aeroportos
 
 
Governo do Rio anuncia rompimento da concessão do Maracanã
 
 
Conflitos e segurança poderão contar pontos na avaliação de escolas

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2017 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212