Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


15 de Nov de 2018 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 China remodela equipe econômico para combater riscos financeiros - Jornal Brasil em Folhas
China remodela equipe econômico para combater riscos financeiros


A China remodelou, nesta segunda-feira (19) sua equipe econômica para tentar controlar sua dívida e enfrentar os riscos financeiros sem comprometer seu modelo de crescimento.

O poder chinês nomeou um importante aliado do presidente Xi Jinping como vice-primeiro-ministro, e também escolheu um novo diretor para o banco central.

Liu He, de 66 anos, influente assessor econômico de Xi, será um dos quatro vice-primeiros-ministros, após ser eleito pela Assembleia Nacional Popular (ANP), a câmara legislativa do regime.

A nomeação já esperada confirma seu papel de diretor econômico do gigante asiático. É o novo czar da economia chinesa, garante Larry Hu, analista do banco Macquarie.

O discreto Liu He é considerado o principal arquiteto do reajuste econômico dos últimos anos na China para promover o consumo interno, serviços e inovação. Também são atribuídos a ele os esforços para controlar o aumento da dívida.

Liu, economista formado em Harvard, tornou-se conhecido nos últimos meses. No início de março, ele viajou para Washington para resolver os atuais desacordos comerciais com os Estados Unidos, uma questão espinhosa que pode ser tratada a partir de agora.

A ANP também nomeou Yi Gang, de 60 anos, chefe do Banco Central (PBOC), da qual ele já era vice-governador desde 2008.

O economista, também formado nos Estados Unidos, substitui Zhou Xiaochuan, que presidiu o corpo desde 2002 e deve se aposentar depois que completar 70 anos.

- Tratamento equitativo -

Em um comentário recente para a revista Caixin, Yi defendeu uma maior flexibilização da conversibilidade do yuan, que permanece fortemente controlado, para aumentar a influência do mercado na taxa de câmbio.

No início de março, ele também defendeu a eliminação, prometida por Pequim, das restrições que limitam a participação de investidores estrangeiros em empresas financeiras chinesas, prometendo tratamento justo.

O novo diretor do banco central tem uma carreira incomum para um alto funcionário chinês. Ele passou cerca de 15 anos nos Estados Unidos, onde obteve um doutorado em Illinois e foi professor-assistente de Economia na Universidade de Indiana, antes de entrar no banco central chinês em 1997.

À frente do organismo, Yi Gang não terá tanta marcha de manobra quanto seus equivalentes europeus e americano, já que o PBOC atua sob controle do governo, com um papel de assessor e regulador, lembra o analista Larry Hu.

Mas a China, que agora considera o controle dos riscos financeiros uma batalha decisiva, com uma dívida superior a 250% do PIB, reforçou consideravelmente os poderes de supervisão do banco central.

Paralelamente, a instituição deve continuar a apoiar a economia real e empréstimos para empresas - um exercício de equilíbrio complicado, de acordo com Christopher Balding, professor da Universidade de Pequim.

O PBOC deve tentar reduzir o endividamento [do setor financeiro], mas sem aceitar a contrapartida inevitável, um endurecimento das condições de crédito que podem frear a atividade, explica ele.

 

Últimas Notícias

Presidente Díaz-Canel defende trabalho de médicos cubanos no Brasil
Ministério vai lançar edital para repor vagas de médicos cubanos
CFM afirma que há médicos suficientes para atender Brasil
Associação lança projeto para conscientizar população sobre diabetes 2
Transposição do S. Francisco está na pauta de prioridades da transição
Temer inaugura primeira etapa do acelerador de elétrons Sirius
Temer diz que decidirá “lá na frente” reajuste de ministros do STF
Só um governador do Nordeste participa de encontro em Brasília

MAIS NOTICIAS

 

No Congresso, Temer defende reuniões frequentes entre Poderes
 
 
Bolsonaro reafirma, no Congresso, compromisso com a Constituição
 
 
Bolsonaro critica Enem e diz que prova deve cobrar conhecimentos úteis
 
 
Governo de transição dividiu trabalhos por temas em dez frentes
 
 
Para ministro, é “mais simples” unir MEC com Ciência e Tecnologia
 
 
Bolsonaro e Temer iniciam hoje formalmente governo de transição

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2019 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212