Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


21 de Fev de 2019 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 BofA eleva preço-alvo e recomenda compra para ação que subiu 510% em 2017 - Jornal Brasil em Folhas
BofA eleva preço-alvo e recomenda compra para ação que subiu 510% em 2017


SÃO PAULO - O Bank of America Merrill Lynch atualizou suas projeções para a Magazine Luiza (MGLU3), reiterando a recomendação de compra para as ações, cujo preço-alvo para 12 meses foi revisado de R$ 90 para R$ 120 - o que implica um potencial de valorização de 29,5% em relação ao último fechamento da ação.

A ação da Magalu subiu 510,5% em 2017 e neste ano já acumula ganhos de 15,6% (até o fechamento do dia 16). A ação faz parte da lista de recomendações da Carteira InfoMoney (Clique aqui para assinar o relatório Carteira InfoMoney Premium e receber estas recomendações em tempo real).

Este preço-alvo 33% maior reflete o novo múltiplo que o banco passou a utilizar em seu valuation da varejista: o P/L (Preço/Lucro) estimado para 2019 subiu de 29x para 33x, um prêmio em relação aos varejistas físicos, mas um desconto considerado em relação aos líderes de e-commerce puro, explicam os analistas Robert Aguilar e Rodrigo Cruz.

Os analistas do BofA ainda elevaram em 15% a 20% as projeções de lucro líquido por ação para Magalu neste biênio - de R$ 2,62 por ação para R$ 2,91 por ação em 2018 e de R$ 3,10 para R$ 3,60 em 2019. Vemos oportunidades para melhorar o capital de giro e a geração de caixa, complementaram.

Para a dupla de analistas, a Magalu deve manter o ritmo mais rápido de crescimento ao mesmo tempo em que suas principais rivais, como Walmart e B2W, estão correndo atrás desta fatia de mercado, reduzindo agressivamente seus preços iniciais nas ofertas feitas no e-commerce de forma a ganhar share. Essas saídas, segundo o BofA, coincidem com o marketplace mais amplo da Amazon e as expectativas de oferecer preços mais competitivos no mercado de eletrônicos.

A equipe de análise afirma ainda que o aumento das taxas dos Correios devem trabalhar em favor da Magazine Luiza, que possui uma logística própria, podendo custar metade das taxas de drop-ship vista na Amazon (quando o revendedor não mantém os produtos em estoque e vende os que estão no estoque do fornecedor), enquanto o Mercado Livre tem quase 90% da sua mercadoria bruta vendida no Brasil via Correios.

Esperamos também que as vendas de MGLU se beneficiem dos diversos esforços para reduzir o tempo de entrega, ampliar a oferta de produtos, incluir logística reversa e integrar o seu marketplace em 2018, escreve o BofA.

 

Últimas Notícias

Brasil perdeu 7,2 milhões de linhas de celular no ano passado
Petrobras reduz em 3% GLP empresarial nas refinarias
Ministro do STJ nega pedido de prisão domiciliar a João de Deus
Escassez de chuvas leva governo a acionar termelétricas mais caras
Picciani, Paulo Melo e Albertassi serão julgados por Bretas
Suspensa permissão para deputada receber denúncias contra professores
MPT não descarta pedir bloqueio dos bens do Flamengo
Número de mortos identificados em Brumadinho chega a 151

MAIS NOTICIAS

 

Sul do Chile enfrenta 45 focos de incêndios florestais
 
 
Governo de Minas oferece suporte psicossocial às vítimas de Brumadinho
 
 
Força Nacional de Segurança começa a deixar o Ceará
 
 
Licitação de ônibus em São Paulo tem contratos de R$ 71 bi em 20 anos
 
 
Força Nacional vai atuar em Belém na primeira quinzena de março
 
 
Fiocruz alerta para agravamento de doenças na população após tragédia

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2017 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212