Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


14 de Nov de 2018 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 TJ admite argumento da PGE sobre apreensão de mercadorias nos postos fiscais - Jornal Brasil em Folhas
TJ admite argumento da PGE sobre apreensão de mercadorias nos postos fiscais


A Procuradoria Geral do Estado (PGE) obteve êxito no Tribunal de Justiça com a admissão do Incidente de Resolução das Demandas Repetitivas (IRDR) que fixará tese relacionada à possibilidade de apreensão de mercadorias nos postos fiscais, quando elas não estiverem acompanhadas da documentação fiscal.

Com isso, ficam suspensos todos os processos que tratam desta matéria, até que a tese, a ser vinculante a todos os juízes, seja fixada pelo Tribunal de Justiça de Mato Grosso.

Tanto a petição do Estado, subscrita pelo subprocurador fiscal Leonardo Vieira e pelos procuradores Bruno Menezes e Lucas Dallamico, quanto à sustentação oral perante a Corte de Justiça, realizada pelos procuradores do Estado Carlos Perlin e Felipe Florêncio, ressaltaram a necessidade de se diferenciar a situação de débito anterior do contribuinte, de um lado, e a necessidade da mercadoria que transita no território estadual estar acompanhada da nota fiscal e do pagamento dos impostos, de outro. De acordo com a PGE, neste último caso, a apreensão de mercadorias se mostra legítima, tanto que o Tribunal de Justiça já vem reafirmando esse entendimento em suas decisões.

O subprocurador Fiscal Leonardo Viera afirmou ainda que o posicionamento do Judiciário permite o cumprimento da Resolução 07 da Secretaria de Estado de Fazenda (Sefaz), para que fiquem submetidos ao regime administrativo cautelar as questões relacionadas à apreensão de mercadorias, com o recolhimento do ICMS concomitante a cada operação ou prestação relativa ao trânsito de bens e mercadorias.

A medida, resultante de esforço conjunto da Procuradoria Geral do Estado, evitará que a atual liberação indiscriminada de mercadorias, mediante liminares judiciais, mesmo quando existente irregularidade no recolhimento do ICMS, continue a ocasionar dano ao Estado, pela sonegação de tributos e evasão de receitas públicas.

Para se ter ideia da relevância do tema, entre 2009 e 2017 mais de 11 mil ações judiciais envolvendo liberação de mercadorias foram ajuizadas, envolvendo cerca de 530 milhões de reais em tributos, prejudicando o Estado de Mato Grosso.



 

Últimas Notícias

Nordeste perdeu 1 milhão de trabalhadores no campo de 2012 para 2017
IBGE prevê em 2019 safra de grãos 0,2% menor que a de 2018
Safra de grãos pode chegar a 238,3 milhões de toneladas, diz Conab
Banco do Brasil tem lucro de 14,3% no terceiro trimestre
Percentual de inadimplentes recua em outubro, diz CNC
Boletos vencidos de todos os tipos serão pagos em qualquer banco
Leonardo de Morais toma posse na presidência da Anatel
Natal deve movimentar R$ 53,5 bilhões na economia do país, prevê SPC

MAIS NOTICIAS

 

No Congresso, Temer defende reuniões frequentes entre Poderes
 
 
Bolsonaro reafirma, no Congresso, compromisso com a Constituição
 
 
Bolsonaro critica Enem e diz que prova deve cobrar conhecimentos úteis
 
 
Governo de transição dividiu trabalhos por temas em dez frentes
 
 
Para ministro, é “mais simples” unir MEC com Ciência e Tecnologia
 
 
Bolsonaro e Temer iniciam hoje formalmente governo de transição

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2019 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212