Assine Brasil em Folhas / Nuvem / Pressreader



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


22 de Sep de 2018 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade
 

...

...

 
Notícias
 Projeto de privatização da Eletrobras deve ser votado até fim de abril - Jornal Brasil em Folhas
Projeto de privatização da Eletrobras deve ser votado até fim de abril


O relator do projeto de privatização da Eletrobras, deputado José Carlos Aleluia (DEM-BA), apresentou hoje (20) o plano de trabalho das discussões da proposta e sugeriu que a votação do texto ocorra até o final do mês de abril. Durante a reunião da comissão especial destinada a debater a matéria, deputados oposicionistas voltaram a criticar o projeto e foram rebatidos pelo relator.

De acordo com José Carlos Aleluia, a intenção é avançar no debate por meio de seis eixos de discussão, que vão desde os argumentos da direção da estatal até a modelagem societária prevista no texto. Pelo menos seis audiências públicas estão programadas para ocorrer a partir da próxima semana, sendo uma delas sobre a revitalização da Bacia do Rio São Francisco. Se o cronograma de atividades for cumprido como proposto pelo relator, a votação do relatório deve ocorrer entre os dias 23 e 27 de abril.

O deputado Zé Geraldo (PT-BA) chegou a discutir fora dos microfones com José Carlos Aleluia, após classificar os defensores do projeto de criminosos e caloteiros por venderem as riquezas estratégicas do país. O povo brasileiro precisa entender que é um crime, um calote. Isso é dinheiro do suor e do sangue do povo brasileiro, que pagou impostos. Não se construiu a Eletrobras em cinco, dez anos. Ela foi construída por profissionais competentes e com investimento de orçamento público que vocês querem entregar para os chineses e americanos, criticou.

“Sinto que a oposição tem medo que os dados apareçam, porque vai mostrar que eles quebraram a Eletrobras, que eles falam com razão, que tem ativos registrados em livros de R$ 171 bilhões, quando Dilma [Rousseff] foi afastada do governo estava valendo R$ 8 bilhões em bolsa”, respondeu José Carlos Aleluia, após a reunião.

O relator defendeu que o projeto seja amplamente discutido e disse que, diferentemente do que prega a oposição, serão colocados recursos na revitalização do Rio São Francisco. Ele disse que vai propor um fundo que viabilizará o repasse de R$ 1 bilhão por ano durante as próximas três décadas. Após a apresentação do plano de trabalho, a reunião foi encerrada pelo presidente Hugo Motta (MDB-PB) devido ao início das votações no plenário da Câmara.

Nesta quarta-feira (21), os deputados devem se reunir novamente para discutir o plano de trabalho e apreciar requerimentos de convocação de novas audiências públicas.

Privatização

O governo encaminhou o texto ao Congresso Nacional no fim de janeiro e trabalha com o mês de abril como prazo de votação. Pela proposta apresentada, a privatização ocorrerá por meio do lançamento de novas ações no mercado até que esse número transforme a União em acionista minoritária. O projeto também prevê que, para preservar interesses estratégicos nacionais, os novos acionistas serão proibidos de acumular mais de 10% do capital da empresa.

A privatização da Eletrobras foi anunciada pelo governo em agosto do ano passado. De acordo com o Ministério de Minas e Energia (MME), o valor patrimonial da Eletrobras é de R$ 46,2 bilhões, e o total de ativos da empresa soma R$ 170,5 bilhões. O governo espera obter com a venda cerca de R$ 12 bilhões. A empresa é responsável por um terço da geração de energia do país.

Medida provisória

Paralelamente ao projeto, o governo apresentou uma medida provisória que altera a legislação atual para facilitar a privatização da estatal. Nesta terça-feira, o presidente da comissão mista que vai analisar preliminarmente a MP, senador Eduardo Braga (PMDB-AM), informou que apresentará sugestões de alteração no texto para prever a estabilidade dos trabalhadores do setor elétrico.

O objetivo da emenda, segundo o parlamentar, é considerar as características peculiares da Amazônia e dos funcionários que podem enfrentar dificuldades no mercado de trabalho caso sejam demitidos logo após a privatização. “Seria uma garantia adicional de um fundo, uma indenização adicional de dois anos com férias e décimo terceiro proporcionais, seria uma rede de proteção para os servidores”, afirmou.

A MP foi editada no fim do ano passado pelo presidente Michel Temer e trata de alterações no setor elétrico, como a expansão da oferta e a universalização dos serviços de energia.

A proposta revoga artigo da Lei 10.848/2004, que trata da comercialização de energia, que excluía a Eletrobras e suas controladas – Furnas, Companhia Hidro Elétrica do São Francisco (Chesf), Eletronorte, Eletrosul e a Companhia de Geração Térmica de Energia Elétrica (CGTEE) – do Programa Nacional de Desestatização. Essa é a terceira medida provisória editada pelo presidente Temer destinada a abrir caminho para a venda da Eletrobras.

Edição: Juliana Andrade

 

Últimas Notícias

Deputado Marlúcio promove caminhonetadas em várias regiões de Aparecida
Dia da Árvore: desmatamento vem caindo, mas ainda há desafios
Brincar com os quatro elementos da natureza ajuda a criança a se desenvolver melhor
Meninas que praticam esportes, cuidado com a alimentação!
Indústria paulista fecha 2,5 mil postos de trabalho em agosto
Aneel descarta revisão de bandeira tarifária em conta de luz
BNDES: empréstimos para Cuba e Venezuela não deveriam ter sido feitos
Brasil amplia investimento em educação infantil, diz OCDE

MAIS NOTICIAS

 

Toffoli toma posse hoje na presidência do STF
 
 
Chanceler do Paraguai visita Brasil para negociar construção de pontes
 
 
Indústria recua em oito dos 15 locais pesquisados pelo IBGE em julho
 
 
Brasil amplia investimento em educação infantil, diz OCDE
 
 
México investiga caso de deputadas forçadas a renunciar
 
 
A série de ataques de 11 de Setembro completa 17 anos

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2017 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212