Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


19 de Fev de 2019 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Ministério Público faz primeira denúncia da Operação Lava Jato em São Paulo - Jornal Brasil em Folhas
Ministério Público faz primeira denúncia da Operação Lava Jato em São Paulo


O ex-diretor da empresa estatal paulista Desenvolvimento Rodoviário (Dersa) no governo de José Serra (PSDB), Paulo Vieira de Souza, o Paulo Preto, foi denunciado hoje (22) pelo Ministério Público Federal (MPF) por desvios de cerca de R$ 7,7 milhões [em valores da época] em recursos e imóveis destinados ao reassentamento de pessoas desalojadas para obras viárias em São Paulo.

Entre as obras investigadas e apontadas na denúncia estava a construção do trecho sul do Rodoanel, o prolongamento da Avenida Jacu Pêssego e a nova Marginal Tietê. Além de Paulo Preto, outras cinco pessoas foram denunciadas pelo órgão. Esta é a primeira denúncia da força-tarefa da Operação Lava Jato em São Paulo.

Os cinco foram acusados pelos crimes de formação de quadrilha, peculato e inserção de dados falsos em sistema público de informação.

Segundo a denúncia, o dinheiro foi desviado em proveito próprio e de terceiros e ocorreu entre os anos de 2009 e 2011. O esquema, de acordo com o MPF, era comandado por Paulo Preto e começou a ser investigado primeiramente pelo Ministério Público estadual, mas como envolvia verbas federais, a investigação foi encaminhada ao Ministério Público Federal.

A investigação aponta que o esquema montado por Paulo Preto fraudava o cadastro de moradores. Ao todo, cerca de 1,8 mil pessoas foram inseridas indevidamente nos programas de reassentamento das três obras. Algumas dessas pessoas receberam indevidamente auxílios, indenizações ou apartamentos da Companhia de Desenvolvimento Habitacional e Urbano do Estado de São Paulo (CDHU).

Crimes

Segundo o MPF, o primeiro evento criminoso investigado foi a inclusão de seis empregadas da família de Paulo Preto no programa de reassentamento do trecho sul do Rodoanel Mário Covas, como se elas morassem em casas na região que seriam desalojadas para a obra.

Entre os anos de 2009 e 2012 elas receberam apartamentos da CDHU no valor de R$ 62 mil na época, além de auxílio mudança no valor de R$ 300. Uma auditoria feita pela Dersa não comprovou que elas teriam direito ao benefício. Isso gerou, segundo o órgão, prejuízo de R$ 375 mil aos cofres públicos.

O segundo evento criminoso apontado na denúncia trata de desvios de apartamentos e indenizações, entre os anos de 2009 e 2010, para parentes e pessoas ligadas a uma funcionária da Dersa. Isso resultou em pagamento de indenizações no total de R$ 995 mil. No entanto, segundo o que foi apurado, os parentes e pessoas a ela relacionados não receberam a indenização, que era, na verdade, encaminhada para pessoas de confiança de Paulo Preto.

Já o terceiro fato trata de 1.773 pagamentos indevidos de indenizações irregulares para falsos desalojados pelo prolongamento da Jacu Pêssego, prejuízo de cerca de R$ 6,3 milhões em valores da época.

Se for condenado pelos crimes apontados pelo Ministério Público, a pena de Paulo Preto pode variar entre 15 e 81 anos, mais o agravante de crime continuado.

O advogado Daniel Bialski, que defende Paulo Vieira de Souza, informou que a denúncia é contrária à própria conclusão da auditoria interna e investigações internas que inocentaram Paulo Vieira de Souza de qualquer ato ilícito ou favorecimento a quem quer que seja. Igualmente a denúncia não se apara nos elementos informativos colhidos no inquérito policial, que mostraram que ele não cometeu qualquer crime.

Procurada pela Agência Brasil, a Dersa ainda não se pronunciou sobre a denúncia.

Edição: Denise Griesinger

 

Últimas Notícias

Brasil perdeu 7,2 milhões de linhas de celular no ano passado
Petrobras reduz em 3% GLP empresarial nas refinarias
Ministro do STJ nega pedido de prisão domiciliar a João de Deus
Escassez de chuvas leva governo a acionar termelétricas mais caras
Picciani, Paulo Melo e Albertassi serão julgados por Bretas
Suspensa permissão para deputada receber denúncias contra professores
MPT não descarta pedir bloqueio dos bens do Flamengo
Número de mortos identificados em Brumadinho chega a 151

MAIS NOTICIAS

 

Sul do Chile enfrenta 45 focos de incêndios florestais
 
 
Governo de Minas oferece suporte psicossocial às vítimas de Brumadinho
 
 
Força Nacional de Segurança começa a deixar o Ceará
 
 
Licitação de ônibus em São Paulo tem contratos de R$ 71 bi em 20 anos
 
 
Força Nacional vai atuar em Belém na primeira quinzena de março
 
 
Fiocruz alerta para agravamento de doenças na população após tragédia

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2017 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212