Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


17 de Fev de 2019 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Rio está sem vacina pentavalente; ministério diz vai regularizar abastecimento - Jornal Brasil em Folhas
Rio está sem vacina pentavalente; ministério diz vai regularizar abastecimento


As unidades municipais de saúde do Rio de Janeiro registram desabastecimento total da vacina pentavalente. O imunizante está em falta em todos os postos da cidade. O desabastecimento foi confirmado pela Secretaria Municipal de Saúde. O órgão argumenta que a responsabilidade pelo fornecimento é do Ministério da Saúde, que por sua vez diz que está trabalhando para regularizar a situação.

A aplicação da vacina pentavalente faz parte do calendário nacional de imunização e ocorre em três doses: quando os bebês completam dois, quatro e seis meses. Ela protege contra cinco doenças: difteria, tétano, coqueluche, hepatite B e outras infecções causadas pela bactéria Haemophilus influenzae tipo B, entre elas a meningite.

Vacinas combinadas são uma tendência mundial. O calendário da criança cresceu em número de doses e de aplicações e é preciso otimizar. Isso não é novo. Essas vacinas já são usadas há muito tempo. Mas cada vez temos mais combinações, explicou a médica Isabella Ballalai, presidente da Sociedade Brasileira de Imunizações (SBIm).

De acordo com ela, nos últimos três anos, o Brasil vem registrando diversos casos de descontinuidade na distribuição da vacina pentavalente. Como ainda não é desenvolvido no país, o imunizante precisa ser importado. Isabella disse que a produção em diversos países tem enfrentado problemas, impactando no mercado mundial e tem levado o Brasil a buscar fornecedores na Índia.

A falta da vacina preocupa porque, se for por muito tempo, [a criança] pode perder cobertura vacinal. Atrapalha também a adesão da população. Quem vai ao posto e não encontra a vacina, nem sempre volta. E isso também pode levar a uma redução da cobertura, alertou.

Hoje, as cinco doenças cobertas pela vacina estão controladas no país. Para não haver reversão desse quadro, a SBIm pede que os pais não deixem de buscar novamente a vacina polivalente uma vez que o abastecimento se regularize.

A Agência Brasil apurou que o problema se repete em Niterói. Postos de saúde contatados informaram estar desabastecidos. Na rede privada do município, a Clínica Imunológica informou que cobra R$270 pela vacina. Já em uma unidade da Clínica Prophylaxis, sediada na capital, o valor é R$ 325.

O Ministério de Saúde informou que mantém a distribuição de vacinas em todo o país e está trabalhando para regularizar os estoques em casos pontuais. No caso da pentavalente, já foi autorizado o envio de 1,2 milhão de doses para todo o país, sendo 90 mil para Rio de Janeiro, informou em nota. De acordo com a pasta, as doses chegarão aos estados nos próximos dias.

Por sua vez, a Secretaria de Estado de Saúde do Rio de Janeiro (SES-RJ) disse ter recebido do Ministério de Saúde uma nova remessa no dia 15 de março e que a vacina está disponível para retirada dos municípios. O órgão, porém, não informou se as prefeituras do Rio de Janeiro e de Niterói retiraram o imunizante.

Medicamentos

A falta de insumos e medicamentos tem sido um problema recorrente nas unidades de saúde do Rio de Janeiro. Em dezembro do ano passado, conselhos regionais profissionais de medicina, nutrição, fonoaudiologia e fisioterapia se mobilizaram para manifestar receio com a situação na capital, considerada preocupante. Além da falta de pessoal em diversos hospitais, eles alegavam que 200 medicamentos, entre eles os voltados para pacientes com pressão alta e diabetes, estavam em falta mas unidades de atenção básica.

Na quinta-feira (23), o prefeito do Rio de Janeiro, Marcelo Crivella, anunciou um investimento de R$ 37 milhões para a compra de medicamentos. A nova remessa contempla 150 do total de 175 itens que compõem a grade da atenção primária, lista de remédios distribuídos aos pacientes das Clínicas da Família e dos Centros Municipais de Saúde, informou a prefeitura. Os remédios devem chegar até o dia 9 de abril.

Ainda de acordo com o município, outros R$ 110 milhões haviam sido destinados em novembro do ano passado para o mesmo fim e os estoques estão sendo repostos. Os pacientes que enfrentarem problemas devem registrar reclamação através do Disque-Remédio, canal de comunicação criado em janeiro e que funciona através do telefone (21) 2599-4760.

* Colaborou Raquel Júnia, da Rádio Nacional do Rio de Janeiro

Edição: Fernando Fraga

 

Últimas Notícias

Governadores pedem ao STF julgamento de processos sobre repasses
Ministro quer atrair investimentos privados para Jardim Botânico do RJ
Fies vai oferecer 100 mil vagas a juro zero para alunos de baixa renda
TJ libera R$ 13 milhões para Vale ressarcir gastos do governo mineiro
Vale pede mais tempo para analisar Termo de Ajuste Preliminar
Deputados do Rio presos podem ter posses suspensas
Vale suspende operação em barragem em Brucutu e de mina em Brumadinho
TRE-RJ mantém ex-deputado Paulo Melo inelegível até 2024

MAIS NOTICIAS

 

Sul do Chile enfrenta 45 focos de incêndios florestais
 
 
Governo de Minas oferece suporte psicossocial às vítimas de Brumadinho
 
 
Força Nacional de Segurança começa a deixar o Ceará
 
 
Licitação de ônibus em São Paulo tem contratos de R$ 71 bi em 20 anos
 
 
Força Nacional vai atuar em Belém na primeira quinzena de março
 
 
Fiocruz alerta para agravamento de doenças na população após tragédia

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2017 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212