Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


22 de Jan de 2019 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Líderes europeus exigem proteção de dados de cidadãos após escândalo do Facebook - Jornal Brasil em Folhas
Líderes europeus exigem proteção de dados de cidadãos após escândalo do Facebook


Os líderes europeus pediram nesta quinta-feira (22) às empresas digitais para que garantam uma proteção total da vida privada dos cidadãos, em pleno escândalo sobre o uso de dados de milhões de usuários do Facebook.

As redes sociais e as plataformas digitiais devem garantir práticas transparentes e uma proteção total da vida privada e dos dados pessoais dos cidadãos, assinalaram os 28 em uma declaração comum no primeiro dia de uma cúpula em Bruxelas.

As legislações europeia e nacional devem ser respeitadas, acrescentaram os líderes do bloco comunitário.

O Facebook está no meio de uma polêmica depois de ter sido revelado que uma empresa britânica, a Cambridge Analytica, usou os dados particulares de 50 milhões de usuários da popular rede social - sem a autorização destes - para fins eleitorais.

O presidente do Parlamento europeu, Antonio Tajani, convidou o fundador do Facebook, Mark Zuckerberg, a se explicar ante os eurodeputados, que querem realizar uma investigação sobre esta violação inaceitável dos direitos à confidencialidade de dados.

Queremos saber se durante as eleições americanas e durante o referente sobre o Brexit foram usados dados para influenciar na posição dos cidadãos, disse Tajani nesta quinta-feira em Bruxelas.

As autoridades encarregadas da proteção de dados nos países da UE ofereceram seu apoio nesta investigação aberta pelo regulador britânico sobre os dados da Cambridge Analytica.

A comissária europeia de Justiça, Vera Jourova, assinalou que o uso abusivo desses dados pessoais constitui uma ameaça contra a democracia.

Isso coloca em dúvida a liberdade das decisões eleitorais, declarou ante a imprensa em seu retorno de uma viagem aos Estados Unidos.

No dia anterior havia advertido que um escândalo similar ao protagonizado pelo Facebook poderia custar muito caro a partir de maio, quando entrará em vigor um novo regulamento europeu de proteção de dados pessoais.

Quebrando o silêncio que mantinha desde o início da crise, a pior vivida pela jovem empresa, Zuckerberg se desculpou pelos erros cometidos por meio de um comunicado na quarta-feira.

Tratou-se de um abuso de confiança muito importante e estou penalizado, declarou à emissora CNN, acrescentando que estaria disposto a prestar depoimento ante o Congresso americano.

 

Últimas Notícias

Furto de combustível causou explosão que matou ao menos 66 pessoas
Sobe para 399 número de presos por ataques no Ceará
Migrantes desaparecidos em naufrágio no Mediterrâneo já são 114
Aniversário de São Paulo terá programação com diversidade de ritmos
Mais de 600 pessoas levavam gasolina na hora da explosão de oleoduto
Pré-carnaval movimenta foliões nas ruas do Rio
Brasil expressa condolências às famílias das vítimas no México
Marcha das Mulheres reúne milhares pelo mundo

MAIS NOTICIAS

 

ANP aprova credenciamento de empresa certificadora
 
 
Política de combate à inflação foi bem-sucedida, diz presidente do BC
 
 
Marcos Pontes: fusão de Embraer e Boeing preserva interesses do país
 
 
Número de linhas de celular tem maior queda do ano em novembro
 
 
ANP: Petrobras pede prazo maior para definir quais campos vai explorar
 
 
Ex-presidente do Banco Central defende política econômica do governo

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2017 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212