Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


14 de Nov de 2018 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Líderes europeus exigem proteção de dados de cidadãos após escândalo do Facebook - Jornal Brasil em Folhas
Líderes europeus exigem proteção de dados de cidadãos após escândalo do Facebook


Os líderes europeus pediram nesta quinta-feira (22) às empresas digitais para que garantam uma proteção total da vida privada dos cidadãos, em pleno escândalo sobre o uso de dados de milhões de usuários do Facebook.

As redes sociais e as plataformas digitiais devem garantir práticas transparentes e uma proteção total da vida privada e dos dados pessoais dos cidadãos, assinalaram os 28 em uma declaração comum no primeiro dia de uma cúpula em Bruxelas.

As legislações europeia e nacional devem ser respeitadas, acrescentaram os líderes do bloco comunitário.

O Facebook está no meio de uma polêmica depois de ter sido revelado que uma empresa britânica, a Cambridge Analytica, usou os dados particulares de 50 milhões de usuários da popular rede social - sem a autorização destes - para fins eleitorais.

O presidente do Parlamento europeu, Antonio Tajani, convidou o fundador do Facebook, Mark Zuckerberg, a se explicar ante os eurodeputados, que querem realizar uma investigação sobre esta violação inaceitável dos direitos à confidencialidade de dados.

Queremos saber se durante as eleições americanas e durante o referente sobre o Brexit foram usados dados para influenciar na posição dos cidadãos, disse Tajani nesta quinta-feira em Bruxelas.

As autoridades encarregadas da proteção de dados nos países da UE ofereceram seu apoio nesta investigação aberta pelo regulador britânico sobre os dados da Cambridge Analytica.

A comissária europeia de Justiça, Vera Jourova, assinalou que o uso abusivo desses dados pessoais constitui uma ameaça contra a democracia.

Isso coloca em dúvida a liberdade das decisões eleitorais, declarou ante a imprensa em seu retorno de uma viagem aos Estados Unidos.

No dia anterior havia advertido que um escândalo similar ao protagonizado pelo Facebook poderia custar muito caro a partir de maio, quando entrará em vigor um novo regulamento europeu de proteção de dados pessoais.

Quebrando o silêncio que mantinha desde o início da crise, a pior vivida pela jovem empresa, Zuckerberg se desculpou pelos erros cometidos por meio de um comunicado na quarta-feira.

Tratou-se de um abuso de confiança muito importante e estou penalizado, declarou à emissora CNN, acrescentando que estaria disposto a prestar depoimento ante o Congresso americano.

 

Últimas Notícias

Nordeste perdeu 1 milhão de trabalhadores no campo de 2012 para 2017
IBGE prevê em 2019 safra de grãos 0,2% menor que a de 2018
Safra de grãos pode chegar a 238,3 milhões de toneladas, diz Conab
Banco do Brasil tem lucro de 14,3% no terceiro trimestre
Percentual de inadimplentes recua em outubro, diz CNC
Boletos vencidos de todos os tipos serão pagos em qualquer banco
Leonardo de Morais toma posse na presidência da Anatel
Natal deve movimentar R$ 53,5 bilhões na economia do país, prevê SPC

MAIS NOTICIAS

 

No Congresso, Temer defende reuniões frequentes entre Poderes
 
 
Bolsonaro reafirma, no Congresso, compromisso com a Constituição
 
 
Bolsonaro critica Enem e diz que prova deve cobrar conhecimentos úteis
 
 
Governo de transição dividiu trabalhos por temas em dez frentes
 
 
Para ministro, é “mais simples” unir MEC com Ciência e Tecnologia
 
 
Bolsonaro e Temer iniciam hoje formalmente governo de transição

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2019 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212