Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


16 de Nov de 2018 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 EUA e China se armam para guerra comercial com retórica pesada - Jornal Brasil em Folhas
EUA e China se armam para guerra comercial com retórica pesada



Estados Unidos e China, as maiores economias do mundo, preparam suas armas para uma potencial guerra comercial com uma retórica pesada, que desperta preocupações para confrontos com consequências imprevisíveis.

Washington deu o primeiro golpe ao anunciar tarifas contra produtos chineses por pelo menos 50 bilhões de dólares, e Pequim respondeu com medidas de reciprocidade.

O cenário de incertezas generalizadas provocou uma tendência à queda nas principais bolsas de valores, uma prévia do impacto que esta crise pode ter nos mercados financeiros.

Em Wall Street, o índice industria Dow Jones já tinha caído 3% na quinta-feira e recuou mais 1,7%, enquanto na Europa as bolsas de Londres, Frankfurt, Milão e Madri também derraparam.

Na própria China, as bolsas de valores de Xangai, Shenzen e Hong Kong fecharam em baixa, bem como Tóquio.

- OMC pede moderação -

A Organização Mundial do Comércio (OMC) pediu moderação e diálogo urgentes.

Perturbar o fluxo comercial pode ameaçar a economia mundial, alertou o diretor-geral do organismo, o brasileiro Roberto Azevêdo.

Se nos atacarem, reagiremos sem fraqueza, indicou o presidente francês, Emmanuel Macron, ao fim de uma cúpula europeia em Bruxelas dedicada ao comércio.

Para o primeiro-ministro belga, Charles Michel, o presidente dos Estados Unidos tenta negociar colocando um revólver na cabeça da UE.

Nesta sexta-feira, no entanto, o presidente Donald Trump observou que Washington já iniciou negociações comerciais com vários outros países e afirmou que seu governo agora pode ter acordos justos, graças a sua posição mais firme.

Washington já anunciou que irá isentar temporariamente das tarifas de aço e alumínio a União Europeia e vários países, como Brasil, Canadá, México, Argentina e Coreia do Sul.

Muitos países estão negociando acordos justos conosco, e uma das razões, francamente, por que podemos fazer isso é que agora temos tarifas sobre as importações de aço e alumínio, disse o presidente.

- Lutar até o fim -

A China não tem, em absoluto, medo de uma guerra comercial, advertiu o ministro chinês do Comércio.

Se uma guerra comercial começar, a China lutará até o fim para defender seus interesses legítimos com todas as medidas necessárias, afirmou a embaixada chinesa em Washington na quinta-feira.

Também na quinta, o presidente Donald Trump assinou, na Casa Branca, uma resolução que orienta o USTR a elaborar em 15 dias uma lista de produtos chineses, cuja importação para os Estados Unidos passará a ser alvo de tarifas pesadas.

Washington alega que as empresas norte-americanas são forçadas a repassar tecnologias, patentes e propriedade intelectual para operar na China, e isso caracteriza uma concorrência desleal que motiva a adoção de medidas comerciais.

A China respondeu nesta sexta com uma lista de 128 produtos, ou linhas tarifárias, sobre os quais aplicará taxas de 15%, ou 25%, se as negociações com Washington não forem satisfatórias.

As represálias chinesas parecem moderadas: os produtos afetados seriam equivalentes a 3 bilhões de dólares em exportações à China no ano passado, isto é, apenas 2% do total das exportações dos Estados Unidos para este país em 2017.

Produtos como frutas, vinho, etanol, ginseng e tubos de aço sem soldadura poderiam ser taxados em 15%, enquanto carne suína e alumínio reciclado chegariam a 25%.

A lista não inclui, contudo, a soja. Os Estados Unidos exportaram 14 bilhões de dólares da leguminosa para a China no ano passado.

- Moderação com a UE -

O secretário americano do Comércio, Wilbur Ross, explicou que as sanções a Pequim são o prelúdio de uma série de negociações.

Já Lighthizer destacou que as medidas buscam, principalmente, preservar o setor de alta tecnologia, a parte mais essencial da economia americana.

Pequim obrigada empresas estrangeiras que querem operar em seu mercado a compartilharem tecnologia com seus sócios chineses, explicou Everett Eissenstat, assessor de Trump. Para Washington, isso constitui roubo de propriedade intelectual americana e uma concorrência desleal.

Além disso, os Estados Unidos alegam também o enorme déficit comercial com a China - de 375,2 bilhões de dólares em 2017, segundo as aduanas chinesas.

Os Estados Unidos tentam obter o respaldo de seus outros parceiros comerciais.

É um problema que envolve todo o mundo. Todos que comercializam com a China passam por isso, avaliou Peter Navarro, assessor comercial de Trump.

 

Últimas Notícias

Presidente Díaz-Canel defende trabalho de médicos cubanos no Brasil
Ministério vai lançar edital para repor vagas de médicos cubanos
CFM afirma que há médicos suficientes para atender Brasil
Associação lança projeto para conscientizar população sobre diabetes 2
Transposição do S. Francisco está na pauta de prioridades da transição
Temer inaugura primeira etapa do acelerador de elétrons Sirius
Temer diz que decidirá “lá na frente” reajuste de ministros do STF
Só um governador do Nordeste participa de encontro em Brasília

MAIS NOTICIAS

 

Volume de vendas do varejo cai 1,3% em setembro
 
 
Gilmar Mendes suspende decisão que obriga bancos a ressarcir clientes
 
 
Prefeitos e secretários pedem para manter cubanos no Mais Médicos
 
 
Em depoimento, Lula nega que é dono de sítio em Atibaia
 
 
Mega-Sena acumula e pode pagar R$ 33 milhões no próximo sorteio
 
 
Enem: estudantes fazem hoje prova de matemática e ciências da natureza

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2019 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212