Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


23 de Fev de 2019 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 EUA propõem proibir bump stocks na véspera de marcha contra armas - Jornal Brasil em Folhas
EUA propõem proibir bump stocks na véspera de marcha contra armas


O governo de Donald Trump propôs formalmente nesta sexta-feira (23) a proibição completa dos mortais bump stocks, dispositivos que permitem que armas semiautomáticas disparem rajadas, na véspera de um protesto nacional para pedir mais controle sobre as armas de fogo.

A norma proposta pelo Departamento de Justiça ordena a entrega ou destruição de mais de meio milhão destes dispositivos que se estima que foram vendidos na última década.

Vários bump stocks foram empregados pelo atirador que massacrou a multidão que assistia a um show em Las Vegas no último 1 de outubro, deixando 58 mortos e mais de 850 feridos.

A proposta incluirá um período de 90 dias para receber comentários das pessoas - que possivelmente levarão a introduzir mudanças - para depois se transformar em lei.

Como prometi, hoje o Departamento de Justiça emitirá a norma que proíbe os BUMP STOCKS com um período obrigatório para comentários, tuitou Trump.

Proibiremos todos os dispositivos que transformam armas legais em armas automáticas ilegais, acrescentou.

A decisão chega um dia antes de que centenas de milhares de pessoas, segundo a previsão, participem em marchas por todo o país em apoio a um maior controle sobre as armas de fogo, após o ataque a tiros que deixou 17 mortos em uma escola de Parkland, Flórida, em fevereiro.

Estudantes que sobreviveram ao ataque organizaram as marchas e se espera um comparecimento maciço em Washington.

O procurador-geral, Jeff Sessions, disse que a nova normativa proposta constitui um passo-chave no esforço para reduzir a ameaça da violência armada, em sintonia com a Constituição e as leis aprovadas pelo Congresso.

Anos atrás, reguladores federais disseram que estes dispositivos, que são acoplados de forma mecânica aos fuzis para fazer com que disparem mais rápido, não podiam ser postos sob proibição nacional como se propõe agora.

E o Congresso, onde a Associação Nacional do Rifle, um poderoso lobby pró-armas, tem grande influência, se mostrou hesitante em agir.

 

Últimas Notícias

Saúde libera recursos para atender moradores da região de Brumadinho
Justiça determina prisão preventiva de acusado de espancar paisagista
Irmão de mulher espancada diz que ainda está chocado com a violência
Flamengo pede mais prazo para decidir sobre indenização de vítimas
Profissionais que atuaram em Brumadinho serão monitorados
Auditores descobrem 158 Kg de cocaína na fronteira com a Bolívia
Governo determina medidas de precaução para barragens em todo o país
Bolsonaro irá ao Congresso entregar texto da reforma da Previdência

MAIS NOTICIAS

 

Sul do Chile enfrenta 45 focos de incêndios florestais
 
 
Governo de Minas oferece suporte psicossocial às vítimas de Brumadinho
 
 
Força Nacional de Segurança começa a deixar o Ceará
 
 
Licitação de ônibus em São Paulo tem contratos de R$ 71 bi em 20 anos
 
 
Força Nacional vai atuar em Belém na primeira quinzena de março
 
 
Fiocruz alerta para agravamento de doenças na população após tragédia

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2017 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212