Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


17 de Nov de 2018 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Tensão na direita italiana por eleição de presidentes do Parlamento - Jornal Brasil em Folhas
Tensão na direita italiana por eleição de presidentes do Parlamento


O primeiro dia na Itália para a eleição dos presidentes da Câmara dos Deputados e do Senado terminou, nesta sexta-feira (23), em um clima de tensão pelos desacordos e pelas brigas dentro da coalizão de direita, o que agrava a incerteza sobre o futuro governo.

A eleição dos presidentes das duas salas do Congresso é muito importante na Itália, porque além de garantir o equilíbrio e o funcionamento do Parlamento, é o primeiro passo para chegar à formação de um governo após as eleições de 4 de março, nas quais nenhum partido, ou coalizão, obteve a maioria necessária.

Os partidos não alcançaram um acordo sobre os candidatos a esses cargos, o que fez alguns parlamentares votarem em branco nas três rodadas realizadas na Câmara dos Deputados, e nas duas do Senado.

Diante do bloqueio, o líder da direita, o xenófobo Matteo Salvini, representando os 37% somados por sua coalizão, quebrou o acordo interno e propôs, de forma surpreendente, um candidato que não tivesse o veto da outra força decisiva, a formação antissistema Movimento 5 Estrelas, que obteve - sozinha - 33%, se tornando o primeiro nome político do país.

A proposta de Salvini é hostil, representa uma ruptura dentro da coalizão e deixa entrever um acordo secreto entre a Liga Norte e o M5E para governar a Itália, reagiu furioso o bilionário Silvio Berlusconi, aliado-chave com o Força Itália da Liga Norte, que continua negociando, pressionando e ameaçando nas negociações, apesar de estar inabilitado a qualquer cargo público.

A situação poderia ser esclarecida neste sábado no Senado, porque o regulamento interno estabelece que depois da terceira votação deverá ser decidido entre os dois candidatos mais votados.

Na Câmara dos Deputados as votações continuarão até que um candidato obtenha a maioria absoluta, provavelmente na semana que vem.

A coalizão de direita conta com 260 deputados, e o M5E com 229. A maioria absoluta é de 316 cadeiras.

No Senado, a coalizão de direita conta com 135 senadores, e o M5E com 112. A maioria é de 161, incluindo os votos dos senadores vitalícios.

Tanto os indignados do M5E como o líder da coalizão de direita, o xenófobo Salvini, ao invés do ex-primeiro-ministro Berlusconi, dizem estar dispostos a dialogar com todos baseados em um programa específico.

O presidente da República, Sergio Mattarella, verdadeiro árbitro da situação, deverá começar as consultas no início de abril para designar o futuro primeiro-ministro.

- Voto secreto -

Como o voto é secreto, não são descartadas surpresas, já que alguns parlamentares poderiam modificar a ordem dada pelo próprio partido e mudar os equilíbrios, um costume muito italiano.

Muitas interrogações são suscitadas pelo grupo de parlamentares estreantes do M5E, com uma média de 38,5 anos para os deputados e 50,6 anos para os senadores.

Mas a batalha será dura em todas as frentes. O que fica claro é que nem a centro esquerda nem os indignados do M5E querem contribuir para a ressurreição de Berlusconi.

A ruptura entre a Liga e o Força Itália é grave. Entretanto, Salvini precisa de Berlusconi e deverá recompor a aliança. Quis mais enviar uma mensagem: ele é o novo líder, explicou Stefano Folli, editorialista do jornal La Repubblica.

Inabilitado para formar o Parlamento após uma condenação por fraude fiscal, Il Cavaliere (14% dos votos) exige que seu ex-ministro do Desenvolvimento Econômico, Paolo Romani, seja o candidato da direita à presidência do Senado.

Não vamos votar em pessoas com temas pendentes com a Justiça, explicou Luigi Di Maio, o jovem líder do M5E, referindo-se à condenação a 16 meses com condicional de Romani por ter autorizado em 2011 a filha de 15 anos a usar o celular oficial com o qual chegou a gastar 12 mil euros.

Uma mensagem a mais da mudança geracional que o novo Parlamento quer alcançar.

 

Últimas Notícias

Presidente Díaz-Canel defende trabalho de médicos cubanos no Brasil
Ministério vai lançar edital para repor vagas de médicos cubanos
CFM afirma que há médicos suficientes para atender Brasil
Associação lança projeto para conscientizar população sobre diabetes 2
Transposição do S. Francisco está na pauta de prioridades da transição
Temer inaugura primeira etapa do acelerador de elétrons Sirius
Temer diz que decidirá “lá na frente” reajuste de ministros do STF
Só um governador do Nordeste participa de encontro em Brasília

MAIS NOTICIAS

 

Volume de vendas do varejo cai 1,3% em setembro
 
 
Gilmar Mendes suspende decisão que obriga bancos a ressarcir clientes
 
 
Prefeitos e secretários pedem para manter cubanos no Mais Médicos
 
 
Em depoimento, Lula nega que é dono de sítio em Atibaia
 
 
Mega-Sena acumula e pode pagar R$ 33 milhões no próximo sorteio
 
 
Enem: estudantes fazem hoje prova de matemática e ciências da natureza

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2019 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212