Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


13 de Nov de 2018 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Projeto busca conscientizar e reduzir violência contra a mulher em Rondonópolis - Jornal Brasil em Folhas
Projeto busca conscientizar e reduzir violência contra a mulher em Rondonópolis


Uma iniciativa que visa reduzir os índices de violência contra a mulher e a reincidência dos agressores foi colocada em prática pela Delegacia Especializada de Defesa da Mulher de Rondonópolis (DEDM) da Polícia Judiciária Civil, em Rondonópolis (212 km ao Sul). É o projeto “Movimenta-se contra a Violência”, que além de trabalhar com a violência de gênero, também aborda a temática junto ao público juvenil nas escolas.

O projeto “Movimenta-se contra a Violência”, foi idealizado pela investigadora de polícia, Gislene Cabral de Souza, da DEDM de Rondonópolis, para ampliar as ações de combate à violência no âmbito familiar, levando informações e esclarecimentos para estudantes de várias faixas etárias.

As palestras já atingiram mais de 750 pessoas, entre crianças, adolescentes e jovens, da região do Vale do São Lourenço (Sul de Mato Grosso). Foram beneficiadas 13 unidades de ensino dos municípios de Juscimeira (157 km ao Sul), Dom Aquino (166 km ao Sul) e São Pedro da Cipa (148 km ao Sul). A última ocorreu na manhã desta sexta-feira (23.03) na Escola Irmã Miguelina Corso, da cidade de São Pedro da Cipa, para alunos do ensino médio.

Conforme Gislene Cabral, o projeto foi iniciado em agosto de 2017, diante da necessidade de melhorar o atendimento às vítimas na Delegacia da Mulher, buscando proporcionar estrutura humanizada as mulheres fragilizadas pela violência. Após conseguir melhorias na unidade, com ajuda da sociedade civil organizada, o projeto ampliou as atividades em busca de reduzir os casos de reincidência no âmbito familiar, voltando à atenção não somente às mulheres vítimas, mas também aos agressores.

“É relevante que sejam identificados fatores relacionados às características das vítimas e dos agressores, buscando desenvolver programas de proteção às mulheres vítimas dessa violência que se alastra no seio familiar e social, em todas as classes sociais e níveis culturais”, analisa a investigadora.

No dia 8 de março de 2018 foi realizada a primeira atividade pública do projeto, para celebrar a data e conscientizar a sociedade sobre o crescente aumento da violência doméstica, que pode chegar ao feminicídio.

Para o delegado regional de Rondonópolis, Claudinei Souza Lopes, o trabalho é importante, pois chama a atenção da sociedade sobre a necessidade de unir forças e, junto com a segurança pública, agir em defesa da paz social.

“O projeto é voltado para alertar sobre os índices de violência contra mulher, criança, adolescente e idoso, uma vez que crimes dessa natureza têm aumentado em todos os estados do país. A ideia é levar, através de palestras e diálogos, informações para dentro das escolas e faculdades”, disse.

Outro foco do projeto é promover a aproximação dos alunos, estudantes e acadêmicos, com a Polícia Civil. “As ações também são realizadas com intuito de dificultar a invasão de grupos criminosos nas escolas, aliciando adolescentes e fomentando o tráfico de drogas”, completou Lopes.

Para as próximas semanas, o projeto “Movimenta-se contra a Violência” fará apresentações nas cidades de Guiratinga e Pedra Preta, com possibilidade de estender as apresentações até Itiquira, e ainda região de Alto Araguaia.

Segundo a investigadora, que tem mestrado em Educação pela Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT) e cursa doutorado em Estudos da Criança na Especialidade da Sociologia da Infância, pela Universidade do Minho, em Portugal, as palestras objetivam sensibilizar a comunidade e superar os desafios da violência contra a mulher.

“A partir das palestras no cotidiano das escolas será possível contribuir com a instrução formal de nossos cidadãos e tê-los como aliados neste movimento contra violência doméstica”, finaliza Gislene Cabral.



 

Últimas Notícias

Nordeste perdeu 1 milhão de trabalhadores no campo de 2012 para 2017
IBGE prevê em 2019 safra de grãos 0,2% menor que a de 2018
Safra de grãos pode chegar a 238,3 milhões de toneladas, diz Conab
Banco do Brasil tem lucro de 14,3% no terceiro trimestre
Percentual de inadimplentes recua em outubro, diz CNC
Boletos vencidos de todos os tipos serão pagos em qualquer banco
Leonardo de Morais toma posse na presidência da Anatel
Natal deve movimentar R$ 53,5 bilhões na economia do país, prevê SPC

MAIS NOTICIAS

 

No Congresso, Temer defende reuniões frequentes entre Poderes
 
 
Bolsonaro reafirma, no Congresso, compromisso com a Constituição
 
 
Bolsonaro critica Enem e diz que prova deve cobrar conhecimentos úteis
 
 
Governo de transição dividiu trabalhos por temas em dez frentes
 
 
Para ministro, é “mais simples” unir MEC com Ciência e Tecnologia
 
 
Bolsonaro e Temer iniciam hoje formalmente governo de transição

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2019 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212