Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


19 de Abr de 2019 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Protestos na Catalunha após prisão de Puigdemont na Alemanha - Jornal Brasil em Folhas
Protestos na Catalunha após prisão de Puigdemont na Alemanha


A prisão na Alemanha do ex-presidente independentista catalão Carles Puigdemont, acusado de rebelião pela Justiça espanhola e alvo de uma ordem de prisão europeia, levou neste domingo (25) milhares de militantes separatistas às ruas de Barcelona.

Centenas de pessoas convocadas por um grupo radical, os Comitês de Defesa da República (CDR), tentaram se aproximar da delegação do governo espanhol, mas a polícia catalã impediu a sua passagem.

Alguns manifestantes lançaram garrafas de vidro e cercas e empurraram lixeiras contra os agentes, que responderam com agressões a cassetete e até disparos para o ar.

Quando conseguiram dispersar o protesto, os distúrbios se expandiram por outras ruas, nas quais se formaram barricadas com lixeiras queimadas.

Os distúrbios deixaram 90 pessoas levemente feridas, 22 delas policiais, de acordo com os serviços de emergência da região.

Enquanto isso, 55 mil pessoas - segundo a polícia municipal - convocadas pela organização separatista Assembleia Nacional Catalã desfilaram pacificamente pelo Passeig de Gràcia, uma das principais avenidas de Barcelona.

A multidão, que carregava bandeiras separatistas e cartazes onde lia-se liberdade aos presos políticos, marchou da delegação da Comissão Europeia na cidade até o consulado alemão.

O que estão fazendo esses dias é totalmente desmedido. Nos tratam como criminosos por querermos a independência. Já não é uma questão de ideologia, mas de respeito aos direitos humanos, disse, chorando, Rosa Vela, uma professora de 60 anos.

Judit Cárpena, de 22 anos e estudante de Arquitetura, advertiu os que se opõem à independência da Catalunha: não cantem vitória, não é o fim do separatismo. O independentismo é liderado pelo povo, e não podem prender todos nós. Haverá outros Puigdemont.

- Crime de rebelião -

Puigdemont foi preso às 11h19 (6h19 de Brasília) por uma patrulha da polícia de trânsito em Schleswig-Holstein, um estado do norte da Alemanha, indicou o porta-voz da Polícia alemã, explicando que a prisão foi realizada em virtude de uma ordem europeia.

Me ligou esta manhã para dizer que havia sido detido na Alemanha, perto da fronteira com a Dinamarca, declarou seu advogado belga, Paul Bekaert, à televisão catalã. Vinha da Finlândia, de onde havia participado de uma conferência com estudantes, acrescentou.

Pouco depois a Procuradoria alemã anunciou que Puigdemont comparecerá na segunda-feira ante o juiz.

Na sexta-feira, o juiz espanhol que instrui a causa contra a cúpula separatista catalã, Pablo Llarena, confirmou a acusação de rebelião contra 13 responsáveis, entre eles Puigdemont.

Llarena acusou ao todo 25 dirigentes, 12 deles por delitos menores, como o de desobediência. O magistrado emitiu e reativou ordens de detenção europeias e internacionais contra seis responsáveis separatistas que fugiram ao exterior, entre eles Puigdemont.

O advogado de uma das afetadas pelas ordens europeias, Clara Ponsatí, está analisando para que a ex-dirigente catalã se entregue às autoridades na Escócia, onde é professora de Economia na Universidade de St. Andrews, anunciou a polícia escocesa neste domingo.

O crime de rebelião pode ser punido com até 30 anos de prisão na Espanha, e sua aplicação no caso catalão é polêmica, já que pressupõe um levante violento que, segundo muitos juristas, jamais ocorreu na Catalunha.

O juiz acusa Puigdemont de ter organizado o referendo de autodeterminação de 1º de outubro apesar de sua proibição e do grave risco de incidentes violentos. As imagens das duras ações policiais daquele dia deram a volta ao mundo.

O dirigente foi destituído da presidência catalã pelo governo de Madri após a frustrada declaração de independência de 27 de outubro. Depois se exilou voluntariamente na Bélgica, onde mora desde então.

A tentativa de criar uma república separada da Espanha acabou com a perda temporária de autonomia da Catalunha, atualmente controlada de maneira direta pelo governo espanhol.

- Serviços de Inteligência espanhóis -

Puigdemont havia viajado para a Finlândia, cujas autoridades receberam a ordem de detenção europeia emitida pela Justiça espanhola, para se reunir com deputados deste país e participar de um seminário na universidade da capital finlandesa.

O ex-presidente catalão viajou para a Dinamarca em janeiro e para a Suíça em março, mas não sofreu nenhum contratempo.

Mas, ao menos nesta ocasião, era seguido pelos serviços de Inteligência espanhóis, que alertaram seus equivalentes alemães. Puigdemont foi detido na Alemanha graças a uma operação conjunta da polícia e do CNI (Centro Nacional de Inteligência espanhol), indicou a polícia alemã em um tuíte.

Uma informação confirmada na conta do Twitter da polícia espanhola.

A detenção de Puigdemont supõe um novo revés para os independentistas. No dia anterior, o Parlamento catalão havia suspendido a posse de um novo presidente regional pela prisão do candidato separatista Jordi Turull, outro dos atingidos pelo duro golpe golpe judicial contra a cúpula secessionista, que afunda a Catalunha em um novo bloqueio político.

A intervenção do governo central de Madri na Catalunha continuará até que os separatistas - maioria parlamentar nas eleições regionais de 21 de dezembro - escolham um presidente, e este forme um governo. Se não conseguirem isso até 22 de maio, a região deverá realizar novas eleições.

 

Últimas Notícias

Ex-presidente do Peru tenta se matar ao receber ordem de prisão
Ex-presidente do Peru está em estado grave após tentativa de suicídio
Governo argentino lança pacote de medidas para combater inflação
PRF apreende no Rio 300 mil maços de cigarros contrabandeados
Famílias de baixa renda de Brumadinho recebem auxílio emergencial
Governo autoriza uso da Força Nacional para segurança na Esplanada
Chega a 18 número de mortos no desabamento no Rio de Janeiro
Fachin pede manifestação de Moraes sobre inquérito de fake news

MAIS NOTICIAS

 

Copom inicia reunião nesta terça para definir taxa básica de juros
 
 
Mercado reduz projeção de crescimento da economia de 2,28% para 2,01%
 
 
Atividade econômica tem queda de 0,41% em janeiro, diz BC
 
 
Governo lança edital de estudos para concessão de 22 aeroportos
 
 
Governo do Rio anuncia rompimento da concessão do Maracanã
 
 
Conflitos e segurança poderão contar pontos na avaliação de escolas

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2019 - BRASIL EM FOLHAS S/A - EXPEDIENTE