Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


17 de Dez de 2018 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 MPF denuncia ex-agentes da ditadura por desaparecimento de militante em 1971 - Jornal Brasil em Folhas
MPF denuncia ex-agentes da ditadura por desaparecimento de militante em 1971


O Ministério Público Federal (MPF) denunciou três ex-agentes da repressão pelo desaparecimento do militante político Aylton Adalberto Mortati em 1971. O policial Walter Lang, o delegado Cyrino Francisco de Paula Filho e o investigador Dirceu Gravina são acusados pelo sequestro da vítima.

Segundo o MPF, como o corpo de Aylton nunca foi encontrado, o crime é considerado permanente, ou seja, a sua ocorrência se perpetua no tempo. Os três ex-agentes estavam a serviço do Departamento de Operações de Informações (DOI) do II Exército, na capital paulista, um dos mais ativos centros de perseguição política, tortura e morte durante a ditadura militar.

Aylton Mortati era uma das lideranças do Movimento de Libertação Popular (Molipo), grupo dissidente da Aliança Libertadora Nacional (ALN). De acordo com o MPF, Walter e Cyrino vigiaram a rotina do militante durante um mês, até que o abordaram no início de novembro de 1971 nas imediações de sua casa, na Vila Prudente, zona leste de São Paulo. Preso, o ativista foi levado ao DOI, onde a equipe chefiada por Dirceu o submeteu a sessões de tortura. Ele nunca mais foi visto, nem seu corpo encontrado.

Ainda de acordo com o MPF, o monitoramento das atividades de Aylton se intensificou meses antes, quando ele retornou de uma viagem a Cuba. Documentos oficiais da época demonstram que o líder do Molipo era um dos alvos da chamada Operação Ilha, destinada a eliminar militantes recém-chegados de treinamentos no país comunista.

Prisão

Pouco depois de seu desaparecimento, relatórios internos dos órgãos de repressão já indicavam que o ativista havia sido morto. Porém, apesar de todas as evidências, o regime militar nunca admitiu a prisão de Aylton e manteve a versão de que ele era um “foragido”.

“Inúmeros documentos comprovam que Aylton era perseguido pelos militares, tendo contra si diversos mandados de prisão expedidos, inquéritos policiais etc. Com efeito, os órgãos da repressão nutriam especial interesse nas atividades dele, haja vista sua liderança e treinamento de guerrilha”, destacou o procurador da República Andrey Borges Mendonça, autor da denúncia.

Em entrevista para o livro A Casa da Vovó, do jornalista Marcelo Godoy, Walter Lang admitiu ter participado, ao lado de Cyrino de Paula Filho, do episódio que culminou com a prisão do militante. A versão foi confirmada em depoimento de Lang ao MPF.

Já a responsabilidade de Dirceu Gravina foi constatada a partir de relatos de outras pessoas presas no DOI na época. Segundo os testemunhos, o então delegado chegou a gabar-se de ter “barbarizado” Aylton, uma referência expressa às sessões de tortura.

Todos foram denunciados por privarem Aylton de sua liberdade, pois, não havendo comprovação oficial de sua morte, a condição de sequestrado permanece até hoje. O MPF quer, além da condenação dos envolvidos, que a Justiça considere circunstâncias agravantes no momento de julgá-los, entre elas abuso de autoridade e a manutenção clandestina da vítima em prédio público federal.

Edição: Denise Griesinger

 

Últimas Notícias

Temer sanciona MP 846 e o Brasil tem as apostas esportivas legalizadas
Defesa deve pedir hoje prisão domiciliar para João de Deus
Instituições financeiras reduzem previsão de déficit primário em 2018
Valor do seguro obrigatório cairá 63,3% em 2019
Eletrobras: suspensão de leilão se estende a Amazonas Energia
BNDES voltará a subscrever ações de empresas
Juros do cheque e empréstimo pessoal em 2018 foram menores que em 2017
São Paulo fecha ano com 9,9 milhões de empregos formais no comércio

MAIS NOTICIAS

 

Mega-Sena sorteia hoje prêmio de R$ 36 milhões
 
 
Câmara aprova incentivos fiscais a Sudene, Sudam e Centro-Oeste
 
 
Governadores discutem hoje segurança pública; Moro deve participar
 
 
Doria diz a Moro que estados precisam de recursos para a segurança
 
 
João de Deus afirma estar à disposição da Justiça
 
 
CGU recupera R$ 7,23 bilhões para os cofres públicos este ano

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2019 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212