Assine Brasil em Folhas / Nuvem / Pressreader



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


25 de Sep de 2018 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade
 

...

...

 
Notícias
 Governo quer ligar despesas a créditos orçamentários para cumprir Regra de Ouro - Jornal Brasil em Folhas
Governo quer ligar despesas a créditos orçamentários para cumprir Regra de Ouro


A equipe econômica pretende incluir no Orçamento do próximo ano despesas vinculadas a créditos adicionais ou a uma eventual realização de receita extraordinária para cumprir a Regra de Ouro em 2019, disse hoje (27) a secretária do Tesouro Nacional, Ana Paula Vescovi. Segundo Ana Paula, este é um mecanismo comum na elaboração dos orçamentos e deverá ser usado no próximo ano.

Nessa modalidade, o Orçamento autoriza a execução de uma despesa, desde que o governo consiga a aprovação no Congresso Nacional de um crédito extraordinário ou de alguma medida que aumente as receitas da União, como alta de impostos. De acordo com a secretária, o Ministério do Planejamento, com auxílio do Tesouro, está fazendo estudos jurídicos para garantir que o Orçamento do próximo ano esteja dentro da legalidade.

A secretária evitou comentar se o governo pretende incluir, na Lei de Diretrizes Orçamentárias, um dispositivo que autoriza a abertura de crédito extraordinário para garantir o cumprimento da Regra de Ouro este ano. Ela informou que o assunto também está sendo estudado juridicamente. O governo ainda não tem estimativa do tamanho da insuficiência de receitas para 2019.

Estabelecida pelo Artigo 167 da Constituição, a Regra de Ouro diz que o governo não pode emitir títulos da dívida pública para financiar despesas correntes, mas apenas para cobrir despesas de capital – como investimentos e amortizações da dívida pública – e refinanciar o próprio endividamento. Por causa dos sucessivos déficits primários nos últimos anos, da redução dos investimentos e do aumento de despesas obrigatórias, a União tem tido dificuldade para cumprir a regra nos últimos anos.

Cumprimento em 2018

Apesar da insuficiência estimada de R$ 203,4 bilhões para 2018, o Tesouro Nacional assegurou o cumprimento da Regra de Ouro neste ano. Segundo a secretária, medidas como a devolução de títulos públicos em poder do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), a extinção do Fundo Soberano e a desvinculação de outros fundos ajudarão o governo a enquadrar-se na exigência constitucional com uma pequena margem de folga.

Em 2017, a União enquadrou-se na Regra de Ouro com folga de R$ 28,8 bilhões graças à devolução de R$ 50 bilhões do BNDES. Para este ano, o banco devolveu R$ 30 bilhões em títulos públicos e pretende restituir o Tesouro em mais R$ 100 bilhões nos próximos meses.

As demais medidas necessárias para cumprir a Regra de Ouro neste ano são a desvinculação de R$ 26 bilhões em ativos do Fundo Soberano (poupança formada com sobras fiscais de 2008) que foram vendidos pelo Tesouro, mas não podem ser usados para cobrir despesas correntes, e a desvinculação de R$ 16 bilhões do Fundo Nacional de Desenvolvimento (FND), extinto em 2010. A mudança de finalidade do Fundo Soberano depende de projeto de lei, e a desvinculação do FND, de decreto presidencial.

O Tesouro também fez três consultas ao Tribunal de Contas da União para saber se pode remanejar recursos de fundos dos royalties do petróleo, do Fundo de Fiscalização das Telecomunicações (Funtel) e de superávits financeiros de exercícios anteriores. O valor que pode ser obtido com tais medidas ainda não está definido. A equipe econômica também quer cancelar cerca de R$ 20 bilhões de restos a pagar não processados, verbas de anos anteriores empenhadas (autorizadas), mas não executadas por não terem despesa correspondente.

Em todos esses casos, explicou Ana Paula Vescovi, o dinheiro está parado no caixa do Tesouro e não pode ser usado para pagar despesas correntes e ajudar no cumprimento da Regra de Ouro. “Temos restos a pagar não processados inscritos há dez anos e que não foram executados por não terem despesa associada”, explicou a secretária.

Edição: Nádia Franco

 

Últimas Notícias

Empresários brasileiros apostam em alimentos e bebidas saudáveis
Temporal no RS deixa mais de 360 mil residências sem luz
Livro aborda mentiras contadas por presidentes do Brasil em 100 anos
Setor da cachaça lança manifesto contra carga tributária
Polícia busca PM sequestrado por criminosos na zona oeste do Rio
Bolsonaro passa bem e tem dreno retirado do abdome
PM encontra carro de policial sequestrado no Rio
Festival de Brasília termina hoje com entrega de premiações

MAIS NOTICIAS

 

Toffoli toma posse hoje na presidência do STF
 
 
Chanceler do Paraguai visita Brasil para negociar construção de pontes
 
 
Indústria recua em oito dos 15 locais pesquisados pelo IBGE em julho
 
 
Brasil amplia investimento em educação infantil, diz OCDE
 
 
México investiga caso de deputadas forçadas a renunciar
 
 
A série de ataques de 11 de Setembro completa 17 anos

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2017 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212