Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


14 de Nov de 2018 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Relator julga prejudicada ação contra obrigatoriedade de bíblias em bibliotecas do RJ - Jornal Brasil em Folhas
Relator julga prejudicada ação contra obrigatoriedade de bíblias em bibliotecas do RJ


O ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF), julgou prejudicada a Ação Direta de Inconstitucionalidade (ADI) 5248, ajuizada pela Procuradoria-Geral da República (PGR) para questionar lei do Estado do Rio de Janeiro que torna obrigatória a manutenção de exemplares da Bíblia nas bibliotecas situadas em seu território. Em sua decisão, o relator explicou que a norma questionada já foi considerada inconstitucional pelo Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro (TJ-RJ), em acórdão confirmado pelo STF.

A Lei fluminense 5.998/2011 obriga as bibliotecas situadas no estado a manterem exemplares da bíblia à disposição dos usuários, sob pena de multa de mil UFIRs-RJ (Unidades Fiscais de Referência do RJ). Para a PGR, a lei em questão contraria o dever do Estado de “não adotar, não se identificar nem promover visões de mundo de ordem religiosa, moral, ética ou filosófica”, ao tornar obrigatória a divulgação de um livro de natureza religiosa adotado por um grupo específico de crenças de matriz cristã.

De acordo com o relator, após a tramitação regular e já tendo sido feito pedido de data para julgamento da ação, a Liga Humanista Secular do Brasil (LIHS) – admitida como amicus curiae no processo – informou que a lei em debate nessa ADI foi julgada inconstitucional pelo TJ-RJ, na análise de uma ação que havia sido apresentada perante aquela corte em 2014. Revelou, ainda, que contra o acórdão do TJ-RJ a Assembleia Legislativa fluminense interpôs Recurso Extraordinário (RE 1014615) ao STF, que teve provimento negado pelo ministro Celso de Mello, com decisão transitada em julgado.

O ministro Alexandre de Moraes lembrou que, ao negar provimento ao RE, o decano do Supremo tomou por base a jurisprudência prevalecente na Corte sobre o tema. Assim, como a norma questionada foi considerada inconstitucional pelo TJ-RJ e essa decisão estadual foi confirmada pelo STF, o ministro declarou o prejuízo da ADI, julgando extinto o processo sem julgamento de mérito.

MB/CR

 

Últimas Notícias

Nordeste perdeu 1 milhão de trabalhadores no campo de 2012 para 2017
IBGE prevê em 2019 safra de grãos 0,2% menor que a de 2018
Safra de grãos pode chegar a 238,3 milhões de toneladas, diz Conab
Banco do Brasil tem lucro de 14,3% no terceiro trimestre
Percentual de inadimplentes recua em outubro, diz CNC
Boletos vencidos de todos os tipos serão pagos em qualquer banco
Leonardo de Morais toma posse na presidência da Anatel
Natal deve movimentar R$ 53,5 bilhões na economia do país, prevê SPC

MAIS NOTICIAS

 

No Congresso, Temer defende reuniões frequentes entre Poderes
 
 
Bolsonaro reafirma, no Congresso, compromisso com a Constituição
 
 
Bolsonaro critica Enem e diz que prova deve cobrar conhecimentos úteis
 
 
Governo de transição dividiu trabalhos por temas em dez frentes
 
 
Para ministro, é “mais simples” unir MEC com Ciência e Tecnologia
 
 
Bolsonaro e Temer iniciam hoje formalmente governo de transição

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2019 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212