Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


23 de Mar de 2019 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Piñera modifica protocolo de lei de aborto no Chile e gera polêmica - Jornal Brasil em Folhas
Piñera modifica protocolo de lei de aborto no Chile e gera polêmica


O governo do conservador Sebastián Piñera modificou o protocolo de aplicação da lei do aborto em três situações aprovada sob a administração de Michelle Bachelet, para facilitar que instituições privadas apelem à objeção de consciência e não pratiquem a interrupção da gravidez.

Através de um decreto emitido na sexta-feira - duas semanas após assumir o governo -, o Ministério da Saúde eliminou um artigo que fazia alusão aos convênios do Estado com instituições de saúde privadas para a realização de abortos em caso de estupro, risco de vida para a mãe e inviabilidade fetal.

O protocolo anterior rescindia os convênios pactuados entre o Estado e aquelas instituições privadas que apelaram à objeção de consciência para não praticar os abortos.

O novo protocolo reduz também os requisitos exigidos às instituições, ao excluir a necessidade de justificar com base em crenças, valores, ideários e a expressão da relação concreta entre aqueles e seus estatutos a decisão de objetar.

Para organizações feministas e autoridades do governo de Bachelet, que promulgou a lei de aborto terapêutico em setembro do ano passado, a nova regulação representa um boicote à normativa.

O novo protocolo para a aplicação da lei de aborto em três situações é um boicote ideológico e antidemocrático do governo atual, que busca por via administrativa frear uma lei que contou com apoio majoritário, criticou a deputada do Partido Comunista Karol Cariola.

Os padrões da lei estão sendo rebaixados, afirmou Claudia Pascual, ministra do Serviço Nacional da Mulher do governo de Bachelet que, com a promulgação desta normativa, tirou o Chile do pequeno grupo de países em que a interrupção da gravidez não é permitida em nenhum caso.

No entanto, para o atual ministro da Saúde, Emilio Santelices, esta mudança de protocolo busca corrigir uma distorção que o próprio regulamento introduzia ao estabelecer um vínculo (econômico) entre a atenção de qualquer índole e a objeção de consciência.

A lei de aborto aprovada no Parlamento chileno estabeleceu a objeção de consciência pessoal, mas o Tribunal Constitucional - após uma petição de revisão da norma por parte de legisladores conservadores - a ampliou a toda uma instituição.

 

Últimas Notícias

Jovens têm menos chance de contratação e mais de serem demitidos
Bolsa cai e dólar fecha em R$ 3,80
Araújo: dispensa de status especial na OMC nos coloca como país grande
Países sul-americanos devem sair de uma só vez da Unasul, diz ministro
Chanceler descarta emprego das Forças Armadas na Venezuela
Moçambique, Zimbábue e Malauí tentam identificar vítimas de ciclone
Nova Zelândia quer proibir, em abril, venda de armas do tipo militar
Conselho Europeu aceita prorrogar saída do Reino Unido para maio

MAIS NOTICIAS

 

Copom inicia reunião nesta terça para definir taxa básica de juros
 
 
Mercado reduz projeção de crescimento da economia de 2,28% para 2,01%
 
 
Atividade econômica tem queda de 0,41% em janeiro, diz BC
 
 
Governo lança edital de estudos para concessão de 22 aeroportos
 
 
Governo do Rio anuncia rompimento da concessão do Maracanã
 
 
Conflitos e segurança poderão contar pontos na avaliação de escolas

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2017 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212