Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


18 de Jan de 2019 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Policiais que mataram homem negro na Luisiana não serão denunciados - Jornal Brasil em Folhas
Policiais que mataram homem negro na Luisiana não serão denunciados


Os dois agentes da Polícia americana que em 2016 mataram a tiros um homem negro não serão denunciados do ato, anunciou nesta terça-feira (27) o promotor-geral da Luisiana, estado onde ocorreu o incidente.

Em 5 de julho de 2016, Alton Sterling, de 37 anos, foi assassinado a tiros Baton Rouge, Luisiana, em uma polêmica com os agentes de Polícia Blane Salamoni e Howie Lake do lado de fora de uma loja onde havia estado vendendo CDs.

Os disparos contra Sterling, captados em um vídeo feito com um celular, foram parte de uma série de assassinatos policiais de homens negros que desencadearam protestos liderados pelo movimento Black Lives Matter.

O promotor-geral da Luisiana, Jeff Landry, disse em coletiva de imprensa nesta terça que, após uma investigação, havia sido decidido que não tomariam medidas legais contra Lake e Salamoni.

Nossa investigação concluiu que os oficiais Lake e Salamoni tentaram fazer uma prisão legal, declarou Landry, acrescentando que a decisão de não apresentar acusações não foi rapidamente tomada.

Assegurou que Sterling estava armado, sob a influência de drogas ilegais e que havia resistido à prisão.

Durante todo o encontro, os oficiais tentaram várias técnicas não letais para obter o cumprimento e o controle das mãos do senhor Sterling, assinalou.

O promotor também acrescentou que a preocupação por parte dos oficiais de que estava armado e era perigoso foi posteriormente verificada e correta.

De acordo com o relatório do Departamento de Justiça da Luisiana sobre o tiroteio, uma pistola calibre 38 carregada foi encontrada no bolso da frente do lado direito na calça de Sterling.

Sua tia, Sandra Sterling, condenou a decisão da Promotoria. Devolvem um assassino às ruas, disse.

Há quase um ano, o Departamento de Justiça também se negou a apresentar acusações contra os oficiais pela morte de Sterling.

Durante uma investigação de 10 meses, agentes e procuradores do FBI revisaram imagens do incidente capturado por câmeras corporais, celulares e câmeras de vigilância da loja, assim como depoimentos e outras provas.

O Departamento de Justiça disse que não encontrou evidências suficientes para respaldar acusações penais federais contra qualquer um dos oficiais.

Segundo os investigadores, Salamoni disparou contra Sterling três vezes no peito e depois nas costas, em um encontro que durou menos de 90 segundos.

A morte aconteceu em meio a uma série de tiroteios contra homens afro-americanos por parte de agentes da Polícia que causaram comoção no país, alimentando protestos maciços e um ferrenho debate sobre raça e justiça penal.

 

Últimas Notícias

Inep divulga resultado do Enem
Frédéric Lamotte é o novo diretor geral da CA Indosuez Wealth (Miami) e responsável Global da região das Américas
A ACIRLAG chega para impulsionar o setor econômico da região Leste de Aparecida
Inep divulga notas do Enem na sexta-feira
Bolsonaro sanciona Lei do Orçamento 2019 de mais de R$ 3,3 trilhões
Parlamento venezuelano aprova acordo para entrada de ajuda humanitária
Imigrantes hondurenhos sofrem com obstáculos para passagem de caravana
Militares vão atuar de forma mais intensa no Programa Mais Médicos

MAIS NOTICIAS

 

ANP aprova credenciamento de empresa certificadora
 
 
Política de combate à inflação foi bem-sucedida, diz presidente do BC
 
 
Marcos Pontes: fusão de Embraer e Boeing preserva interesses do país
 
 
Número de linhas de celular tem maior queda do ano em novembro
 
 
ANP: Petrobras pede prazo maior para definir quais campos vai explorar
 
 
Ex-presidente do Banco Central defende política econômica do governo

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2017 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212