Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


21 de Nov de 2018 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Integração entre governo, academia e setor privado é fundamental, diz ministro - Jornal Brasil em Folhas
Integração entre governo, academia e setor privado é fundamental, diz ministro


O ministro de Ciência, Tecnologia e Inovação, Celso Pansera, disse hoje (7) que o Brasil tem muita produção de pesquisas, teses de mestrado e doutorado e pós-doutorado, mas é preciso transformar tudo isso em bem-estar social, para refletir no sistema produtivo brasileiro e promover a geração de riqueza. Para ele, a integração entre o governo, a academia e empresas privadas é fundamental.

Pansera apontou que as universidades têm muitas resistências à vinculação da pesquisa no estado puro para produção de patentes e de produtos que gerem economia, mas defendeu que o conhecimento gerado no meio acadêmico tenha um sentido prático na vida das pessoas, como o caso de um remédio para combater a Zika.

“Isso para gente é fundamental, a integração do governo, a academia e o setor privado, para que tudo que é produzido em estado da arte na ciência, no futuro, vire geração de riqueza e bem-estar social”, considerou o ministro, durante palestra na aula inaugural dos novos alunos da Coppe – Instituto Alberto Luiz Coimbra de Pós-Graduação e Pesquisa de Engenharia, da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ).

Para o ministro a Coppe é um exemplo de integração das universidades com o setor privado. Ele avaliou que este é o caminho para o desenvolvimento das pesquisas de que o país precisa. “O estado não tem como sustentar um sistema de pesquisa pujante a vida toda, o tempo todo. O estado precisa de apoio e a iniciativa privada tem que ver isso como um lugar para criar produtos e gerar riqueza, gerar novos processos, novos sistemas. Só assim a ciência brasileira dará um salto”.
Rio de Janeiro - Ministro da Ciência, Tecnologia e Inovação, Celso Pansera, visita ônibus ecológico, movido a energia e hidrogênio, que será usado por atletas nos Jogos Olímpicos de 2016 (Cristina Indio do Bras

Ministro da Ciência, Tecnologia e Inovação, Celso Pansera, visita ônibus ecológico, movido a energia e hidrogênio, que será usado por atletas nos Jogos Olímpicos de 2016

Entre os projetos da Coppe estão o ônibus urbano elétrico híbrido a hidrogênio, que pode operar com três tipos de fontes de energia elétrica e será usado por atletas no período dos Jogos Olímpicos; o Parque Tecnológico, onde estão instalados os grandes centros de pesquisas de empresas que cooperam com a UFRJ, como a Petrobras, e onde se produz tecnologia para a retirada de petróleo do fundo do mar; e o Maglev-Cobra, um trem de levitação magnética, que tem um custo reduzido na comparação com outros meios de transporte de massa.

Marco Regulatório

Pansera destacou também a importância do Marco Regulatório da Ciência e Tecnologia e Inovação, sancionado pela presidenta Dilma Rousseff no dia 11 de janeiro, para o desenvolvimento do setor e adiantou que amanhã (8) devem ser analisados no Congresso alguns vetos da lei.

De acordo com o ministro, o marco legal muda muito o panorama e a legislação do setor, entre outros pontos, no sentido de facilitar a importação de produtos de pesquisa e de reagentes, além de equipamentos importantes para as universidades e os laboratórios, como também, permite que professores de universidades dediquem até 416 horas por ano para o desenvolvimento de projetos de pesquisa entre a universidade e a iniciativa privada.

“[O marco regulatório] permite que centros como a Coppe ou a UFRJ entrem como sócios minoritários de empresas em projetos de inovação, de pesquisa e de busca de patentes e novos produtos”, exemplificou.

Pansera voltou a comentar, que o ministério está em vias de contratação de um financiamento do Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID) para garantir recursos para a área. “Já temos o OK do BID, falta agora resolver no Cofiex [Comissão de Financiamentos Externos, o órgão colegiado ligado ao Ministério da Fazenda] para que o dinheiro chegue”, explicou.

Saída da crise

Para o ministro, a saída do Brasil da crise econômica atual passa pela ciência, pela tecnologia e pela inovação e defendeu que é necessário reduzir a diferença que existe entre o setor no Brasil e das grandes potências científicas mundial. “Isso para gente é um esforço muito grande. Em 2013, o Brasil investiu 1,26% do PIB em inovação, ciência e tecnologia. Os padrões mundiais giram em torno de 2%. A Coreia investe mais de 3%, os Estados Unidos em torno de 2,8%. Nosso objetivo é chegar a 2020, investindo 2% do PIB. Em torno de 60% disso, é dinheiro público e 40% da inciativa privada. É um desafio muito grande para gente nos próximos anos”.

O ministro se mostrou preocupado com as medidas de adequação do Orçamento do governo do estado do Rio de Janeiro, que pretende reduzir de 2% para 1%, os recursos do ICMS que são destinados ao Fundo Estadual de Ciência e Tecnologia. “Estamos hoje com um debate na Alerj e com o governador para que essa PEC estadual não seja votada, porque o dinheiro da Faperj [Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado do Rio de Janeiro] é muito importante. 2% do ICMS do estado significam R$ 300 milhões por ano que vem para o sistema de ciência e tecnologia, para bolsas e compra de equipamentos”.

 

Últimas Notícias

Bolsonaro elogia Mandetta e Wagner Rosário, ministros anunciados hoje
Atos em Brasília marcam os 50 anos da Receita Federal
Temer pede que brasileiros reflitam sobre questão racial
Grafiteira faz mural de 500 m2 no Rio para homenagear mulheres negras
Dia da Consciência Negra é comemorado no Rio com homenagem a Zumbi
Estados poderão decidir se darão aulas a distância no ensino médio
Moro escolhe delegados da Lava Jato para PF e departamento do MJ
Estudante poderá escolher área a ser avaliada no segundo dia do Enem

MAIS NOTICIAS

 

Estimativa do mercado para inflação cai pela quarta vez seguida
 
 
Autoridades de Cuba anunciam retorno de médicos antes do fim do ano
 
 
Guatemala monitora atividades de vulcão que pode ter novas erupções
 
 
Ex-CEO da Nissan é preso no Japão suspeito de reduzir próprio lucro
 
 
Governador eleito do Rio promete nova concessão para o Maracanã
 
 
Relatório alerta que há 45 barragens sob ameaça de desabamento

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2019 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212