Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


18 de Fev de 2019 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Brasil consegue preços recordes no leilão de blocos de petróleo - Jornal Brasil em Folhas
Brasil consegue preços recordes no leilão de blocos de petróleo


O Brasil leiloou nesta quinta-feira (29) blocos offshore no valor de 2,4 bilhões de dólares, uma quantia recorde, apesar de, no último momento, a Agência Nacional de Petróleo (ANP) ter retirado da disputa dois dos blocos mais promissores.

Os blocos mais cotados foram os próximos à zona do pré-sal, onde o petróleo fica nas águas ultraprofundas, sob uma grossa camada de sal, cujo potencial é considerado gigantesco.

Esses blocos atraíram a maioria dos gigantes do setor, como Shell, Total e especialmente ExxonMobil, que comprou oito em sociedade com outros grupos.

No total, 13 empresas, originárias de 11 países, participaram da etapa marítima, sendo que 12 arremataram blocos (duas nacionais e dez de origem estrangeira).

Foram arrematados 22 blocos marítimos dos 47 ofertados, com ágio de 621,91%. A rodada também teve o bloco com maior bônus de assinatura oferecido na história: o bloco marítimo SC-AP5, na Bacia de Campos, que arrecadou R$ 2,82 bilhões.

Já o maior ágio foi o do bloco C-M-657, na Bacia de Campos, de 1.314%.

Não houve ofertas para os blocos terrestres oferecidos.

A ANP teve de retirar dois blocos considerados os mais ricos por uma decisão do Tribunal de Contas (TCU) tomada na noite de quarta-feira.

Para o TCU, esses blocos, que podiam ser vendidos por um mínimo de 3,55 bilhões de reais, estão diretamente vinculados às reservas do pré-sal já existentes e que são alvo de outro tipo de concessão que requer leilões em separado.

Aproveito a oportunidade para me desculpar junto aos investidores, empresas e pessoas que trabalharam avaliando essas duas áreas e se programaram para hoje apresentar ofertas. Infelizmente, isso não vai poder acontecer, disse o presidente da ANP, Decio Oddone, ao inaugurar o leilão.

Por mais frustrados que possamos ficar, temos a certeza de que isso não vai tirar o brilhantismo do leilão, acrescentou.

Oddone afirmou ainda que esses dois blocos poderão ser leiloados antes do fim do ano.

O último leilão desse tipo foi realizado em setembro e também tem um excelente resultado.

Como aconteceu no ano passado, a Petrobras se associou à americana ExxonMobil para explorar os blocos mais ambicionados na zona de Campos.

O resultado obtido no leilão deve dar algum oxigênio ao governo brasileiro, que lançou um amplo plano de austeridade e privatizações para dinamizar a economia depois de mais de dois anos de recessão.

No total, o governo espera arrecadar mais de 80 bilhões de dólares em uma série de vendas que se estenderá até o final de 2019.

 

Últimas Notícias

Governadores pedem ao STF julgamento de processos sobre repasses
Ministro quer atrair investimentos privados para Jardim Botânico do RJ
Fies vai oferecer 100 mil vagas a juro zero para alunos de baixa renda
TJ libera R$ 13 milhões para Vale ressarcir gastos do governo mineiro
Vale pede mais tempo para analisar Termo de Ajuste Preliminar
Deputados do Rio presos podem ter posses suspensas
Vale suspende operação em barragem em Brucutu e de mina em Brumadinho
TRE-RJ mantém ex-deputado Paulo Melo inelegível até 2024

MAIS NOTICIAS

 

Sul do Chile enfrenta 45 focos de incêndios florestais
 
 
Governo de Minas oferece suporte psicossocial às vítimas de Brumadinho
 
 
Força Nacional de Segurança começa a deixar o Ceará
 
 
Licitação de ônibus em São Paulo tem contratos de R$ 71 bi em 20 anos
 
 
Força Nacional vai atuar em Belém na primeira quinzena de março
 
 
Fiocruz alerta para agravamento de doenças na população após tragédia

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2017 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212