Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


17 de Nov de 2018 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Estudo em SP aponta alta prevalência de dores crônicas entre moradores de rua - Jornal Brasil em Folhas
Estudo em SP aponta alta prevalência de dores crônicas entre moradores de rua


Estudo inédito do Instituto Israelita de Ensino e Pesquisa Albert Einstein (IIEP) mapeou a ocorrência de dores crônicas em moradores de rua. Foram entrevistados 69 pessoas em situação de rua da capital paulista. O resultado é que a dor crônica atinge 82,6% desse grupo, sendo que 73,8% das queixas são de incômodos nos músculos, tendões, ligamentos, articulações e ossos.

“A escala que nós utilizamos é dividida entre uma dor fraca, moderada e intensa. Cerca de 90% da mostra apresenta uma dor intensa, então quase todos os entrevistados, que já eram pacientes com dores crônicas, sentiam dor todos os dias por muitos anos”, explicou a enfermeira Ariane Graças de Campos que desenvolveu a pesquisa como dissertação de mestrado com orientação da pesquisadora Eliseth Ribeiro Leão. Quase 70% dos entrevistados disseram sentir dor todos os dias e, em grande parte dos casos, a duração é de horas (39,1%) ou dias (40,6%).

Levantamento feito em 2015 pela Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas (FIPE) a pedido da Secretaria Municipal de Assistência e Desenvolvimento Social mostrou que 15.905 pessoas vivem em situação de rua na capital paulista. A pesquisadora Eliseth Leão afirma que estuda o assunto desde o início da década de 1990. Para você ter uma ideia, além da pesquisa da Ariane que coordenei, existem apenas outras três pesquisas a respeito do assunto: Estados Unidos, Canadá e Reino Unido, afirma.

A enfermeira Ariane Campos chama atenção para o fato de que é comum, entre os moradores de rua, o não tratamento da dor, bem como a percepção de que ela diminui com o tempo. “Não é que ela vai sentindo menos dor é que ela vai se adaptando a essa dor, vai se acomodando. A percepção da dor diminui, então vai fazendo parte do viver”, apontou.

Entre as características relacionadas a dor que afetam essa população, ela explica que não foram observados comportamentos diferentes entre os gêneros. “Em todos os estudos no mundo, a mulher sente mais dor que o homem. Na rua não foi encontrada essa diferença”, acrescentou.

Também foi identificado que a dor interfere em todas as atividades do cotidiano dessas pessoas. Para 87,2%, a condição de rua prejudica a qualidade e a duração do sono. Entre os fatores que contribuem para isso, foi citado o fato de dormir no chão, de estar exposto ao frio e vulnerável à violência. Eles disseram ainda que a dor impacta no humor (83,8%) e no trabalho (79,3%).

“Além de atrapalhar todas as atividades, atrapalha em um percentual assustador, inclusive para caminhar. Pensando que o morador de rua é o cara que precisa caminhar pela cidade o tempo todo para sobreviver, buscar alimento, conseguir vaga de albergue. Faz parte do modo de vida caminhar”, exemplificou.

Cuidados

O tratamento medicamentoso para dor foi utilizado por apenas 35,4% dos entrevistados, enquanto 64,6% não fizeram uso de nenhum cuidado médico. Os moradores de rua também relataram dificuldades para conseguir prescrição médica (66,7%). Para 31,9%, não houve dificuldade em conseguir o receituário.

A pesquisa identifica ainda as dificuldades encontradas pelos moradores de rua para tomar os remédios. Mais de 58% não o fazem por acreditar que a mistura entre medicação e álcool ou drogas faz mal. Para 54,3%, a dificuldade está em seguir os horários da prescrição médica. Também é alto o percentual dos que esquecem a medicação (43,5%) e dos que interrompem o remédio após melhora (41,3%).

Com base nessas informações, o Albert Einstein elaborou um curso online gratuito sobre o tema para profissionais de saúde e estudantes. Desde dezembro, quando ele foi disponibilizado, mais de 1.900 pessoas de diversas partes do país acessaram a plataforma. A série é composta de cinco vídeos e leva em consideração os aspectos identificados na pesquisa para traçar estratégias de atendimento. O curso pode ser acessado pela internet.

Entre dezembro de 2017 a fevereiro de 2018, 1.932 pessoas fizeram o curso online e gratuito. A plataforma de curso aberto é composta por quatro aulas e vai ficar aberto por bastante tempo, afirma Eliseth Leão.

Edição: Carolina Pimentel

 

Últimas Notícias

Presidente Díaz-Canel defende trabalho de médicos cubanos no Brasil
Ministério vai lançar edital para repor vagas de médicos cubanos
CFM afirma que há médicos suficientes para atender Brasil
Associação lança projeto para conscientizar população sobre diabetes 2
Transposição do S. Francisco está na pauta de prioridades da transição
Temer inaugura primeira etapa do acelerador de elétrons Sirius
Temer diz que decidirá “lá na frente” reajuste de ministros do STF
Só um governador do Nordeste participa de encontro em Brasília

MAIS NOTICIAS

 

Volume de vendas do varejo cai 1,3% em setembro
 
 
Gilmar Mendes suspende decisão que obriga bancos a ressarcir clientes
 
 
Prefeitos e secretários pedem para manter cubanos no Mais Médicos
 
 
Em depoimento, Lula nega que é dono de sítio em Atibaia
 
 
Mega-Sena acumula e pode pagar R$ 33 milhões no próximo sorteio
 
 
Enem: estudantes fazem hoje prova de matemática e ciências da natureza

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2019 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212