Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


19 de Nov de 2018 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Onda de greves na França testará reformas de Macron - Jornal Brasil em Folhas
Onda de greves na França testará reformas de Macron


A onda de greves que toma conta da França desde a última segunda-feira, em particular na companhia pública de trens SNCF, testa a vocação reformadora do presidente Emmanuel Macron, menos de um ano depois de sua chegada ao palácio do Eliseu.

Os ferroviários da SNCF fazem uma greve intermitente que pode perturbar seriamente a vida cotidiana dos franceses durante três meses.

Os sindicatos protestam contra um projeto de reforma do governo que quer pôr fim a seu estatuto especial. Criaram um novo conceito de mobilização, com uma greve de dois dias a cada cinco, totalizando 36 dias de paralisação alternados até o final de junho.

A SNCF aconselhou seus usuários a não usarem trem de segunda-feira à noite até a quinta de manhã, pois o movimento será muito inoportuno para os 4,5 milhões de viajantes diários, segundo o presidente do grupo, Guillaume Pepy.

Na terça-feira, os ferroviários se somarão a outros setores em greve: os funcionários da limpeza e do setor da energia.

No mesmo dia, os funcionários da Air France farão greve pela quarta vez em um mês para pedir um aumento geral de salário de 6%, embora não haja relação direta com as reformas de Macron.

A isso se somam os movimentos de estudantes, contrários a uma lei que modifica o acesso à universidade por meio de um sistema de seleção.

Desde maio de 2017, várias manifestações de relativo sucesso - os próprios ferroviários, funcionários públicos, aposentados - não alteraram o desejo reformador do executivo.

O método Macron, classificado de brutal pelos sindicatos, consiste em tentar reformar rapidamente todos os setores para surpreender os sindicatos. Ao abrir continuamente novas frentes, torna obsoleta a oposição à primeiro delas, pois já abriu uma segunda frente, explica o cientista político Philippe Braud.

-Desemprego persistente -

A França é a única grande economia europeia que não derrotou o desemprego em massa (8,9% ao final de 2017), argumentava Macron em agosto do passado, para justificar sua agenda reformista.

Os sindicatos sabem que apostam alto nesse disputa envolvendo a SNCF, empresa muito endividada e que enfrentará em breve a abertura à concorrência europeia.

Os sindicatos temem que, se o governo ganhar essa batalha, terá as mãos livres para impor outros projetos. Por isso querem conquistar a opinião pública francesa.

Segundo uma pesquisa da Ifop para o Journal du Dimanche, 53% dos franceses consideram a greve injustificada, mas há duas semanas esse percentual era de 58%.

Isso demonstra que a causa dos grevistas progride enquanto entramos no momento mais difícil do conflito, estima Frédéric Dabi, diretor adjunto da Ifop.

Ao mesmo tempo, contudo, 72% dos franceses estão convencidos de que o governo não recuará.

 

Últimas Notícias

Submarino argentino é encontrado um ano e um dia após desaparecimento
Parlamento cubano rejeita resolução da Eurocâmara sobre direitos human
Incêndio da Califórnia registra 74 mortos e mais de mil desaparecidos
Livro mistura suspense e fantasia em reflexão sobre violência no país
EBC e Fundação Getulio Vargas firmam acordo para revitalizar acervo
Trabalho de escoramento em viaduto paulistano prossegue neste sábado
Belo Horizonte tem previsão de mais chuva; temporais já mataram quatro
Prefeito de Mariana diz que não desistirá de ação no Reino Unido

MAIS NOTICIAS

 

Morre em Pelotas o criador da camisa canarinho, Aldyr Schlee
 
 
Brasil concentrou 40% dos feminicídios da América Latina em 2017
 
 
Jungmann e Toffoli anunciam sistema para unificar processos de presos
 
 
Pensamento liberal deve guiar a equipe econômica de Bolsonaro
 
 
Gold3-4 minutosfajn permanecerá à frente do BC até Senado aprovar Campos Neto
 
 
Senado argentino aprova orçamento de 2019 como prometeu ao FMI

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2019 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212