Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


20 de Nov de 2018 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 5 dias sem sucesso: o que falta para a Bolsa romper a barreira dos 50.000 pontos? - Jornal Brasil em Folhas
5 dias sem sucesso: o que falta para a Bolsa romper a barreira dos 50.000 pontos?


SÃO PAULO - Pelo 5° pregão seguido, o Ibovespa testou a barreira dos 50.000 pontos, atingida pela primeira vez este ano quando foi deflagrada, na última sexta-feira, a 24ª fase da Operação Lava Jato, que teve o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva como alvo. A partir daquele pregão, as apostas para a Bolsa começaram a ganhar projeções cada vez mais otimistas, com analistas projetando o Ibovespa até os 60.000 pontos, enquanto o dólar o caminho traçado era de mais queda, podendo atingir os R$ 3,00.

Mas, sem força depois de tantas altas, o Ibovespa começou a ver nos 50.000 pontos sua pedra no caminho. Hoje, completa o quinto pregão que o índice se aproxima da região, mas não consegue ultrapassá-la, desenvolvendo nesses dias um movimento de lateralização.

Veja mais: Quer se expor ao rali da Bolsa? Compre opções da Petrobras, diz analista

Um respiro no final do pregão de hoje até pareceu que poderia levar o índice para cima, mas a euforia que se viu não foi o suficiente para quebrar esse paredão. Com a notícia de que o Ministério Público de São Paulo pediu prisão preventiva do ex-presidente, o Ibovespa, que operou no negativo hoje, ganhou força e fechou em alta de 1,86%, a 49.571 pontos.

Diante da 5 tentativa seguida, fica o questionamento: o que falta então para o mercado superar os 50.000 pontos? Para especialistas consultados pelo InfoMoney, não seria tanto uma questão de força compradora, mas sim um respiro que o mercado está tomando antes de vir novos desdobramentos da Operação Lava Jato.

Para João Pedro Brugger, economista da Leme Investimentos, o rali do impeachment ainda não acabou, só está tirando uma folga porque subiu demais em muito pouco tempo. Quando o Ibovespa sobe tão rápido é natural que haja uma realização, diz Brugger, que vê o cenário ainda indefinido embora a balança esteja, neste momento, pesando mais para o lado de uma saída da presidente Dilma Rousseff e do PT do governo.

O mercado ainda espera muito deste front político. É um cenário que vai durar, com qualquer fato forte que indique que PT está saindo do governo fazendo a Bolsa subir mais, afirma o economista. A Bolsa, para ele, ainda aguarda grandes eventos que ocorrerão neste fim de semana: o Congresso do PMDB, no qual o partido provavelmente decidirá se desembarca de vez da base do governo, e as manifestações pelo impeachment no dia 13.

Para o analista gráfico Fernando Góes, da Clear Corretora, esse fôlego que o mercado tomou essa semana veio até mais ameno do que o previsto. O mercado esperava uma correção um pouco mais acentuada do índice, depois de ter subido 18% semana passada, mas não foi o que ocorreu, mas sim um movimento de lateralização, mostrando que a força compradora segue muito forte ainda, comenta.

O mercado segue na expectativa do que virá, disse o analista gráfico André Moraes. Os próximos desdobramentos políticos poderiam ter força para levar o Ibovespa para a região dos 55.000 pontos, onde encontraria sua próxima resistência, diz o analista. Do lado oposto, se o mercado virar de mão, o próximo suporte ficaria na região dos 45.000 pontos. Ele pondera, no entanto, que em função da elevada volatilidade - muito diferente da que se tem visto nos últimos cinco anos -, é bom o investidor ter cautela. Entre as blue chips com mais espaço a ganhar com uma nova arrancada do Ibovespa, Góes acredita que Petrobras seria a que tem mais chão a percorrer - entre os R$ 9,00 e R$ 9,50.

 

Últimas Notícias

Estimativa do mercado para inflação cai pela quarta vez seguida
Autoridades de Cuba anunciam retorno de médicos antes do fim do ano
Guatemala monitora atividades de vulcão que pode ter novas erupções
Marcelo Piloto é extraditado do Paraguai para o Brasil
Ex-CEO da Nissan é preso no Japão suspeito de reduzir próprio lucro
Governador eleito do Rio promete nova concessão para o Maracanã
Relatório alerta que há 45 barragens sob ameaça de desabamento
Relatório alerta que há 45 barragens sob ameaça de desabamento

MAIS NOTICIAS

 

Estimativa do mercado para inflação cai pela quarta vez seguida
 
 
Autoridades de Cuba anunciam retorno de médicos antes do fim do ano
 
 
Guatemala monitora atividades de vulcão que pode ter novas erupções
 
 
Ex-CEO da Nissan é preso no Japão suspeito de reduzir próprio lucro
 
 
Governador eleito do Rio promete nova concessão para o Maracanã
 
 
Relatório alerta que há 45 barragens sob ameaça de desabamento

 


 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2019 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212