Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


18 de Fev de 2019 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 5 dias sem sucesso: o que falta para a Bolsa romper a barreira dos 50.000 pontos? - Jornal Brasil em Folhas
5 dias sem sucesso: o que falta para a Bolsa romper a barreira dos 50.000 pontos?


SÃO PAULO - Pelo 5° pregão seguido, o Ibovespa testou a barreira dos 50.000 pontos, atingida pela primeira vez este ano quando foi deflagrada, na última sexta-feira, a 24ª fase da Operação Lava Jato, que teve o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva como alvo. A partir daquele pregão, as apostas para a Bolsa começaram a ganhar projeções cada vez mais otimistas, com analistas projetando o Ibovespa até os 60.000 pontos, enquanto o dólar o caminho traçado era de mais queda, podendo atingir os R$ 3,00.

Mas, sem força depois de tantas altas, o Ibovespa começou a ver nos 50.000 pontos sua pedra no caminho. Hoje, completa o quinto pregão que o índice se aproxima da região, mas não consegue ultrapassá-la, desenvolvendo nesses dias um movimento de lateralização.

Veja mais: Quer se expor ao rali da Bolsa? Compre opções da Petrobras, diz analista

Um respiro no final do pregão de hoje até pareceu que poderia levar o índice para cima, mas a euforia que se viu não foi o suficiente para quebrar esse paredão. Com a notícia de que o Ministério Público de São Paulo pediu prisão preventiva do ex-presidente, o Ibovespa, que operou no negativo hoje, ganhou força e fechou em alta de 1,86%, a 49.571 pontos.

Diante da 5 tentativa seguida, fica o questionamento: o que falta então para o mercado superar os 50.000 pontos? Para especialistas consultados pelo InfoMoney, não seria tanto uma questão de força compradora, mas sim um respiro que o mercado está tomando antes de vir novos desdobramentos da Operação Lava Jato.

Para João Pedro Brugger, economista da Leme Investimentos, o rali do impeachment ainda não acabou, só está tirando uma folga porque subiu demais em muito pouco tempo. Quando o Ibovespa sobe tão rápido é natural que haja uma realização, diz Brugger, que vê o cenário ainda indefinido embora a balança esteja, neste momento, pesando mais para o lado de uma saída da presidente Dilma Rousseff e do PT do governo.

O mercado ainda espera muito deste front político. É um cenário que vai durar, com qualquer fato forte que indique que PT está saindo do governo fazendo a Bolsa subir mais, afirma o economista. A Bolsa, para ele, ainda aguarda grandes eventos que ocorrerão neste fim de semana: o Congresso do PMDB, no qual o partido provavelmente decidirá se desembarca de vez da base do governo, e as manifestações pelo impeachment no dia 13.

Para o analista gráfico Fernando Góes, da Clear Corretora, esse fôlego que o mercado tomou essa semana veio até mais ameno do que o previsto. O mercado esperava uma correção um pouco mais acentuada do índice, depois de ter subido 18% semana passada, mas não foi o que ocorreu, mas sim um movimento de lateralização, mostrando que a força compradora segue muito forte ainda, comenta.

O mercado segue na expectativa do que virá, disse o analista gráfico André Moraes. Os próximos desdobramentos políticos poderiam ter força para levar o Ibovespa para a região dos 55.000 pontos, onde encontraria sua próxima resistência, diz o analista. Do lado oposto, se o mercado virar de mão, o próximo suporte ficaria na região dos 45.000 pontos. Ele pondera, no entanto, que em função da elevada volatilidade - muito diferente da que se tem visto nos últimos cinco anos -, é bom o investidor ter cautela. Entre as blue chips com mais espaço a ganhar com uma nova arrancada do Ibovespa, Góes acredita que Petrobras seria a que tem mais chão a percorrer - entre os R$ 9,00 e R$ 9,50.

 

Últimas Notícias

Brasil perdeu 7,2 milhões de linhas de celular no ano passado
Petrobras reduz em 3% GLP empresarial nas refinarias
Ministro do STJ nega pedido de prisão domiciliar a João de Deus
Escassez de chuvas leva governo a acionar termelétricas mais caras
Picciani, Paulo Melo e Albertassi serão julgados por Bretas
Suspensa permissão para deputada receber denúncias contra professores
MPT não descarta pedir bloqueio dos bens do Flamengo
Número de mortos identificados em Brumadinho chega a 151

MAIS NOTICIAS

 

Sul do Chile enfrenta 45 focos de incêndios florestais
 
 
Governo de Minas oferece suporte psicossocial às vítimas de Brumadinho
 
 
Força Nacional de Segurança começa a deixar o Ceará
 
 
Licitação de ônibus em São Paulo tem contratos de R$ 71 bi em 20 anos
 
 
Força Nacional vai atuar em Belém na primeira quinzena de março
 
 
Fiocruz alerta para agravamento de doenças na população após tragédia

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2017 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212