Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


23 de Fev de 2019 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Agência dos EUA diz que mosquito geneticamente modificado anti-Zika não prejudica meio ambiente - Jornal Brasil em Folhas
Agência dos EUA diz que mosquito geneticamente modificado anti-Zika não prejudica meio ambiente


A agência que regula a saúde nos Estados Unidos afirmou que o uso de um mosquito geneticamente modificado na luta contra o Zika não terá um impacto significativo no meio ambiente, abrindo possivelmente o caminho para que a técnica seja aplicada no país.

A variação do mosquito Aedes aegypti foi desenvolvida pela Oxitec, a subsidiária britânica da companhia norte-americana de biologia sintética Intrexon. Os mosquitos machos são modificados para que a cria deles morra antes de atingir a fase adulta e se reproduzir.

Conclusões preliminares de um teste feito pela agência norte-americana que regula alimentos e medicamentos (FDA) na região de Flórida Keys determinou que os mosquitos geneticamente modificados não terão um impacto ambiental significativo, concordando na prática com a avaliação submetida pela Oxitec.

As conclusões se dão em meio a crescentes preocupações com o vírus Zika nos EUA, com a Flórida declarando situação de emergência para a saúde pública no mês passado.

O vírus, detectado pela primeira vez na África na década de 1940, era desconhecido nas Américas até o ano passado quando ele apareceu no Nordeste brasileiro, onde é associado com o nascimento de milhares de bebês com má-formação craniana.

O clima quente e a presença de mosquitos praticamente durante todo o ano na Flórida fazem a região particularmente vulnerável ao Zika, embora até o momento todos os casos registrados no Estado tenham sido contraídos no exterior, segundo autoridades.

Se nós conseguirmos a permissão da FDA para ir adiante, estamos esperando começar o programa em algum momento de 2016”, afirmou Hadyn Parry, executivo-chefe da Oxitec, nesta sexta.

No entanto, a ideia de exterminar uma espécie inteira de mosquito desperta questionamentos ecológicos, uma vez que vai de encontro à preservação da biodiversidade.

Uma petição online de uma moradora de Key West já reuniu mais de 161 mil apoios e pede que a FDA não aprove os mosquitos geneticamente modificados.

O público pode submeter comentários sobre as conclusões durante 30 dias, a partir de segunda-feira.

 

Últimas Notícias

Saúde libera recursos para atender moradores da região de Brumadinho
Justiça determina prisão preventiva de acusado de espancar paisagista
Irmão de mulher espancada diz que ainda está chocado com a violência
Flamengo pede mais prazo para decidir sobre indenização de vítimas
Profissionais que atuaram em Brumadinho serão monitorados
Auditores descobrem 158 Kg de cocaína na fronteira com a Bolívia
Governo determina medidas de precaução para barragens em todo o país
Bolsonaro irá ao Congresso entregar texto da reforma da Previdência

MAIS NOTICIAS

 

Sul do Chile enfrenta 45 focos de incêndios florestais
 
 
Governo de Minas oferece suporte psicossocial às vítimas de Brumadinho
 
 
Força Nacional de Segurança começa a deixar o Ceará
 
 
Licitação de ônibus em São Paulo tem contratos de R$ 71 bi em 20 anos
 
 
Força Nacional vai atuar em Belém na primeira quinzena de março
 
 
Fiocruz alerta para agravamento de doenças na população após tragédia

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2017 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212