Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


15 de Nov de 2018 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Argentina dá ao Brasil a impressão (enganosa) de que é fácil virar o jogo, diz gestora - Jornal Brasil em Folhas
Argentina dá ao Brasil a impressão (enganosa) de que é fácil virar o jogo, diz gestora


SÃO PAULO - Em relatório para comentar o desempenho do mês de fevereiro, a gestora Rio Bravo destacou o período bastante complicado e turbulento para a crise política no Brasil (isso antes mesmo da delação de Delcídio do Amaral vir à tona e a condução coercitiva e o pedido de prisão preventiva do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva).

No relatório, os gestores da Rio Bravo destacam que, no mês passado, ressurgiu a crise política em toda a sua extensão, em especial a partir dos desdobramentos aparentemente inesgotáveis da Operação Lava Jato. As descobertas em torno do ex-presidente Lula e a prisão de João Santana mantiveram o governo sob imensa pressão e pareceram trazer o noticiário econômico para um terreno intermediário entre o secundário e o provisório, afirmam.

Enquanto isso, o ministro da Fazenda, Nelson Barbosa, exibe um estilo mais discreto que o de seu antecessor, Joaquim Levy, e não por acaso. Mas a eficácia na implementação de um programa, qualquer que seja, não se consegue ainda aferir, afirmam os gestores.

Em meio a tantos cenários ruins, para a Rio Bravo, a melhor das más notícias do mês, ou quem sabe a pior entre as boas, é a desenvoltura com que se movimentou e o sucesso de público e de crítica do novo presidente argentino Mauricio Macri.

Eles apontam que a receptividade dos mercados, inclusive a julgar pelos indicadores de risco soberano, é tão boa – o EMBI da Argentina caiu de 750 pontos-base em janeiro de 2015 para 500 pontos-base - mesmo patamar do Brasil – dá a impressão de que é fácil reverter as políticas heterodoxas e posturas anticapitalistas adotadas pelos argentinos durante vários anos.

Contudo, aponta a gestora, esta facilidade é enganosa, como se observará mais adiante, quando toda extensão dos estragos deixados pelo casal Kirchner estiver mais claro.

Por outro lado, os gestores observam que resta viva, todavia, a mística do famoso “Efeito Orloff”, ou que a Argentina sempre antecipa as tendências brasileiras, e que em pouco tempo estaremos onde Macri hoje se encontra. Talvez seja esta a única explicação para uma certa condescendência com os ativos negociados nos mercados brasileiros a despeito do acúmulo de más notícias, afirma.

Barbosa feijão com arroz Voltando ao ministro da Fazenda, a Rio Bravo ressalta que é curioso como o afastamento do elemento estranho, Joaquim Levy, apenas produziu mais tensões dentro do campo de aliados ao governo, em meio às divergências sobre como lidar com a crise econômica.

A elevação da temperatura dos temas políticos deu a impressão de que a presidente desistiu da economia, afirmam os gestores, ao menos por ora, fazendo o “feijão com arroz.

Segundo eles, é difícil vislumbrar qualquer programa ou objetivo de médio prazo na gestão de Nelson Barbosa. Ele é membro de uma equipe que fará o necessário para que a administração Dilma Rousseff não naufrague, mesmo que seja por conta de ameaças que venham de assuntos totalmente alheios à economia, afirmam.

Desta vez, Nelson Barbosa não tem nenhum outro compromisso maior que sua lealdade à presidente. É incerto o que isso significa para a sua política econômica.

 

Últimas Notícias

Presidente Díaz-Canel defende trabalho de médicos cubanos no Brasil
Ministério vai lançar edital para repor vagas de médicos cubanos
CFM afirma que há médicos suficientes para atender Brasil
Associação lança projeto para conscientizar população sobre diabetes 2
Transposição do S. Francisco está na pauta de prioridades da transição
Temer inaugura primeira etapa do acelerador de elétrons Sirius
Temer diz que decidirá “lá na frente” reajuste de ministros do STF
Só um governador do Nordeste participa de encontro em Brasília

MAIS NOTICIAS

 

Volume de vendas do varejo cai 1,3% em setembro
 
 
Gilmar Mendes suspende decisão que obriga bancos a ressarcir clientes
 
 
Prefeitos e secretários pedem para manter cubanos no Mais Médicos
 
 
Em depoimento, Lula nega que é dono de sítio em Atibaia
 
 
Mega-Sena acumula e pode pagar R$ 33 milhões no próximo sorteio
 
 
Enem: estudantes fazem hoje prova de matemática e ciências da natureza

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2019 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212