Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


17 de Jan de 2019 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Argentina dá ao Brasil a impressão (enganosa) de que é fácil virar o jogo, diz gestora - Jornal Brasil em Folhas
Argentina dá ao Brasil a impressão (enganosa) de que é fácil virar o jogo, diz gestora


SÃO PAULO - Em relatório para comentar o desempenho do mês de fevereiro, a gestora Rio Bravo destacou o período bastante complicado e turbulento para a crise política no Brasil (isso antes mesmo da delação de Delcídio do Amaral vir à tona e a condução coercitiva e o pedido de prisão preventiva do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva).

No relatório, os gestores da Rio Bravo destacam que, no mês passado, ressurgiu a crise política em toda a sua extensão, em especial a partir dos desdobramentos aparentemente inesgotáveis da Operação Lava Jato. As descobertas em torno do ex-presidente Lula e a prisão de João Santana mantiveram o governo sob imensa pressão e pareceram trazer o noticiário econômico para um terreno intermediário entre o secundário e o provisório, afirmam.

Enquanto isso, o ministro da Fazenda, Nelson Barbosa, exibe um estilo mais discreto que o de seu antecessor, Joaquim Levy, e não por acaso. Mas a eficácia na implementação de um programa, qualquer que seja, não se consegue ainda aferir, afirmam os gestores.

Em meio a tantos cenários ruins, para a Rio Bravo, a melhor das más notícias do mês, ou quem sabe a pior entre as boas, é a desenvoltura com que se movimentou e o sucesso de público e de crítica do novo presidente argentino Mauricio Macri.

Eles apontam que a receptividade dos mercados, inclusive a julgar pelos indicadores de risco soberano, é tão boa – o EMBI da Argentina caiu de 750 pontos-base em janeiro de 2015 para 500 pontos-base - mesmo patamar do Brasil – dá a impressão de que é fácil reverter as políticas heterodoxas e posturas anticapitalistas adotadas pelos argentinos durante vários anos.

Contudo, aponta a gestora, esta facilidade é enganosa, como se observará mais adiante, quando toda extensão dos estragos deixados pelo casal Kirchner estiver mais claro.

Por outro lado, os gestores observam que resta viva, todavia, a mística do famoso “Efeito Orloff”, ou que a Argentina sempre antecipa as tendências brasileiras, e que em pouco tempo estaremos onde Macri hoje se encontra. Talvez seja esta a única explicação para uma certa condescendência com os ativos negociados nos mercados brasileiros a despeito do acúmulo de más notícias, afirma.

Barbosa feijão com arroz Voltando ao ministro da Fazenda, a Rio Bravo ressalta que é curioso como o afastamento do elemento estranho, Joaquim Levy, apenas produziu mais tensões dentro do campo de aliados ao governo, em meio às divergências sobre como lidar com a crise econômica.

A elevação da temperatura dos temas políticos deu a impressão de que a presidente desistiu da economia, afirmam os gestores, ao menos por ora, fazendo o “feijão com arroz.

Segundo eles, é difícil vislumbrar qualquer programa ou objetivo de médio prazo na gestão de Nelson Barbosa. Ele é membro de uma equipe que fará o necessário para que a administração Dilma Rousseff não naufrague, mesmo que seja por conta de ameaças que venham de assuntos totalmente alheios à economia, afirmam.

Desta vez, Nelson Barbosa não tem nenhum outro compromisso maior que sua lealdade à presidente. É incerto o que isso significa para a sua política econômica.

 

Últimas Notícias

John Forman recusa cargo no Conselho de Administração da Petrobras
Em visita oficial, Macri é recebido no Planalto por Bolsonaro
Mercado financeiro prevê inflação em 4,02% neste ano
Consultas de CPFs para vendas a prazo no comércio crescem 2,8%
Produção de bicicletas aumenta 15,9% no Brasil
Receita abre consulta a restituição do Imposto de Renda de 2008 a 2018
Ex-comandante da Marinha é indicado para o conselho da Petrobras
Inflação para idosos fecha 2018 em 4,75%, informa FGV

MAIS NOTICIAS

 

ANP aprova credenciamento de empresa certificadora
 
 
Política de combate à inflação foi bem-sucedida, diz presidente do BC
 
 
Marcos Pontes: fusão de Embraer e Boeing preserva interesses do país
 
 
Número de linhas de celular tem maior queda do ano em novembro
 
 
ANP: Petrobras pede prazo maior para definir quais campos vai explorar
 
 
Ex-presidente do Banco Central defende política econômica do governo

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2017 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212