Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


13 de Nov de 2018 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Argentina pagará fundos abutres em 14 de abril, diz ministro - Jornal Brasil em Folhas
Argentina pagará fundos abutres em 14 de abril, diz ministro


O ministro da Fazenda argentino, Alfonso Prat-Gay, disse que está confiante em pagar, no dia 14 de abril, 4,653 bilhões de dólares aos fundos especulativos nos Estados Unidos, apesar das críticas da oposição no Congresso.

O ministro se pronunciou um dia depois de ter sido alcançado um início de entendimento com governadores das províncias para que apoiem com seus parlamentares no Congresso a lei que habilitaria o pagamento. O governo está em minoria na Casa, mas tenta conquistar a parte mais amigável da oposição.

Nós continuamos pensando que vamos cumprir (o pagamento) nessa data de 14 de abril, disse o ministro em uma entrevista ao jornal Clarín, publicada nessa sexta-feira.

Prat-Gay reconheceu que embora tenha assinado um pré-acordo no início do mês em Nova York com os fundos mais intransigentes (NML Capital e Aurelius), entre outros credores, a Argentina enfrentará novos processos com outro grupo de credores.

No debate no Congresso, a oposição advertiu sobre o risco de litígios de 4% dos credores da dívida em moratória que ainda rejeitam a proposta argentina.

Prat-Gay disse que, segundo sua análise, esses funfos estão pedindo que os bônus que prescreveram sejam pagos e admitiu que se trata de um núcleo duro onde se abrirá um processo de litígios.

De todo modo, para aqueles que tenham títulos válidos e que ainda não tenham decido aceitar a oferta, a proposta seguirá de pé, afirmou.

Na quarta-feira, o governo argentino concluiu novos pré-acordos para pagar a dívida em moratória por mais de 190 milhões de dólares, informou o mediador em Nova York, Daniel Pollack.

Todos esses pré-acordos se inserem na oferta apresentada no dia 5 de fevereiro nesse ano pela nova administração de Macri para pagar 6,5 bilhões de dólares, sobre um total de 9 bilhões, a fundos especulativos e outros credores para pôr fim ao processo bilionário por 7% da dívida em moratória desde 2001.

Para fechar esses acordos o juiz americano Thomas Griesa impôs como condição que a Argentina aprove uma nova que derrogue a Ley Cerrojo, que estabelece que uma vantagem oferecida a um credor precise, necessariamente, ser estendida aos demais.

Com a derrogação, Griesa suspenderá o bloqueio de um pagamento da dívida por 539 milhões de dólares que ordenou como castigo à Argentina por descumprir sua sentença em favor dos fundos litigantes.

A oposição kirchnerista (peronismo de centro-esquerda) e um grupo de deputados de esquerda tentarão impedir que o governo forme quórum. Caso não consigam, tentarão bloquear depois o trâmite no Senado, onde são maioria.

 

Últimas Notícias

Nordeste perdeu 1 milhão de trabalhadores no campo de 2012 para 2017
IBGE prevê em 2019 safra de grãos 0,2% menor que a de 2018
Safra de grãos pode chegar a 238,3 milhões de toneladas, diz Conab
Banco do Brasil tem lucro de 14,3% no terceiro trimestre
Percentual de inadimplentes recua em outubro, diz CNC
Boletos vencidos de todos os tipos serão pagos em qualquer banco
Leonardo de Morais toma posse na presidência da Anatel
Natal deve movimentar R$ 53,5 bilhões na economia do país, prevê SPC

MAIS NOTICIAS

 

No Congresso, Temer defende reuniões frequentes entre Poderes
 
 
Bolsonaro reafirma, no Congresso, compromisso com a Constituição
 
 
Bolsonaro critica Enem e diz que prova deve cobrar conhecimentos úteis
 
 
Governo de transição dividiu trabalhos por temas em dez frentes
 
 
Para ministro, é “mais simples” unir MEC com Ciência e Tecnologia
 
 
Bolsonaro e Temer iniciam hoje formalmente governo de transição

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2019 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212