Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


19 de Mar de 2019 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Câmara confirma devolução de apartamento funcional usado por Maluf - Jornal Brasil em Folhas
Câmara confirma devolução de apartamento funcional usado por Maluf


A Câmara dos Deputados confirmou, nesta terça-feira (3), que assessores do deputado federal Paulo Maluf (PP-SP) devolveram as chaves do apartamento funcional usado pelo parlamentar, que foi afastado do mandato no final do ano passado, após ter tido prisão decretada pelo Supremo Tribunal Federal (STF). Segundo a assessoria da Casa, a vistoria realizada não constatou nenhum problema no imóvel. O prazo para a devolução havia vencido no dia 20 de fevereiro e o deputado chegou a receber duas notificações para desocupação do apartamento de quatro quartos, localizado na Asa Sul, bairro nobre de Brasília.

Em função do atraso, será aplicada uma multa por dia de permanência além do prazo, que é calculada de forma proporcional ao valor do auxílio-moradia (R$ 4.253 mensais). A cobrança deve ser de pouco mais de R$ 10 mil, já que foram cerca de 70 dias de atraso na devolução do imóvel. Ainda segundo a Câmara, caso o apartamento não tivesse sido desocupado após as notificações, a Câmara dos Deputados acionaria a Advocacia-Geral da União (AGU) para ingressar com uma ação de reintegração de posse. Procurada pela Agência Brasil, a defesa de Paulo Maluf não havia se manifestado até o fechamento da matéria.

Prisão domiciliar

Paulo Maluf foi transferido de Brasília para São Paulo na sexta-feira passada (30), para cumprir a prisão domiciliar concedida pelo ministro Dias Toffoli, do STF. O deputado estava cumprindo pena definitiva no presídio da Papuda, em Brasília, por ter sido condenado pela Segunda Turma do Supremo pelo crime de lavagem de dinheiro. Ele foi acusado pelo Ministério Público Federal (MPF) de ter recebido propina em contratos públicos com as empreiteiras Mendes Júnior e OAS quando era prefeito de São Paulo (1993-1996). Os recursos foram desviados da construção da Avenida Água Espraiada, hoje chamada Avenida Roberto Marinho, de acordo com a denúncia. O custo total da obra foi cerca de R$ 800 milhões.

Edição: Davi Oliveira

 

Últimas Notícias

Receita cria chat para regularizar débitos de pessoas físicas
MP facilita registro de empresas nas juntas comerciais
Mudança em servidor foi a causa de instabilidade ontem, diz Facebook
Corte de pessoal gera economia de R$ 200 milhões, afirma presidente
TCU pede informações antes de decidir sobre leilão de ferrovia
Leilão de aeroportos testa novo modelo em blocos
Pretendentes já ofertaram R$ 2,3 bi no leilão de aeroportos
Aeroportos foram arrematados com ágio médio de 986%

MAIS NOTICIAS

 

Sul do Chile enfrenta 45 focos de incêndios florestais
 
 
Governo de Minas oferece suporte psicossocial às vítimas de Brumadinho
 
 
Força Nacional de Segurança começa a deixar o Ceará
 
 
Licitação de ônibus em São Paulo tem contratos de R$ 71 bi em 20 anos
 
 
Força Nacional vai atuar em Belém na primeira quinzena de março
 
 
Fiocruz alerta para agravamento de doenças na população após tragédia

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2017 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212