Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


21 de Jan de 2019 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Cúpula do Exército se junta à pressão sobre o STF no dia D de Lula - Jornal Brasil em Folhas
Cúpula do Exército se junta à pressão sobre o STF no dia D de Lula


Às vésperas da decisão do Supremo Tribunal Federal que pode levar o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva para a cadeia, o comandante do Exército, general Eduardo Villas Bôas, resolveu se unir à pressão e se pronunciar publicamente nesta terça-feira para “assegurar à nação” que a força armada que ele comanda compartilha “o anseio de repúdio à impunidade e de respeito à Constituição, à paz social e à democracia” de “todos os cidadãos de bem”. A mensagem inusual foi publicada em sua conta de Twitter e ganhou a adesão de ao menos outros três generais do Exército na mesma rede social. Enquanto isso, várias cidades abrigavam atos de grupos anti-Lula pedindo a prisão do petista.
A manifestação - com friso na menção à palavra “impunidade” - foi apresentada no Jornal Nacional, o telejornal mais visto no país, e provocou uma onda de duras críticas. Foi lida como uma tentativa de influência indevida na sentença da maior corte do país, que reinicia nesta quarta-feira, a partir das 14h, o seu principal julgamento do ano, o do habeas corpus do o ex-presidente Lula, condenado a 12 anos e um mês de prisão por corrupção e lavagem de dinheiro. “Nessa situação que vive o Brasil, resta perguntar às instituições e ao povo quem realmente está pensando no bem do país e das gerações futuras e quem está preocupado apenas com interesses pessoais?”, publicou ainda o general, num momento em que as Forças Armadas gozam de um protagonismo inédito na vida política brasileira desde o fim da ditadura, liderando a intervenção federal em curso no Rio de Janeiro e ocupando cargos importantes no Governo Temer. “Isso definitivamente não é bom. Se for o que parece, outro 1964 será inaceitável. Mas não acredito nisso realmente”, escreveu o ex-procurador-geral Rodrigo Janot, que liderou a Operação Lava Jato no Ministério Público até setembro passado e fez campanha para que o pedido de Lula seja negado. “O comandante do Exército pressiona, via Twitter, o STF a tomar uma decisão. Não use a palavra democracia em vão, general. Em democracias, a opinião do comandante do exército sobre um julgamento do STF é irrelevante”, concordou Pedro Abramovay, diretor para a América Latina e Caribe da Open Society Foundations e ex-secretário nacional de Justiça no Governo Lula.
O assunto se tornou rapidamente um dos mais comentados do Twitter e o ministro da Segurança, Raúl Jungman, trabalhou para minimizar o alcance das declarações. Ele disse ao Estado de S. Paulo que Villas Bôas fez um “chamamento ao bom senso, à serenidade e ao respeito às instituições”. “O general é alguém muito aferrado à legalidade”, disse Jungman, ainda segundo o jornal. Seja como for, o movimento da cúpula do Exército incendiou de vez o ambiente em que os 11 magistrados do Supremo Tribunal Federal se reúnem, batizado como o dia D para Lula. A data será definitiva não apenas para decidir se Lula começará a cumprir ou não a sua pena de prisão que recebeu no âmbito da Operação Lava Jato como também será decisiva para o futuro do país. Lula é o pré-candidato do PT ao Planalto e hoje é o líder das pesquisas rumo às presidenciais de outubro. Sem ele, o cenário político ficaria ainda mais incerto. A dividida esquerda não tem nenhum candidato tão competitivo quanto ele. No campo geral nenhum dos pretensos concorrentes, até o momento, atingiu patamar superior ao 25% de preferência do eleitorado.
Na esfera jurídica, os ânimos também estão acirrados. Há duas semanas, quando o recurso de Lula começou a ser julgado, os ministros Luís Roberto Barroso e Gilmar Mendes trocaram ofensas. Como o clima de torcida organizada e a pressão de diversas corporações só aumentaram nos últimos dias, a presidente do STF, Cármen Lúcia, também fez um gesto inédito: interveio e pediu serenidade a todos, em um pronunciamento oficial na TV Justiça. Até agra, há mais dúvidas do que certezas no Supremo. Há dois anos, os ministros decidiram, em placar apertado, que um condenado em segunda instância poderia cumprir de imediato sua pena. Mas, desde dezembro do ano passado, há duas ações declaratórias de constitucionalidade (as ADCs 43 e 44) prontas para serem julgadas que, em tese, mudariam esse entendimento. Dos sete ministros que votaram a favor do cumprimento da pena, um morreu (Teori Zavascki) e o outro (Gilmar Mendes) já mudou de ideia. Apenas um dos onze magistrados (Alexandre de Moraes) não se manifestou sobre o caso. A decisão da presidenta do tribunal, Cármen Lúcia, no entanto, foi levar à plenário apenas o pedido da defesa de Lula, e não as ações da questão geral, ainda que a discussão de fundo deva estar presente todo o tempo. Segundo a TV Globo, um dos apelos da defesa de Lula é que ele não possa ser preso até que essas ADCs sejam julgadas. Na bolsa de apostas, seja para que lado for, a expectativa é que fosse um placar apertado.

 

Últimas Notícias

Inep divulga resultado do Enem
Frédéric Lamotte é o novo diretor geral da CA Indosuez Wealth (Miami) e responsável Global da região das Américas
A ACIRLAG chega para impulsionar o setor econômico da região Leste de Aparecida
Inep divulga notas do Enem na sexta-feira
Bolsonaro sanciona Lei do Orçamento 2019 de mais de R$ 3,3 trilhões
Parlamento venezuelano aprova acordo para entrada de ajuda humanitária
Imigrantes hondurenhos sofrem com obstáculos para passagem de caravana
Militares vão atuar de forma mais intensa no Programa Mais Médicos

MAIS NOTICIAS

 

ANP aprova credenciamento de empresa certificadora
 
 
Política de combate à inflação foi bem-sucedida, diz presidente do BC
 
 
Marcos Pontes: fusão de Embraer e Boeing preserva interesses do país
 
 
Número de linhas de celular tem maior queda do ano em novembro
 
 
ANP: Petrobras pede prazo maior para definir quais campos vai explorar
 
 
Ex-presidente do Banco Central defende política econômica do governo

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2017 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212