Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


22 de Fev de 2019 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Agroecologia é essencial para futuro da humanidade, garante FAO - Jornal Brasil em Folhas
Agroecologia é essencial para futuro da humanidade, garante FAO


A agroecologia, ou seja, o desenvolvimento agrícola ecológico e sustentável, é considerada essencial para o futuro da humanidade, que deve preservar o planeta e ao mesmo tempo garantir alimentos saudáveis para todos, segundo especialistas convocados esta semana em Roma pela FAO.

Necessitamos promover uma mudança transformadora na forma como produzimos e consumimos alimentos, assegurou nesta terça-feira o diretor-geral da Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura (FAO), José Graziano da Silva, na abertura do segundo simpósio internacional sobre agroecologia em Roma.

Precisamos promover sistemas alimentares sustentáveis que ofereçam alimentos saudáveis e nutritivos, e também preservar o meio ambiente, acrescentou.

O evento reúne até 5 de abril cerca de 400 especialistas em agroecologia, acadêmicos e representantes governamentais, da sociedade civil e organismos da ONU, para discutir sobre as políticas e iniciativas para aumentar esse novo conceito de produção agrícola.

A estratégia de aumentar a produção a qualquer preço não foi suficiente para erradicar a fome, e além disso assistimos a uma epidemia global de obesidade, afirmou Da Silva.

A tendência, sobretudo em algumas regiões do mundo, a aplicar conceitos ecológicos à produção agrícola se tornou um exemplo a seguir, já que oferece soluções viáveis e segundo cada caso.

- Abandonar a agricultura intensiva -

Para os especialistas é preciso abandonar a ideia de que a produção de alimentos deve ser intensiva, com maquinaria e produtos químicos, e passar a uma agricultura sustentável, para o qual a informação e o conhecimento são fundamentais.

Transformar nossos sistemas alimentares para que sejam sustentáveis significa realizar mudanças tanto econômicas, como sociais e culturais, advertiu Gilbert Houngbo, presidente do Fundo Internacional de Desenvolvimento Agrícola (Fida), o chamado banco das Nações Unidas para a agricultura, que apoia esse novo modelo de produção diversificada.

Entre os exemplos citados pelos especialistas está o dos camponeses chineses que utilizam folhas de morus alba para alimentar bichos-da-seda cujos resíduos corporais são usados, por sua vez, para os peixes.

Estamos em um momento decisivo na história da humanidade e depende de nós tomar decisões que serão essenciais para nosso futuro coletivo, afirmou Stéphane Le Foll, ex-ministro francês da Agricultura, ao convocar uma revolução duplamente verde, agrícola e ecológica.

Para isso é necessário implementar um diálogo mundial, que impulsione o conhecimento e a inovação em setores-chave.

Investir em conhecimento e inovação é essencial para aproveitar o potencial da agroecologia, disseram os especialistas que esperam com isso abrir o caminho para um desenvolvimento sustentável, que proteja a biodiversidade, contribua para frear as mudanças climáticas e além disso produza alimentos saudáveis que combatem a fome e a desnutrição.

Uma exposição na sede da FAO ilustra as maiores inovações feitas no setor da agroecologia no mundo todo.

Entre elas, a criação de uma plataforma on-line para compartilhar informações ecológicas assim como a produção proveniente de campos agrícolas africanos a cargo de mulheres sem uso de herbicidas.

Cerca de 30 países, entre eles a maioria dos países da América Latina, junto com Coreia do Sul, China, Costa do Marfim assim como Áustria, Alemanha, Dinamarca, França, Suíça e Itália, já adotaram um marco legislativo ou uma série de regulamentos para facilitar o desenvolvimento da agroecologia.

Há muito por fazer para convencer a maioria dos agricultores convencionais de que o sistema é viável e rentável, comentou Le Foll.

Algo está mudando, devemos continuar a batalha, afirmou.

 

Últimas Notícias

Brasil perdeu 7,2 milhões de linhas de celular no ano passado
Petrobras reduz em 3% GLP empresarial nas refinarias
Ministro do STJ nega pedido de prisão domiciliar a João de Deus
Escassez de chuvas leva governo a acionar termelétricas mais caras
Picciani, Paulo Melo e Albertassi serão julgados por Bretas
Suspensa permissão para deputada receber denúncias contra professores
MPT não descarta pedir bloqueio dos bens do Flamengo
Número de mortos identificados em Brumadinho chega a 151

MAIS NOTICIAS

 

Sul do Chile enfrenta 45 focos de incêndios florestais
 
 
Governo de Minas oferece suporte psicossocial às vítimas de Brumadinho
 
 
Força Nacional de Segurança começa a deixar o Ceará
 
 
Licitação de ônibus em São Paulo tem contratos de R$ 71 bi em 20 anos
 
 
Força Nacional vai atuar em Belém na primeira quinzena de março
 
 
Fiocruz alerta para agravamento de doenças na população após tragédia

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2017 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212