Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


14 de Nov de 2018 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Japão lembra com um minuto de silêncio terremoto e tsunami de 2011 - Jornal Brasil em Folhas
Japão lembra com um minuto de silêncio terremoto e tsunami de 2011


Os japoneses prestaram uma homenagem nesta sexta-feira às vítimas do terremoto e do tsunami registrados há exatamente cinco anos, uma catástrofe que deixou 18.500 mortos ou desaparecidos e que provocou um acidente nuclear cujos efeitos ainda são visíveis.

Apesar do frio e da chuva, milhares de famílias participaram com flores e velas da homenagem em diferentes pontos do nordeste do país, atingido pelo desastre.

Às 14h46 (02h46 de Brasília) foi observado um minuto de silêncio em todo o Japão, no momento preciso em que há cinco anos ocorreu um terremoto de magnitude 9 em frente à ilha principal de Honshu.

Na região na qual foram registradas mais mortes, em Sendai, os sobreviventes se concentraram diante de uma estátua erguida na praia de Arama, onde há cinco anos gigantescas ondas varreram tudo em sua passagem.

O imperador Akihito, a imperatriz Michiko, o primeiro-ministro Shinzo Abe e outros participantes da cerimônia de Tóquio inclinaram suas cabeças em sinal de homenagem.

Passaram-se cinco anos desde a catástrofe; mais de 20.000 vítimas perderam a vida, declarou o imperador Akihito na cerimônia, junto à imperatriz e diante de um imenso canteiro de flores brancas e amarelas.

O Japão recebeu o presente de ter uma natureza bonita, mas às vezes ela pode ser perigosa, destacou o chefe de Estado. Nunca poderemos esquecer as imagens deste muro de água negra caindo sobre as cidades destruídas pelo tsunami, acrescentou.

Lembranças dolorosas

Quando vou às regiões afetadas tenho a impressão de que o desastre segue presente, comentou o primeiro-ministro Shinzo Abe, que prometeu um governo unido para reconstruir um país mais resistente.

No dia 11 de março de 2011, cerca de 18.500 vidas foram varridas pelo tsunami. Outras três mil pessoas morreram posteriormente pelas consequências do drama.

Há vários dias, a imprensa não hesita em lembrar aquele dia fatídico: hordas de funcionários enlouquecidos abandonando de forma precipitada os arranha-céus de Tóquio, trens descarrilados no nordeste do país, imagens de cidades varridas pelo tsunami, milhares de desaparecidos...

Ao impacto causado pelas imagens das ondas gigantescas se somaram rapidamente os primeiros sinais alarmantes da central nuclear de Fukushima Daiichi. Logo começaram as ordens de evacuação dos milhares de habitantes que viviam ao seu redor.

Há cinco anos, assim como outros 140.000 deslocados, Kenichi Hasegawa vive com sua esposa em uma casa provisória pré-fabricada.

A pessoa leva esta vida sem se acostumar, estamos cansados, comentava ao canal NHK a esposa de Hasegawa.

Durante o dia, seu marido se dirige a sua antiga casa, na localidade de Iitatemura, totalmente evacuada, para limpar e evitar que as ervas daninhas invadam tudo.

É triste, não há ninguém, não vem ninguém, lamenta o homem.

Nestas regiões rurais as famílias costumavam viver três gerações sob o mesmo teto. Agora estão dispersas devido ao acidente, conta Hasegawa, um camponês desempregado.

O governo japonês reconhece que, até o momento, foram construídas menos da metade das 30.000 casas prometidas aos deslocados que não têm meios para se realojar.

Após o desastre de Fukushima, o pior acidente nuclear desde o de Chernobyl em 1986, o governo de então desligou todos os reatores nucleares do país, levando à compra em massa de combustíveis fósseis.

Mas nos últimos meses, o executivo de Shinzo Abe ordenou a reativação de alguns, argumentando que são essenciais para o abastecimento energético do país.

 

Últimas Notícias

Nordeste perdeu 1 milhão de trabalhadores no campo de 2012 para 2017
IBGE prevê em 2019 safra de grãos 0,2% menor que a de 2018
Safra de grãos pode chegar a 238,3 milhões de toneladas, diz Conab
Banco do Brasil tem lucro de 14,3% no terceiro trimestre
Percentual de inadimplentes recua em outubro, diz CNC
Boletos vencidos de todos os tipos serão pagos em qualquer banco
Leonardo de Morais toma posse na presidência da Anatel
Natal deve movimentar R$ 53,5 bilhões na economia do país, prevê SPC

MAIS NOTICIAS

 

No Congresso, Temer defende reuniões frequentes entre Poderes
 
 
Bolsonaro reafirma, no Congresso, compromisso com a Constituição
 
 
Bolsonaro critica Enem e diz que prova deve cobrar conhecimentos úteis
 
 
Governo de transição dividiu trabalhos por temas em dez frentes
 
 
Para ministro, é “mais simples” unir MEC com Ciência e Tecnologia
 
 
Bolsonaro e Temer iniciam hoje formalmente governo de transição

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2019 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212