Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


16 de Nov de 2018 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Sudão do Sul aceita que combatentes estuprem mulheres como forma de pagamento, denuncia ONU - Jornal Brasil em Folhas
Sudão do Sul aceita que combatentes estuprem mulheres como forma de pagamento, denuncia ONU


O Sudão do Sul permite que os combatentes estuprem mulheres como forma de pagamento, denunciou a ONU nesta sexta-feira, descrevendo a situação dos direitos humanos naquele país em guerra como uma das mais horríveis do mundo.

O país mais jovem do mundo enfrenta uma das situações de direitos humanos mais horríveis do mundo, com o uso em massa dos estupros como instrumento de terror e arma de guerra, declarou o Alto Comissário da ONU para os Direitos Humanos, Zeid Raad Al Hussein, em um relatório que cobre o período de outubro de 2015 a janeiro de 2016.

A escala e o tipo de violências sexuais - que geralmente são cometidas pelas forças governamentais do Exército Popular de Libertação do Sudão e por suas milícias afiliadas - são descritos com detalhes terríveis, assim como a atitude - quase casual, mas calculada - daqueles que massacraram civis e destruíram bens e meios de subsistência, acrescentou o Alto Comissário.

Para a ONU, os atores estatais têm a maior responsabilidade pela violência cometida em 2015, diante do enfraquecimento das forças da oposição.

O relatório afirma que o governo realiza uma política de terra queimada e explica que, segundo fontes confiáveis, as autoridades permitem que grupos aliados estuprem mulheres como forma de pagamento, seguindo o princípio de façam o que puderem e tomem o que quiserem.

O Sudão do Sul, que se tornou independente do Sudão em julho de 2011 após décadas de conflito com Cartum, encontra-se afundado em uma guerra civil desde dezembro de 2013, quando o presidente Salva Kiir acusou seu ex-vice-presidente, Riek Machar, de querer derrubá-lo.

Mais de 2,3 milhões de pessoas precisaram abandonar seus lares e dezenas de milhares morreram devido ao conflito e às atrocidades cometidas por ambos os grupos.

Ataques deliberados contra civis

Os combates entre o exército regular e diferentes grupos rebeldes prosseguem, embora em agosto de 2015 tenha sido assinado um acordo de paz. Os grupos rebeldes, que frequentemente têm interesses locais, não se sentem sujeitos a acordos escritos.

O relatório da ONU contém relatos sobre civis, incluindo crianças e deficientes físicos, que foram assassinados, queimados vivos, asfixiados em contêineres, executados, pendurados em árvores ou cortados em pedaços.

Diante da amplitude, da profundidade e da gravidade das acusações, da repetição e das similaridades observadas no modo de operação, o informe conclui que existem motivos razoáveis para crer que estas violações podem ser consideradas crimes e guerra e/ou crimes contra a humanidade, disse o Alto Comissário da ONU.

Segundo as Nações Unidas, a grande maioria das vítimas civis não parecem ser resultado dos combates, mas de ataques deliberados contra civis.

Cada vez que o controle de uma zona passa de uma autoridade para outra, as novas autoridades deslocam a maior quantidade possível de civis, com base em seu pertencimento étnico, indica o texto.

O Alto Comissário pede a criação - como prevê o acordo de paz assinado em agosto de 2015 - da Corte Híbrida, encarregada de investigar e julgar os responsáveis por crimes desde o início da guerra civil. Caso contrário, recomenda que o caso seja apresentado ante o Tribunal Penal Internacional (TPI).

Em outro relatório publicado nesta sexta-feira, a Anistia Internacional denunciou a morte em outubro de 2015 no Sudão do Sul de 60 adultos e crianças, pelas mãos de soldados pró-governamentais, que os deixaram morrer asfixiados em um contêiner.

 

Últimas Notícias

Presidente Díaz-Canel defende trabalho de médicos cubanos no Brasil
Ministério vai lançar edital para repor vagas de médicos cubanos
CFM afirma que há médicos suficientes para atender Brasil
Associação lança projeto para conscientizar população sobre diabetes 2
Transposição do S. Francisco está na pauta de prioridades da transição
Temer inaugura primeira etapa do acelerador de elétrons Sirius
Temer diz que decidirá “lá na frente” reajuste de ministros do STF
Só um governador do Nordeste participa de encontro em Brasília

MAIS NOTICIAS

 

Volume de vendas do varejo cai 1,3% em setembro
 
 
Gilmar Mendes suspende decisão que obriga bancos a ressarcir clientes
 
 
Prefeitos e secretários pedem para manter cubanos no Mais Médicos
 
 
Em depoimento, Lula nega que é dono de sítio em Atibaia
 
 
Mega-Sena acumula e pode pagar R$ 33 milhões no próximo sorteio
 
 
Enem: estudantes fazem hoje prova de matemática e ciências da natureza

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2019 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212