Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


15 de Nov de 2018 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Tese do paciente zero de aids é desmentida após 30 anos - Jornal Brasil em Folhas
Tese do paciente zero de aids é desmentida após 30 anos


Um comissário de bordo canadense designado em meados dos anos 1980 como tendo importado e difundido o vírus da aids para os Estados Unidos, chamado de paciente zero, na verdade não teria desempenhado esse papel - determinou uma equipe americana de pesquisadores.

Não há prova biológica, nem histórica, que o paciente zero foi o primeiro caso dos Estados Unidos, segundo o resumo de um estudo conduzido pelos pesquisadores da universidade de Tucson (Arizona, sudoeste) e apresentado durante uma conferência em Boston. As conclusões detalhadas ainda não foram publicadas.

Esta equipe, liderada pelo professor de biologia Michael Worobey, analisou o genoma do vírus contudo em oito amostras sanguíneas de pacientes americanos, fazendo parte dos nove genomas mais antigos já recuperados no mundo até hoje, coletados em 1978-1979, assim como o do paciente zero recuperado em 1983.

O comissário de bordo canadense Gaétan Dugas, foi designado pelo jornalista Randy Shilts em seu livro And the band played on (1987) como sendo o homem que importou o hiv para os Estados Unidos, e que teria disseminado com suas múltiplas viagens e uma vida desregrada, lembrou a revista Science.

Mas ao combinar análises moleculares, filogenéticas (relação entre os organismos vivos que permite formar uma árvore genética) e históricas, a equipe do professor Worobey estabeleceu que o vírus foi transferido da África para o Caribe entre 1964 e 1970 (provavelmente antes de 1967) antes de entrar nos Estados Unidos, por Nova York, entre 1969 e 1973 (provavelmente antes de 1971).

O vírus, cujo genoma se transforma a cada duplicação, permitindo criar uma história geográfica, foi então transportado para San Francisco (antes de 1975) com um importante mix geográfico nos Estados Unidos e em outros lugares logo depois, segundo o resumo.

Com árvore genealógica realizada, os cientistas determinaram que o genoma do paciente zero não estava no início da árvore genética dos primeiros anos da epidemia nos Estados Unidos, mas no meio do caminho, relatou a revista Science.

Isso mostra claramente que Gaétan Dugas, que morreu em 1984, não introduziu a aids nos Estados Unidos, concluiu a revisão.

 

Últimas Notícias

Presidente Díaz-Canel defende trabalho de médicos cubanos no Brasil
Ministério vai lançar edital para repor vagas de médicos cubanos
CFM afirma que há médicos suficientes para atender Brasil
Associação lança projeto para conscientizar população sobre diabetes 2
Transposição do S. Francisco está na pauta de prioridades da transição
Temer inaugura primeira etapa do acelerador de elétrons Sirius
Temer diz que decidirá “lá na frente” reajuste de ministros do STF
Só um governador do Nordeste participa de encontro em Brasília

MAIS NOTICIAS

 

No Congresso, Temer defende reuniões frequentes entre Poderes
 
 
Bolsonaro reafirma, no Congresso, compromisso com a Constituição
 
 
Bolsonaro critica Enem e diz que prova deve cobrar conhecimentos úteis
 
 
Governo de transição dividiu trabalhos por temas em dez frentes
 
 
Para ministro, é “mais simples” unir MEC com Ciência e Tecnologia
 
 
Bolsonaro e Temer iniciam hoje formalmente governo de transição

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2019 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212