Assine Brasil em Folhas / Nuvem / Pressreader



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


26 de Sep de 2018 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade
 

...

...

 
Notícias
 Déficit primário pode ter meta menor em 2019, diz novo ministro do Planejamento - Jornal Brasil em Folhas
Déficit primário pode ter meta menor em 2019, diz novo ministro do Planejamento


A melhoria na arrecadação decorrente da recuperação da economia poderá fazer a Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO) de 2019 vir com uma meta menor de déficit primário, disse hoje (10) o novo ministro do Planejamento, Desenvolvimento e Gestão, Esteves Colnago, em entrevista após assumir o cargo. Ele confirmou que o governo enviará o projeto ao Congresso nesta quinta-feira (12) à tarde.

A LDO de 2018 estimava uma meta de déficit primário – resultado negativo nas contas do governo antes do pagamento dos juros da dívida pública – de R$ 139 bilhões para o próximo ano. No entanto, o bom desempenho da arrecadação federal, que cresceu mais de 10% acima da inflação oficial nos dois primeiros meses do ano, pode criar condições para que a equipe econômica imponha uma meta fiscal mais apertada para 2019. A LDO deste ano estabelece meta de déficit de R$ 159 bilhões.

Apesar de reconhecer a possibilidade de revisar a meta para 2019, o novo ministro disse que a equipe econômica está sendo cuidadosa para não impor uma meta fiscal que não possa ser executada pelo próximo presidente da República. “Uma das possibilidades é que, se os números forem melhores, [a LDO vai] reduzir a meta. A gente não vai tomar nenhuma decisão que não passe por uma análise prudencial. Não quero criar para o próximo presidente alguma restrição que não se justifique, apresentar uma meta com base em números irreais”, declarou.

Regra de Ouro

Responsável por estabelecer os parâmetros que guiarão o Orçamento do próximo ano, a LDO de 2019 também apresentará a estratégia do governo para compensar o rombo da Regra de Ouro, que determina que o governo não pode endividar-se para cobrir despesas correntes, apenas para fazer investimentos (em obras públicas e compra de equipamentos) e refinanciar a dívida pública. Segundo Colnago, o governo deverá incluir um dispositivo na LDO que permita a aprovação do Orçamento com um crédito especial para impedir o descumprimento da regra.

“Vamos seguir o que dispõe a Constituição. Vamos observar exatamente o que está lá. Se você olhar o inciso terceiro do Artigo 167 [que trata da Regra de Ouro], fala em crédito especial”, declarou. Para este ano, a equipe econômica estima em R$ 203,4 bilhões a insuficiência de recursos para o cumprimento da Regra de Ouro em 2018. O rombo será compensado pela devolução de títulos públicos em poder do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), pela extinção do Fundo Soberano do Brasil (FSB) e pela desvinculação de outros fundos, cujas receitas podem ser usadas para diminuir o endividamento do governo.

O FSB, vinculado ao Ministério da Fazenda, foi criado em 2008 visando fazer investimentos no Brasil e no exterior, formar poupança pública, combater os efeitos de eventuais crises econômicas e auxiliar nos projetos de interesse estratégico do país no exterior.

Inflação

O novo ministro do Planejamento também comentou a queda da inflação oficial pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), que somou 0,09% em março e atingiu o nível mais baixo para o mês desde a criação do Plano Real, em 1994. Segundo Colnago, o recuo da inflação é uma excelente notícia para o governo, pois o impacto sobre a arrecadação federal (que cresce menos com inflação menor) deverá ser pequeno.

“Estar com uma inflação muito baixa é uma notícia muito boa. Claramente, isso tem alguns efeitos colaterais, um deles é a arrecadação menor. Mas, se a gente fizer um balanço de positivo e negativo, é muito mais benéfico do que maléfico. A gente ainda vai levantar o impacto nas contas, mas acho que vai ser muito pequeno. Na verdade, eu acho fantástico o IPCA ter vindo nesse valor”, concluiu.

Edição: Augusto Queiroz

 

Últimas Notícias

Empresários brasileiros apostam em alimentos e bebidas saudáveis
Temporal no RS deixa mais de 360 mil residências sem luz
Livro aborda mentiras contadas por presidentes do Brasil em 100 anos
Setor da cachaça lança manifesto contra carga tributária
Polícia busca PM sequestrado por criminosos na zona oeste do Rio
Bolsonaro passa bem e tem dreno retirado do abdome
PM encontra carro de policial sequestrado no Rio
Festival de Brasília termina hoje com entrega de premiações

MAIS NOTICIAS

 

Toffoli toma posse hoje na presidência do STF
 
 
Chanceler do Paraguai visita Brasil para negociar construção de pontes
 
 
Indústria recua em oito dos 15 locais pesquisados pelo IBGE em julho
 
 
Brasil amplia investimento em educação infantil, diz OCDE
 
 
México investiga caso de deputadas forçadas a renunciar
 
 
A série de ataques de 11 de Setembro completa 17 anos

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2017 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212