Assine Brasil em Folhas / Nuvem / Pressreader



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


14 de Aug de 2018 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade
 

...

...

 
Notícias
 STF suspende análise de habeas corpus de Antonio Palocci - Jornal Brasil em Folhas
STF suspende análise de habeas corpus de Antonio Palocci


O Plenário do Supremo Tribunal Federal iniciou nesta quarta-feira (11) a análise do Habeas Corpus (HC) 143333, impetrado pela defesa de Antonio Palocci. No exame das questões preliminares, os ministros decidiram, por maioria, que o relator de um habeas corpus pode submetê-lo a julgamento pelo Plenário da Corte sem necessidade de fundamentação, como ocorreu neste caso. Reconheceram também que o fato de ter sido proferida sentença contra o réu após a apresentação do habeas no Supremo causa prejuízo à impetração e, com este fundamento, não conheceram do HC.

O Plenário iniciou, em seguida, a discussão sobre a possibilidade de concessão da ordem de ofício, possível quando forem constatadas circunstâncias como ilegalidade, teratologia (anormalidade) ou contrariedade à jurisprudência do STF. O relator, ministro Edson Fachin, votou pela não concessão por entender que não há circunstâncias que justifiquem a revogação da prisão preventiva. Na sessão de amanhã (12), o Plenário retoma o julgamento neste ponto.

Ex-ministro dos governos Lula e Dilma Rousseff, Antônio Palocci Filho foi preso preventivamente em setembro de 2016 no curso da Operação Lava-Jato, sob a acusação de ter solicitado vantagens indevidas para favorecer a empresa Odebrecht em licitações da Petrobras. De acordo com as investigações, o ex-ministro, chamado de “italiano” nas planilhas da empresa, seria o interlocutor do Partido dos Trabalhadores junto à empresa. A defesa de Palocci impetrou, sucessivamente, habeas corpus no Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF-4) e no Superior Tribunal de Justiça (STJ), sem êxito nas duas instâncias. Diante da negativa no STJ, impetrou o habeas no Supremo.

Em sua manifestação durante o julgamento, o advogado de Palocci questionou a submissão do caso ao Plenário, determinada pelo relator, ministro Edson Fachin, e defendeu que o caso deveria ser julgado pela Segunda Turma, à qual pertence o relator. Quanto ao mérito, apontou a ilegalidade da prisão preventiva ao argumento de que teria sido decretada 50 meses após a prática do último ato que a justifica. O defensor disse acreditar que não se trata de uma medida cautelar, e sim da utilização da prisão preventiva como forma de antecipação da pena. Como último argumento, apontou a ocorrência de excesso de prazo na preventiva, uma vez que Palocci estaria custodiado há quase um ano e sete meses.

A procuradora-geral da República, Raquel Dodge, lembrou que, após a impetração do habeas corpus no Supremo, Palocci foi condenado a 12 anos, 2 meses e 20 dias de reclusão pelos crimes de corrupção passiva e lavagem de dinheiro e que, na sentença, foi mantida a custódia cautelar, diante da possibilidade de o réu continuar infringindo a ordem pública e para aplicação da lei penal. Nesse ponto, a procuradora-geral salientou que as razões que embasaram o decreto de prisão preventiva até hoje persistem, uma vez que Palocci seria o principal operador financeiro de uma conta usada para depósito de vantagens indevidas que envolvia valores estimados em R$ 200 milhões. De acordo com Raquel Dodge, mesmo após a prisão preventiva, ele continuou a movimentar valores que seriam irregulares. Assim, a seu ver, permanece a necessidade de prisão preventiva para paralisar a prática da atividade criminosa.

Plenário

Após negar o pedido de medida liminar, o relator do caso, com base no artigo 21, inciso XI, do Regimento Interno do STF, decidiu submeter o caso ao Plenário, com base na divergência entre as Turmas quanto ao uso do HC como substitutivo de recurso ordinário. Esse tema, contudo, foi superado após o julgamento do HC 152752, impetrado em favor do ex-presidente Lula, realizado no início deste mês, em que o Pleno reconheceu essa possibilidade. Outra divergência entre as Turmas, segundo o relator, seria quanto a eventual prejuízo do HC em decorrência da superveniência da sentença condenatória após a sua impetração.

No início do julgamento, os ministros decidiram, por maioria de votos, na análise dessa questão preliminar, que a atribuição dada ao relator para afetar ao Plenário o julgamento de Habeas Corpus, prevista no artigo 21 (inciso XI) do Regimento Interno do STF, não necessita de motivação. Votaram nesse sentido o relator e os ministros Dias Toffoli, Alexandre de Moraes, Roberto Barroso, Rosa Weber, Luiz Fux, Gilmar Mendes, Celso de Mello e a presidente, ministra Cármen Lúcia. Ficaram vencidos os ministros Ricardo Lewandowski e Marco Aurélio. Para Lewandowski, a submissão de HC para julgamento pelo Pleno exigiria um mínimo de motivação do relator para subtrair o caso do juiz natural, que é a Turma.

Prejuízo

Na sequência, os ministros analisaram outra questão preliminar referente a eventual prejudicialidade do pedido diante da prolação de sentença condenatória após a impetração do habeas perante o STF, cujo objeto era o decreto de prisão preventiva. Para o relator, a superveniência da condenação modifica o debate, pois a sentença caracteriza uma realidade processual de maior amplitude. Por isso, votou pelo não conhecimento do habeas, seguido pelos ministros Alexandre de Moraes, Roberto Barroso, Rosa Weber, Luiz Fux e a presidente, ministra Cármen Lúcia.

Primeiro a divergir do relator, o ministro Dias Toffoli lembrou que Palocci está preso cautelarmente desde setembro de 2016, e que, em junho de 2017, sobreveio a sentença condenatória que lhe negou o direito de recorrer em liberdade. Para o ministro, contudo, a sentença não apresentou fundamentos novos ou autônomos para a manutenção da custódia, apenas se reportando a fundamentos do decreto de prisão preventiva – a garantia da ordem pública, o risco da reiteração delitiva e a gravidade da conduta. Segundo Toffoli, só há prejudicialidade quando a sentença se vale de fundamentos diversos do decreto de prisão preventiva, o que não teria ocorrido no caso. Acompanharam esse entendimento os ministros Ricardo Lewandowski, Gilmar Mendes, Marco Aurélio e Celso de Mello.

Concessão de ofício

Ao explicitar as razões para não conceder o habeas corpus de ofício, o ministro Edson Fachin observou que a prisão foi devidamente fundamentada e enfatizou os fundamentos relacionados à garantia da ordem pública. Na sua avaliação, o cenário revela, para efeitos da prisão preventiva, a periculosidade concreta do agente e o fundado receio de reiteração das práticas delitivas. Entre outros pontos, o ministro lembrou que parte dos recursos objeto de lavagem de dinheiro não foi recuperada, o que aponta para a existência de crime permanente.

Fachin também afastou a alegação de excesso de prazo da prisão preventiva assinalando a complexidade do caso, que envolve 15 acusados, mais de 120 testemunhas e colaborações que abrangem diversos juízos. “Não há elementos que levem a compreender pela ausência de higidez do decreto sentencial que renovou a preventiva”, concluiu.

Seu voto foi seguido pelos ministros Roberto Barroso, Alexandre de Moraes e Luiz Fux. O julgamento foi suspenso e será retomado no início da sessão de amanhã (12).

MB/CF/CR

 

Últimas Notícias

Banco Central aprova aquisição da XP Investimentos pelo banco Itaú
Associação critica proibição de cobrança por assentos em voos
Número de linhas fixas tem queda de 2,76% no último ano, diz Anatel
Dólar fecha a semana em R$ 3,86, maior alta desde 16 de julho
Governo vai propor adiamento de reajuste de servidores para 2020
Aberto prazo para renovação de contratos do Fies celebrados até 2017
Todos pela Educação faz debate com candidatos; Ciro é o 1º convidado
Brasil comemora aprovação de Bachelet para as Nações Unidas

MAIS NOTICIAS

 

Convenção do PSDB lança candidaturas de José Eliton, Marconi e Lúcia Vânia
 
 
ANP faz tomada pública sobre preço de etanol nas usinas
 
 
China e União Europeia se unem para apoiar comércio multilateral
 
 
Gabinete de intervenção vai comprar munição para polícia do Rio
 
 
PSDB confirma Alckmin como candidato a presidente da República
 
 
Álvaro Dias é oficializado candidato à Presidência pelo Podemos

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2017 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212