Assine Brasil em Folhas / Nuvem / Pressreader



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


20 de Apr de 2018 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade
 

...

...

 
Notícias
 Sauditas erguem o véu de seu passado pré-islâmico - Jornal Brasil em Folhas
Sauditas erguem o véu de seu passado pré-islâmico


Os vestígios arqueológicos de Al Ula, em meio ao imenso deserto do noroeste da Arábia Saudita, estão mergulhados em uma letargia da qual vão emergir, graças a um megaprojeto de desenvolvimento.

A Arábia Saudita e a França assinaram na terça-feira (10), por ocasião da visita a Paris do príncipe-herdeiro Mohamed bin Salman, um acordo para o desenvolvimento turístico e cultural da região, rica em ruínas da época dos Nabateus e em paisagens de tirar o fôlego.

A localidade de Al Ula é considerada um tesouro, especialmente agora que o reino quer conceder, pela primeira vez, vistos turísticos com o objetivo de aumentar consideravelmente o número de visitantes estrangeiros.

Toda Al Ula é um museu a céu aberto, explica o guia Bandar al Anazi, durante uma viagem para jornalistas, organizada para coincidir com a visita do príncipe-herdeiro à França.

Há tanta história aqui esperando para ser revelada, afirma, mostrando tumbas talhadas na rocha com nichos para os sepultamentos.

As tumbas, algumas com inscrições pré-islâmicas e desenhos como cenas de caça, são uma herança da tradição artística nabateia.

A arte rupestre talhada poderia ajudar a elucidar os mistérios de quase 4.000 anos de civilização na península arábica.

- Um potencial infinito -

A região, do tamanho da Bélgica, foi local de passagem para as caravanas e de abastecimento de água potável na rota comercial entre a península arábica, o norte da África e a Índia.

Abriga a primeira jazida arqueológica do reino incluída no Patrimônio Mundial da Humanidade da Unesco: Madain Saleh, construída há mais de 2.000 anos pelos nabateus, um povo árabe dedicado ao comércio e que viveu no sul da Jordânia e ao norte da atual Arábia.

De fato, compara-se às ruínas de Petra, na Jordânia.

A cada dia, descobrimos algo novo, afirma à AFP Jamie Quartermaine, especialista do grupo britânico Oxford Archaeology. O potencial é infinito.

Sobrevoando a região de helicóptero, vê-se uma paisagem de montanhas, desfiladeiros, labirintos rochosos e areia até perder de vista.

A cidade fortificada de Al Ula, com suas casas de adobe e pedra, será restaurada em colaboração com a França e serão registrados todos os seus tesouros arqueológicos, explica Amr al Madani, diretor-geral da Comissão Real saudita para Al Ula.

O acordo franco-saudita, com dez anos de duração, prevê a criação de uma agência baseada no modelo da que gerenciou a criação do Louvre de Abu Dhabi, inaugurado em novembro, afirma Gérard Mestrallet, presidente do conselho administrativo do grupo energético Engie e enviado especial do chefe de Estado francês, Emmanuel Macron, a Al Ula.

- Turismo -

Segundo ele, trata-se de um acordo sem precedentes, que cobre vários âmbitos: arqueologia, oferta cultural e artística, infraestrutura, energia, transporte, formação e tudo quanto a França possa oferecer em termos de valorização do patrimônio.

A agência será financiada com capital saudita, mas o aporte é desconhecido.

Em Al Ula, a 1.100 km de Riad, será criado um museu, um centro de pesquisa histórica e arqueológica. Um total de 150 estudantes, metade deles mulheres, será formada em turismo e cultura.

Os primeiros turistas poderão chegar à região dentro de 3 a 5 anos, segundo Amr al Madani.

Uma vez equipada, a região, que já dispõe de aeroporto, deve poder receber entre 1,5 e 2,5 milhões de visitantes ao ano, respeitando o meio ambiente e as normas de desenvolvimento sustentável, segundo o encarregado saudita.

O príncipe-herdeiro saudita Mohamed bin Salman foi fotografado durante férias em Al Ula, parte dos tesouros arqueológicos quase esquecidos até o movimento de abertura, empreendido por ele.

O turismo é um eixo central de um programa de reformas que visa a reduzir a dependência saudita do petróleo.

Este programa está acompanhado de uma política de abertura lançada pelo príncipe, que dá às mulheres o direito de dirigir, autoriza os shows e os cinemas e afrouxa o cerco imposto pelos conservadores em vários aspectos da vida cotidiana.

 

Últimas Notícias

iPhone novo é oferecido nas ruas do Rio
Caiado lança em Anápolis pré-candidatura de Valeriano a deputado federal
Ministro anuncia R$ 20 milhões para geração de emprego e renda na Paraíba
Câmara promove sessão em homenagem ao Dia do Jornalista
Conheça os pontos oficiais de troca de figurinhas do álbum da Copa do Mundo 2018
ABEAR lança “Jornada Asas do Bem” e enfatiza a importância do avião no transporte de órgãos para doação
Vanderlan Cardoso troca o PSB pelo PP
Recém-nascido encontrado em lixo de Aparecida de Goiânia recebe alta

MAIS NOTICIAS

 

Miguel Díaz-Canel se prepara para substituir Raúl Castro em Cuba
 
 
Dividido, Conselho de Segurança da ONU buscará convergência em fazenda sueca
 
 
Piloto que pousou avião de emergência virou heroína nos EUA
 
 
TRF4 nega a Lula último recurso em segunda instância
 
 
Polícia faz busca e apreensão na Porsche e na Audi por Dieselgate
 
 
Aviões americanos ainda podem sobrevoar a Rússia, diz Moscou

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 
 




© 2008 - 2017 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212