Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


19 de Mar de 2019 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Osso de mandíbula de 205 milhões de anos pertencia a réptil gigante - Jornal Brasil em Folhas
Osso de mandíbula de 205 milhões de anos pertencia a réptil gigante


Os restos de uma mandíbula de 205 milhões de anos encontrados em 2016 pertencem a um dos maiores répteis com focinho de marsuíno que existiu, conhecido como ictiossauro, disseram pesquisadores britânicos nesta segunda-feira (9).

Os fragmentos de ossos deste réptil aquático extinto há muito tempo foram encontrados em uma praia em Lilstock, Somerset, sudoeste da Inglaterra, em maio de 2016, segundo um estudo publicado na revista científica PLOS ONE, indicando que medem cerca de 96 centímetros de comprimento.

Os cientistas compararam esses ossos com outros semelhantes que pertenceram ao que até esse momento era considerado o maior ictiossauro, o Shakanasurus Shonisaurus sikanniensis, de 21 metros de comprimento.

Sua conclusão é que os restos encontrados na Grã-Bretanha vêm de um ictiossauro de cerca de 26 metros, ou seja, do tamanho de uma baleia azul.

Como o espécime é representado apenas por um grande pedaço da mandíbula, é difícil fornecer uma estimativa do tamanho do animal, disse Dean Lomax, especialista em ictiossauros da Universidade de Manchester.

Mas usando um simples fator de escala e comparando-o com o mesmo osso do S. sikanniensis, o espécime de Lilstock aproximadamente 25% maior, acrescentou.

Os restos fósseis dos ictiossauros sugerem que eles viveram durante a Era Mesozoica, 251 milhões de anos atrás e até 65 milhões de anos atrás.

Não eram considerados dinossauros, mas répteis marinhos, primos dos lagartos e das cobras, que dependiam do ar para respirar, mas não eram dotados de brânquias.

A descoberta dessa mandíbula em 2016 também levou cientistas a reexaminarem os ossos de 208 milhões de anos descobertos em 1850 em Aust Cliff, Gloucestershire, no oeste da Inglaterra.

Estes foram identificados como fragmentos de diferentes dinossauros e répteis. No entanto, os pesquisadores agora acreditam que viriam de outro ictiossauro, que pode ter sido maior do que o espécime de Lilstock.

Estimativas de tamanho sugerem que os ictiossauros de Lilstock e Aust são os maiores ictiossauros conhecidos até hoje, assegura o estudo.

Contudo, os paleontologistas não saberão exatamente como realmente era o ictiossauro gigante da Grã-Bretanha até que descubram mais restos de fósseis.

 

Últimas Notícias

Sul e Sudeste se unem e formam consórcio para ações conjuntas
Copom inicia reunião nesta terça para definir taxa básica de juros
Mercado reduz projeção de crescimento da economia de 2,28% para 2,01%
Atividade econômica tem queda de 0,41% em janeiro, diz BC
Governo lança edital de estudos para concessão de 22 aeroportos
Governo do Rio anuncia rompimento da concessão do Maracanã
Feiras em São Paulo oferecem oportunidades de intercâmbio no exterior
Treze de 16 docentes relataram casos de agressão na escola de Suzano

MAIS NOTICIAS

 

Sul do Chile enfrenta 45 focos de incêndios florestais
 
 
Governo de Minas oferece suporte psicossocial às vítimas de Brumadinho
 
 
Força Nacional de Segurança começa a deixar o Ceará
 
 
Licitação de ônibus em São Paulo tem contratos de R$ 71 bi em 20 anos
 
 
Força Nacional vai atuar em Belém na primeira quinzena de março
 
 
Fiocruz alerta para agravamento de doenças na população após tragédia

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2017 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212