Assine Brasil em Folhas / Nuvem / Pressreader



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


20 de Jun de 2018 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade
 

...

...

 
Notícias
 Osso de mandíbula de 205 milhões de anos pertencia a réptil gigante - Jornal Brasil em Folhas
Osso de mandíbula de 205 milhões de anos pertencia a réptil gigante


Os restos de uma mandíbula de 205 milhões de anos encontrados em 2016 pertencem a um dos maiores répteis com focinho de marsuíno que existiu, conhecido como ictiossauro, disseram pesquisadores britânicos nesta segunda-feira (9).

Os fragmentos de ossos deste réptil aquático extinto há muito tempo foram encontrados em uma praia em Lilstock, Somerset, sudoeste da Inglaterra, em maio de 2016, segundo um estudo publicado na revista científica PLOS ONE, indicando que medem cerca de 96 centímetros de comprimento.

Os cientistas compararam esses ossos com outros semelhantes que pertenceram ao que até esse momento era considerado o maior ictiossauro, o Shakanasurus Shonisaurus sikanniensis, de 21 metros de comprimento.

Sua conclusão é que os restos encontrados na Grã-Bretanha vêm de um ictiossauro de cerca de 26 metros, ou seja, do tamanho de uma baleia azul.

Como o espécime é representado apenas por um grande pedaço da mandíbula, é difícil fornecer uma estimativa do tamanho do animal, disse Dean Lomax, especialista em ictiossauros da Universidade de Manchester.

Mas usando um simples fator de escala e comparando-o com o mesmo osso do S. sikanniensis, o espécime de Lilstock aproximadamente 25% maior, acrescentou.

Os restos fósseis dos ictiossauros sugerem que eles viveram durante a Era Mesozoica, 251 milhões de anos atrás e até 65 milhões de anos atrás.

Não eram considerados dinossauros, mas répteis marinhos, primos dos lagartos e das cobras, que dependiam do ar para respirar, mas não eram dotados de brânquias.

A descoberta dessa mandíbula em 2016 também levou cientistas a reexaminarem os ossos de 208 milhões de anos descobertos em 1850 em Aust Cliff, Gloucestershire, no oeste da Inglaterra.

Estes foram identificados como fragmentos de diferentes dinossauros e répteis. No entanto, os pesquisadores agora acreditam que viriam de outro ictiossauro, que pode ter sido maior do que o espécime de Lilstock.

Estimativas de tamanho sugerem que os ictiossauros de Lilstock e Aust são os maiores ictiossauros conhecidos até hoje, assegura o estudo.

Contudo, os paleontologistas não saberão exatamente como realmente era o ictiossauro gigante da Grã-Bretanha até que descubram mais restos de fósseis.

 

Últimas Notícias

Interventor apresenta plano estratégico para comissão da Câmara
Temer sanciona lei que permite venda direta do óleo do pré-sal
Temer diz que governo vai esperar decisão do STF sobre fretes
PM é indiciado por assassinato de jovem na Grande São Paulo
ONS vai fazer operações especiais para garantir energia na Copa
Mar agitado destrói parte de proteção da estrutura na Praia da Macumba
Anac prevê leilão de mais 13 aeroportos até o fim do ano
TCU vai investigar se cobrança de bagagem barateou passagens aéreas

MAIS NOTICIAS

 

Pelo grupo do Brasil, Sérvia vence Costa Rica
 
 
Justiça Federal aceita 24ª denúncia contra ex-governador Sérgio Cabral
 
 
Copa do Mundo altera rotina de comissões e de visitas no Congresso
 
 
Carioca ainda aguarda estreia do Brasil para entrar no clima da Copa
 
 
Torcida acredita em vitória do Brasil, mas sem muita euforia
 
 
Neymar afirma que não tem medo de sonhar grande

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2017 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212