Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


19 de Mar de 2019 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Opaq confirma resultados do Reino Unido sobre gás usado em ataque químico - Jornal Brasil em Folhas
Opaq confirma resultados do Reino Unido sobre gás usado em ataque químico


A Organização para a Proibição de Armas Químicas (Opaq), anunciou esta quinta-feira (12) os resultados da sua investigação sobre o suposto ataque químico ocorrido em 4 de março contra um ex-agente de inteligência da Rússia e a filha dele na cidade britânica de Salisbury, no Reino Unido.Um agente da polícia britânica, que socorreu os dois, também foi contaminado.

Segundo a entidade, o tipo de produto usado no ataque foi um gás neurotóxico chamado novichok, como já havia sido informado no mês passado pelo governo britânico. A informação é da ONU News.

A Opaq informou que, a pedido do Reino Unido, o relatório final vai ser partilhado com todos os Estados-membros da Convenção sobre Armas Químicas. Um resumo do caso também será divulgado ao público.

Organização autônoma com sede em Haia, nos Países Baixos, a Opaq informou que “trabalha de forma independente, não esteve envolvida na investigação das autoridades britânicas” e que “nenhum Estado-membro esteve envolvido no trabalho técnico realizado”.

Conselho de Segurança

O Conselho de Segurança da ONU já debateu o ataque no Reino Unido duas vezes. No primeiro encontro, logo após o ataque, o Reino Unido disse que novichok é um “gás neurotóxico de classe militar desenvolvido pela Rússia” e afirmou ser “altamente provável” aquele país tenha sido “o responsável por este ato imprudente.”

O embaixador russo, Vassily Nebenzia, exigiu provas e afirmou que a Rússia não tem nada a ver com o ataque. Segundo ele, “nenhuma investigação científica com o título novichok foi conduzida” em território russo.

No último encontro sobre o tema, em 5 de abril, foi apresentada uma carta da primeira-ministra do Reino Unido, Theresa May, onde ela afirma que o ataque em Salisbury era uma ação “consistente com um padrão bem estabelecido de agressão do Estado russo.”

Nebenzia respondeu dizendo que a acusação é “uma campanha coordenada, e muito bem preparada, para desacreditar e deslegitimar a Rússia.”

ONU preocupada

O vice-porta-voz do secretário-geral da ONU, Farhan Haq, disse em março que António Guterres “está muito preocupado” com alegações de uso do gás neurotóxico, pois acredita que “o seu uso como arma, sob qualquer circunstância, é inaceitável e o seu uso por um Estado constitui uma séria violação da lei internacional.”

No seguimento do caso, vários países decidiram expulsar diplomatas russos dos seus países, incluindo os Estados Unidos.

Segundo notícias recentes, Yulia Skripal, a filha do ex-agente, já recebeu alta, mas o pai continua internado.

Edição: Augusto Queiroz

 

Últimas Notícias

Sul e Sudeste se unem e formam consórcio para ações conjuntas
Copom inicia reunião nesta terça para definir taxa básica de juros
Mercado reduz projeção de crescimento da economia de 2,28% para 2,01%
Atividade econômica tem queda de 0,41% em janeiro, diz BC
Governo lança edital de estudos para concessão de 22 aeroportos
Governo do Rio anuncia rompimento da concessão do Maracanã
Feiras em São Paulo oferecem oportunidades de intercâmbio no exterior
Treze de 16 docentes relataram casos de agressão na escola de Suzano

MAIS NOTICIAS

 

Sul do Chile enfrenta 45 focos de incêndios florestais
 
 
Governo de Minas oferece suporte psicossocial às vítimas de Brumadinho
 
 
Força Nacional de Segurança começa a deixar o Ceará
 
 
Licitação de ônibus em São Paulo tem contratos de R$ 71 bi em 20 anos
 
 
Força Nacional vai atuar em Belém na primeira quinzena de março
 
 
Fiocruz alerta para agravamento de doenças na população após tragédia

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2017 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212