Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


18 de Jan de 2019 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Transporte marítimo faz acordo global para reduzir em 50% emissões de CO2 - Jornal Brasil em Folhas
Transporte marítimo faz acordo global para reduzir em 50% emissões de CO2


Mais de 170 países acordaram, nesta sexta-feira (13) em Londres, reduzir pela metade as emissões de dióxido de carbono do transporte marítimo antes de 2050, um passo que requererá que a indústria redesenhe frotas inteiras.

O acordo, que acontece ao final de duas semanas de negociações na Organização Marítima Internacional (OMI) da ONU, reduzirá as emissões em ao menos 50% em relação aos níveis de 2008.

Alguns países, como as Ilhas Marshall, ameaçadas pelo aumento do nível das águas e um país importante no embandeiramento de barcos, queriam um acordo mais ambicioso, e a União Europeia aspirava inclusive a uma redução de entre 70% e 100%.

Mas o acordo foi amplamente saudado pelas partes.

É um acordo inovador, um acordo de Paris para o transporte marítimo, disse o secretário-geral da Câmara Internacional de Transporte Marítimo, Peter Hinchliffe.

Temos certeza de que isto dará à indústria naval o sinal claro que necessitava para seguir em frente com o trabalho de desenvolver combustíveis de dióxido de carbono zero, acrescentou.

A presidente das Ilhas Marshall, Hilda Heine, também elogiou o acordo.

Hoje a OMI fez história. Embora talvez não seja suficiente para dar ao meu país a certeza que queria, deixa claro que o transporte marítimo internacional agora reduzirá urgentemente as emissões e desempenhará seu papel em dar ao meu país uma via para a sobrevivência, disse em um comunicado.

Maersk, a maior companhia marítima de contêineres do mundo, reagiu na rede social Twitter: Pressionávamos para chegar a objetivos mais altos, mas continua sendo um grande passo que a OMI busque reduzir pela metade os gases de efeito estufa do setor de transporte marítimo até 2050.

O transporte marítimo e a aviação não estão cobertos pelo Acordo contra as mudanças climáticas da ONU, assinado em Paris em 2015.

O setor da aviação alcançou um plano de emissões há dois anos, mas a navegação demorou mais, já que sua dependência das embarcações de longa distância que funcionam com combustível bunker fazia com que a redução lhe resultasse mais difícil.

O transporte marítimo representa cerca de 2% das emissões mundiais de dióxido de carbono, e esta porcentagem podia ter aumentado até 15% se o problema não fosse abordado, segundo o Banco Mundial.

A organização Rede de ação climática saudou o acordo desta sexta-feira como um primeiro passo bem-vindo.

 

Últimas Notícias

Frédéric Lamotte é o novo diretor geral da CA Indosuez Wealth (Miami) e responsável Global da região das Américas
A ACIRLAG chega para impulsionar o setor econômico da região Leste de Aparecida
John Forman recusa cargo no Conselho de Administração da Petrobras
Em visita oficial, Macri é recebido no Planalto por Bolsonaro
Mercado financeiro prevê inflação em 4,02% neste ano
Consultas de CPFs para vendas a prazo no comércio crescem 2,8%
Produção de bicicletas aumenta 15,9% no Brasil
Receita abre consulta a restituição do Imposto de Renda de 2008 a 2018

MAIS NOTICIAS

 

ANP aprova credenciamento de empresa certificadora
 
 
Política de combate à inflação foi bem-sucedida, diz presidente do BC
 
 
Marcos Pontes: fusão de Embraer e Boeing preserva interesses do país
 
 
Número de linhas de celular tem maior queda do ano em novembro
 
 
ANP: Petrobras pede prazo maior para definir quais campos vai explorar
 
 
Ex-presidente do Banco Central defende política econômica do governo

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2017 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212