Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


14 de Nov de 2018 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Transporte marítimo faz acordo global para reduzir em 50% emissões de CO2 - Jornal Brasil em Folhas
Transporte marítimo faz acordo global para reduzir em 50% emissões de CO2


Mais de 170 países acordaram, nesta sexta-feira (13) em Londres, reduzir pela metade as emissões de dióxido de carbono do transporte marítimo antes de 2050, um passo que requererá que a indústria redesenhe frotas inteiras.

O acordo, que acontece ao final de duas semanas de negociações na Organização Marítima Internacional (OMI) da ONU, reduzirá as emissões em ao menos 50% em relação aos níveis de 2008.

Alguns países, como as Ilhas Marshall, ameaçadas pelo aumento do nível das águas e um país importante no embandeiramento de barcos, queriam um acordo mais ambicioso, e a União Europeia aspirava inclusive a uma redução de entre 70% e 100%.

Mas o acordo foi amplamente saudado pelas partes.

É um acordo inovador, um acordo de Paris para o transporte marítimo, disse o secretário-geral da Câmara Internacional de Transporte Marítimo, Peter Hinchliffe.

Temos certeza de que isto dará à indústria naval o sinal claro que necessitava para seguir em frente com o trabalho de desenvolver combustíveis de dióxido de carbono zero, acrescentou.

A presidente das Ilhas Marshall, Hilda Heine, também elogiou o acordo.

Hoje a OMI fez história. Embora talvez não seja suficiente para dar ao meu país a certeza que queria, deixa claro que o transporte marítimo internacional agora reduzirá urgentemente as emissões e desempenhará seu papel em dar ao meu país uma via para a sobrevivência, disse em um comunicado.

Maersk, a maior companhia marítima de contêineres do mundo, reagiu na rede social Twitter: Pressionávamos para chegar a objetivos mais altos, mas continua sendo um grande passo que a OMI busque reduzir pela metade os gases de efeito estufa do setor de transporte marítimo até 2050.

O transporte marítimo e a aviação não estão cobertos pelo Acordo contra as mudanças climáticas da ONU, assinado em Paris em 2015.

O setor da aviação alcançou um plano de emissões há dois anos, mas a navegação demorou mais, já que sua dependência das embarcações de longa distância que funcionam com combustível bunker fazia com que a redução lhe resultasse mais difícil.

O transporte marítimo representa cerca de 2% das emissões mundiais de dióxido de carbono, e esta porcentagem podia ter aumentado até 15% se o problema não fosse abordado, segundo o Banco Mundial.

A organização Rede de ação climática saudou o acordo desta sexta-feira como um primeiro passo bem-vindo.

 

Últimas Notícias

Nordeste perdeu 1 milhão de trabalhadores no campo de 2012 para 2017
IBGE prevê em 2019 safra de grãos 0,2% menor que a de 2018
Safra de grãos pode chegar a 238,3 milhões de toneladas, diz Conab
Banco do Brasil tem lucro de 14,3% no terceiro trimestre
Percentual de inadimplentes recua em outubro, diz CNC
Boletos vencidos de todos os tipos serão pagos em qualquer banco
Leonardo de Morais toma posse na presidência da Anatel
Natal deve movimentar R$ 53,5 bilhões na economia do país, prevê SPC

MAIS NOTICIAS

 

No Congresso, Temer defende reuniões frequentes entre Poderes
 
 
Bolsonaro reafirma, no Congresso, compromisso com a Constituição
 
 
Bolsonaro critica Enem e diz que prova deve cobrar conhecimentos úteis
 
 
Governo de transição dividiu trabalhos por temas em dez frentes
 
 
Para ministro, é “mais simples” unir MEC com Ciência e Tecnologia
 
 
Bolsonaro e Temer iniciam hoje formalmente governo de transição

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2019 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212