Assine Brasil em Folhas / Nuvem / Pressreader



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


23 de Apr de 2018 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade
 

...

...

 
Notícias
 Novo presidente da Volkswagen promete intensificar reformas - Jornal Brasil em Folhas
Novo presidente da Volkswagen promete intensificar reformas


O novo presidente da gigante automobilística alemã Volkswagen prometeu intensificar suas reformas para chegar ao grupo para a mobilidade do futuro e deixar para trás os estragos do dieselgate, como ficou conhecido o escândalo de manipulação do nível de emissões poluentes de seus veículos.

A ideia é aprofundar a mudança, e não uma revolução, anunciou Herbert Diess nesta sexta-feira em Wolfsburgo, em sua primeira entrevista coletiva.

Ele dirigia apenas a marca VW e agora assume uma empresa submergida em uma interminável crise de imagem desde que foi revelado, em 2015, que manipularam 11 milhões de veículos a diesel para ocultar o nível real de emissões contaminantes.

Vamos dar prioridade aos (carros) elétricos, à digitalização e a novas formas de deslocamento. Também vamos continuar a mudança na cultura da empresa, prometeu o austríaco de 59 anos, que destacou um projeto de continuidade, em vez da ruptura com o passado.

Seu antecessor, Matthias Muller - que deixou a presidência nesta quinta-feira, embora sua saída fosse anunciada pela imprensa alemã há vários dias -, já tinha iniciado uma reestruturação maciça orientada para a redução de gastos. Muller continuará no grupo como conselheiro.

Diess não está na mira da Justiça, como Muller. O novo CEO trabalhava na BMW e chegou à VW logo antes de o escândalo explodir.

- Desafio de reorganizar -

Além da mudança de direção, a reorganização da VW será feita com uma modificação da própria estrutura deste império automotivo.

A empresa, com 12 marcas, concentrará operações em seis delas e criará uma entidade dedicada à China. Também vai preparar o lançamento de sua divisão de caminhões e ônibus na bolsa de valores.

A Volkswagen anunciou em paralelo uma parceria estratégica com a japonesa Hino Motors, subsidiária de sua concorrente histórica Toyota, para fortalecer a tecnologia que equipa suas concessionárias e preparar o sindicato antes do IPO, o que não será feito neste ano.

Automóveis elétricos e híbridos, digitalização, novos serviços de mobilidade: Diess, com reputação de poupador, deve organizar essa mudanças em momentos em que o futuro do diesel, produto estratégico, parece comprometido.

O grupo conseguiu, apesar de tudo, se manter em 2017 no primeiro lugar mundial, à frente da japonesa Toyota.

Com 11,35 bilhões de euros, seu lucro líquido se duplicou 2017 em relação aos 5,4 bilhões de euros de 2016. No ano do escândalo, o grupo relatou um prejuízo inédito de 1,6 bilhão de euros por gastos ligados ao dieselgate.

Diess tem o apoio unânime dos principais acionistas, as famílias herdeiras Porsche-Piëch.

Como símbolo desta confiança, ele se torna diretor da marca VW, do grupo Volkswagen e de pesquisa e desenvolvimento, um campo de comando ainda mais amplo que o do super-chefe que era Martin Winterkorn, que deixou o cargo em 2015.

 

Últimas Notícias

Homem com sinais de embriaguez provoca acidente em Taquarana
Kate Middleton dá entrada em hospital de Londres em trabalho de parto
Três taxistas são encontrados mortos após saírem de festa
Jovem de 21 anos é executado com tiro na cabeça na região metropolitana
Mudanças na reforma trabalhista expiram hoje, veja como fica a lei
Médicos fazem autópsia de cientista palestino assassinado em Kuala Lumpur
Atentado a centro eleitoral em Cabul deixa quase 60 mortos
Social-democratas alemãs elegem primeira mulher à frente do partido

MAIS NOTICIAS

 

Felipe Fraga e Marcos Gomes colocam Cimed Racing no top-10
 
 
Time Correios Brasil é convocado para Sul-Americano 14 anos
 
 
Protestos contra reforma da previdência deixam pelo menos dois mortos na Nicarágua
 
 
Confronto entre palestinos e soldados israelenses deixa dois mortos
 
 
Raúl Castro sai, mas o castrismo permanece com Díaz-Canel em Cuba
 
 
MP abrirá inquérito contra Alckmin por suspeita de caixa dois

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 
 




© 2008 - 2017 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212