Assine Brasil em Folhas / Nuvem / Pressreader



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


19 de Apr de 2018 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade
 

...

...

 
Notícias
 O que se sabe sobre o suposto ataque químico na Síria - Jornal Brasil em Folhas
O que se sabe sobre o suposto ataque químico na Síria


Uma equipe da Organização para a Proibição de Armas Químicas (OPAQ) inicia neste sábado sua investigação na cidade síria de Duma, alvo de um suposto ataque químico condenado por vários países ocidentais.

O regime de Bashar al Assad, apoiado por Rússia e Irã, nega qualquer recurso a armas químicas e acusa os rebeldes de fabricar o ataque, enquanto Estados Unidos e França não descartam uma retaliação.

As forças do regime sírio impedem o acesso a Duma, o que não permite que a imprensa verifique de maneira independente as acusações.

O que se sabe sobre o ataque:

- O que aconteceu -

No sábado, dia 7 de abril, Duma - o último bastião rebelde na região de Damasco - sofre um intenso bombardeio do regime após mais um fracasso nas negociações para se organizar a saída dos combatentes do grupo Yaish al Islam.

Por volta das 16H00 local ocorre um ataque aéreo sobre a rua Omar bin Al Jatab, e segundo diversas ONGs, como o Observatório Sírio dos Direitos Humanos (OSDH), há dezenas de casos de intoxicação.

A Rede Síria dos Direitos Humanos e o Centro de Documentação de Violações denunciam um ataque com cloro.

Um segundo ataque ocorre às 19H30 local e atinge zonas próximas à Praça dos Mártires. As vítimas apresentam sintomas como queimaduras nos olhos e espuma na boca, o que sugere algo mais forte que o cloro, possivelmente um agente neurotóxico com o gás sarin, segundo especialistas.

Mohamed, um médico de Duma, disse à AFP que na noite de sábado atendeu ondas sucessivas de feridos. Chegavam sufocados, havia um forte cheiro de cloro.

Um vídeo publicado por socorristas dos Capacetes Brancos gravado após o ataque mostra vários corpos, incluindo de crianças, espalhados pelo chão, todos com espuma branca na boca.

A veracidade das imagens não pôde ser confirmada de maneira independente.

No domingo, o regime anunciou um acordo nas negociações e quatro dias depois o Yaish al Islam entregou suas armas pesadas e abandonou a cidade. O ataque químico nos levou a aceitar, disse Yaser Delwan, um dos líderes do grupo.

- Quantos morreram no ataque? -

Os Capacetes Brancos e a ONG Syrian American Medical Society afirmam que mais de 40 pessoas morreram e cerca de 500 apresentaram sintomas de exposição a agente químico.

A Organização Mundial de Saúde, baseada em informações de parceiros locais, avalia que mais de 70 pessoas refugiadas em porões morreram e que 43 óbitos estão vinculados diretamente a sintomas coerentes com uma exposição a produtos químicos altamente tóxicos.

- Quais são os responsáveis? -

Como nas ocasiões precedentes, o regime de Bashar al Assad nega ter recorrido a armas químicas.

A Rússia descarta as acusações. Nossos especialistas militares já foram ao local (...) e não descobriram qualquer sinal de cloro ou outra substância química utilizada contra civis, declarou o ministro russo das Relações Exteriores, Serguéi Lavrov.

Nesta sexta-feira, o Exército russo assegurou ter provas que mostram a participação direta da Grã-Bretanha na organização desta provocação em Ghuta Oriental, a região onde se encontra Duma. Moscou acusa Londres de ter exercido uma forte pressão sobre os Capacetes Brancos para encenar esta provocação premeditada.

O regime sírio já foi acusado de outros ataques químicos, como ocorreu em Khan Sheikhun (noroeste), onde especialistas da ONU e da OPAQ identificaram o emprego de gás sarin. O ataque contra esta localidade rebelde deixou mais de 80 mortos.

- O que farão os investigadores? -

Os investigadores da OPAQ podem analisar amostras químicas, ambientais e biomédicas, interrogar vítimas, testemunhas, pessoal médico e participar de necropsias, explica a organização.

Um dia após o início da missão a equipe apresentará um primeiro relatório da situação e 72 horas após seu regresso a Haia, onde está a sede da OPAQ, fará um relatório preliminar. O texto final sairá no prazo de 30 dias.

O regime sírio assegura que colaborará com os investigadores.

 

Últimas Notícias

Um milhão de indígenas buscam alternativas para sobreviver
Seesp promove encontro de representantes das sedes do Jimi 2018
Agência de Transportes Aquaviários aprova estudos para leilões de terminais no Porto de Cabedelo
Hospital de Trauma de Campina Grande promove Curso de Atualização em Feridas e Curativos
Concurso da Polícia Militar e Corpo de Bombeiros tem quase 80 mil inscritos
Corpo de Bombeiros inicia Curso de Atendimento à Tentativa de Suicídio
Cuité e Esperança sediam audiências do ODE nesta sexta e sábado
Governo realiza programação do “Abril Verde” com ações preventivas de acidentes de trabalho

MAIS NOTICIAS

 

Mais 2 mil escrituras são entregues no Riacho Fundo II
 
 
Está sancionado projeto que oficializa o modelo como o único de atenção primária no DF
 
 
Buraco do Tatu será bloqueado nas madrugadas de segunda (9) a sábado (14)
 
 
Instituto Hospital de Base vai recorrer da suspensão de processo seletivo de pessoal
 
 
Hospital Veterinário Público inicia atendimentos em Brasília
 
 
Estudantes da rede pública conhecem Embaixada da Sérvia

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 
 




© 2008 - 2017 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212