Pressreader / UOL Banca / Nuvem



Siga, Curta e Compartilhe
#brasilemfolhas - #jonaldodia - #jornaldigital
#jornalbrasil - #newspaperbrazil - #jornalhoje


16 de Nov de 2018 - Jornal em tempo real - Expediente - Publicidade

 

 
Notícias
 Bispos chilenos reconhecem dor e vergonha por casos de pedofilia - Jornal Brasil em Folhas
Bispos chilenos reconhecem dor e vergonha por casos de pedofilia


Os bispos chilenos expressaram, nesta sexta-feira, sua dor e vergonha pelos casos de pedofilia na Igreja local, após o recente pedido de perdão do papa Francisco pelos graves equívocos de avaliação das denúncias.

Ao final de uma assembleia plenária da Conferência Episcopal do Chile dois dias depois do novo pronunciamento do papa sobre este tema, os bispos emitiram uma declaração em que expressaram compartilhar a dor do pontífice e asseguraram que se encarregarão dos erros que correspondam.

Acolhemos esta carta com fé e obediência filial. Junto ao papa, sentimos dor e vergonha porque, apesar das ações realizadas estes anos, não conseguimos fazer com que as feridas dos abusos sanassem nos corações de muitas vítimas, e continuam sendo uma chaga aberta no coração da Igreja no Chile, disse a declaração.

Através de uma carta, divulgada na quarta-feira pelo Vaticano e o Episcopado chileno, o papa convocou a Roma os bispos chilenos para dialogar sobre as conclusões da recente missão do Vaticano para investigar as denúncias de pedofilia e encobrimento no interior da igreja local.

Nessa carta Francisco abre seu coração ante a dor abrumadora dos abusos informados pelo seus enviados especiais e nos convoca a Roma para dialogar com ele, acrescenta o texto dos bispos chilenos.

O arcebispo de Malta, Charles Scicluna, foi enviado ao Chile em fevereiro pelo papa Francisco para ouvir depoimentos sobre o suposto encobrimento de abusos sexuais pelo bispo da cidade de Osorno (sul), Juan Barros, mas depois incluiu conversas com vítimas de pedofilia em colégios da Congregação Marista.

Barros é acusado de encobrir os abusos sexuais reiterados do influente sacerdote Fernando Karadima, condenado pelo Vaticano em 2011 a uma vida de oração e penitência depois que a Justiça local declarou prescritas as acusações de abuso sexual.

Ao retornar à Santa Sé, Scicluna entregou um relatório de sua visita a Francisco.

Na carta, o papa assinala que, após uma leitura atenta das atas desse processo de escuta, acho que posso afirmar que todas os depoimentos coletados falam de uma maneira crua, sem aditivos ou adoçantes, de muitas vidas crucificadas e confesso que isso me causa dor e vergonha.

No texto, Francisco também reconhece que incorreu em graves equívocos de avaliação e percepção da situação, especialmente devido à falta de informações verdadeiras e equilibradas.

 

Últimas Notícias

Presidente Díaz-Canel defende trabalho de médicos cubanos no Brasil
Ministério vai lançar edital para repor vagas de médicos cubanos
CFM afirma que há médicos suficientes para atender Brasil
Associação lança projeto para conscientizar população sobre diabetes 2
Transposição do S. Francisco está na pauta de prioridades da transição
Temer inaugura primeira etapa do acelerador de elétrons Sirius
Temer diz que decidirá “lá na frente” reajuste de ministros do STF
Só um governador do Nordeste participa de encontro em Brasília

MAIS NOTICIAS

 

Volume de vendas do varejo cai 1,3% em setembro
 
 
Gilmar Mendes suspende decisão que obriga bancos a ressarcir clientes
 
 
Prefeitos e secretários pedem para manter cubanos no Mais Médicos
 
 
Em depoimento, Lula nega que é dono de sítio em Atibaia
 
 
Mega-Sena acumula e pode pagar R$ 33 milhões no próximo sorteio
 
 
Enem: estudantes fazem hoje prova de matemática e ciências da natureza

 

 
 
 
 


ÚLTIMAS EDIÇÕES DO JORNAL BRASIL EM FOLHAS

 
 




© 2008 - 2019 - BRASIL EM FOLHAS S/A - CENTRAL DE ATENDIMENTO +55 (62) 3040-8212